O Dossiê do Soldado

Creative Commons License
Todo o conteúdo deste blog está assegurado sob uma licença Criative Commons

José Cyrilo do Espírito Santo pai de Spírito e Lula

José Cyrilo do Espírito Santo pai de Spírito Santo

A Curta biografia do soldado José Cyrillo do Espírito Santo

Fragmentos de relatos e notícias sobre fatos reais

Nasceu em 28 de Janeiro de 1918 em Diamantina, Minas Gerais. Foge de casa aos 14 anos por razões não reveladas. Alega ter presenciado a Revolução de 1932, talvez no caminho de sua fuga sem destino.

Em época não sabida se estabelece no Rio de Janeiro (onde se supõe residiam tios seus) e ingressa no Exercito em 01 de Julho de 1934.

Em 6 de Maio de 1939 deserta do Exército e fica foragido por dois anos. Em 15 de maio de 1942 foi capturado e fica preso por quase um ano (10 meses e 15 dias).

Em 23 de Novembro de 1944, ainda engajado parte para a Guerra na Europa. Volta da Itália em 25 de Julho de 1945.

Inserido num programa de reinserção de ex-combatentes do governo Vargas , trabalha como motociclista da Polícia Especial, em seguida com a desativação da PE motorizada, vira Guarda Civil.

Falece em 1951, aos 35 anos de idade.

Notícia real 01

Os episódios decisivos da segunda guerra mundial dos quais Cyrillo participou se concentram, evidentemente nos dias em que seu regimento e batalhão estiveram em combate. Todos os incidentes ocorrem na região do norte da Itália denominada Emilia Romagna, mais precisamente no vale do Rio Pó.

Este período é também o mais controvertido episódio de toda a campanha brasileira com 4 derrotas seguidas e muitos soldados abandonados no topo gelado do Monte Castello numa retirada ordenada às pressas, redundando em muitos mortos insepultos.

A FEB (um ”Grupamento” e não um exército propriamente) estava subordinada ao V Exército Norte Americano. Existem varias opiniões de fontes militares brasileiras (ditas até hoje à boca pequena) sobre a imperícia do comando e a impropriedade das ordens oriundas do comando deste V Exército Norte Americano que, provavelmente utilizou a FEB como ”Bucha de canhão” desafogando as tropas norte americanas que estavam sendo atacadas pelos alemães em seu flanco direito.

Cyrillo residia no Rio de Janeiro, logo pertencia ao Regimento sediado neste estado: o Primeiro Regimento de Infantaria ou ‘Regimento Sampaio’ (ao qual aliás, ele mesmo alegava pertencer) Sua ficha militar extraída depois de sua morte, no entanto indica o Sexto Regimento, originário de São Paulo.

Teria sido transferido antes ou durante os combates? E o tempo de serviço no Sampaio, onde teria ido parar? O fato dele ter contado que participou dos combates da tomada de Monte Castelo, contudo corrobora a tese de que ele estava mesmo no Primeiro RI, pelo menos nesta ocasião (o Sexto Regimento não participou desta batalha), logo pode-se supor que ele foi transferido do Primeiro para o Sexto em algum momento dos combates.

Com a batalha de Monte Castello desviando a atenção dos alemães, as tropas americanas puderam se safar quase sem baixas. Aparentemente, o que o comando do V Exército Norte Americano necessitava naquele momento, era manter os alemães ocupados com a defesa de uma única posição (Monte Castello), incumbindo a FEB de fustigá-los de maneira quase suicida, durante duas semanas, tempo suficiente para que as tropas americanas se incumbissem de suas próprias dificuldades táticas sem nenhum prejuízo.

Ficção 01

Fotos de manchetes de jornais da época (1944) exibem gravuras dos navios atacados pelos submarinos alemães. Som de rádios ligados em todos os lugares são ouvidos na rua. Presidente Vargas discursa a declaração de Guerra contra as potências do Eixo.

Um rádio está ligado também na pensão onde Geny, minha mãe, então namorada de Cyrillo trabalha. Já é noitinha e Geny retira o avental, rápido. Não está prestando atenção às notícias. Sai apressada, pois, tem um encontro com Cyrillo.

Cyrillo conta que foi convocado como todo mundo. A cena é triste. Conversam sobre a menina que Geny cria,  sua irmã mais nova (Corina), pois a mãe das duas morreu de parto da menina e Geny é a mais velha, incumbida portanto de cuidar da criança. Com tudo isto, fazem planos otimistas para o futuro.

História real 02

A temperatura na região por volta do natal de 1944 é de 20 graus negativos. A altura da neve é de 1 metro, com solidificação das camadas internas, situação que provocou a morte da maioria dos soldados brasileiros tombados nesta guerra e a amputação das pernas de muitos outros (”pés de trincheira). Mal equipados com borzeguins ou coturnos comuns trazidos do Brasil, estes soldados não puderam resistir à prolongada exposição ao rigoroso inverno daqueles dias.

De dezembro (data da chegada de Cyrillo) à fevereiro, as ações se limitaram a trocas de tiros entre patrulhas e peças de artilharia. Neste período ambos os exércitos inimigos, fizeram propaganda com panfletos incitando a rendição do outro.

Por causa do inverno cada vez mais rigoroso, hostilidades maiores só voltaram a se processar a partir de 19 de fevereiro 1945 com um plano para tomar, definitivamente o Monte Castello no dia 21, desta vez com um ataque preliminar de uma divisão de montanha americana aos montes vizinhos.

Cyrillo volta a combater em 3 de Março quando seu batalhão, o Terceiro do Sexto R.I. investe sobre Rocca Pitigliana, Braine de le Vigne, Recale e Santa Maria Viliana, todas no Vale do Rio Marano. Depois disto a próxima incumbência de seu batalhão foi tomar Castelnuovo, atacando pela esquerda de Soprassasso já em 5 de Março.

Ficção 02

Cyrillo e um amigo que ele chama de ‘Paraíba‘ no trem que os leva para o front. Eles têm muito frio e ficam meio deprimidos ao perceber que não existem folhas na paisagem toda branca de neve. Pelo caminho vão vendo que aqui e ali há indícios da destruição da guerra no horizonte e pelo caminho.

Os soldados do vagão estão tristes, sorriem as vezes por qualquer motivo, mas são risos nervosos, tensos. O trem para a toda hora, para recolher pessoas que correm pelo campo tendo atrás de si fumaça de incêndios. Numa destas paradas, o trem recolhe um homem ferido que é trazido por civis armados. Cyrillo e Paraíba notam e acham muito estranho aqueles civis armados. O ferido é um soldado americano, negro também como Cyrillo que acha aquilo mais estranho ainda.

História real 03

Nos momentos, que antecederam o ataque a Castelnuovo, as posições do regimento de Cyrillo foram violentamente bombardeadas pela artilharia alemã. Neste dia, presume-se ocorreu o incidente no qual um amigo de Cyrillo morreu enquanto tomava café na barraca usada pelos dois quando esta foi atingida por uma bomba, logo depois que Cyrillo saiu para render o companheiro na sentinela.

Baixas da tomada de Castellnuovo: 3 mortos, 65 feridos. Foram presos 98 soldados alemães. De um destes prisioneiros alemães (ou de um morto), Cyrillo retirou uma comenda ou insígnia de prata ou alumínio que trouxe para o Brasil como troféu de guerra.

Talvez este mesmo prisioneiro seja o que impressionou Cyrillo pela educação com que se comportou no almoço, mesmo após ter passado muitas horas ou dias de fome, um dos poucos fragmentos de memória que me recordo dele ter me contado assim, diretamente.

As baixas por ‘‘pé-de-trincheira” em Castelnuovo foram elevadas. Uma cruz colocada por alemães com a inscrição “Drei Trapfere-Brasil- Castelnuovo 24-1-1945/Três bravos…”, no entanto, serve de reconhecimento a bravura dos soldados de uma patrulha brasileira do Primeiro R.I, mortos ali.

É após Castelnuovo que Cyrillo tem folgas. São deste período grande parte  dos postais que ele trouxe da ltália os quais eu tenho guardados até hoje.

Ficção 03

Cyrillo e ‘Paraíba’ se revezam num posto de vigia. Dormem numa barraca próxima. Um dos dois fez um café. Cyrillo, o primeiro a tomar o café quentinho, sai para fora da barraca e se afasta para o seu turno de vigia. Mal ‘Paraíba’ entra na barraca uma bomba alemã explode. ‘Paraíba’ morre.

História Real 04

Em 16 de abril, Cyrillo volta a combater (tinha estado na retaguarda) afim de substituir em Montese, o XI batalhão do RI que estava desgastado. Entrou nesta batalha à noite, sob intenso fogo da artilharia alemã, tanto que seu batalhão não consegue nas 24 horas ininterruptas em que lutou, tomar o morro e é também substituído no dia seguinte.

É dificil saber mas, imagina-se que em Montese, depois de ter passado a noite e a madrugada anterior sem dormir e, depois disto, um dia inteiro sob intenso bombardeio, teria sido o maior sofrimento de Cyrillo na guerra.

Baixas em Montese: 426 soldados brasileiros atingidos, sendo destes 34 mortos. 453 brasileiros foram feitos prisioneiros.

Também em Montese, uma nova inscrição de reconhecimento alemão à bravura brasileira numa placa de madeira, referindo-se ao ponto em que soldados da FEB tombaram mortos. Nela se lia : ”Drei brasilianische helden ” (Tres heróis brasileiros)

Deve ter sido destes últimos incidentes que se originaram certas alterações que tornaram Cyrillo, segundo sua esposa (minha mãe) mais reservado e irascível do que de costume, demonstrando estar atormentado por distúrbios relacionados a síndrome psicológica que se convencionou chamar na época de ”neurose de guerra”.

Ficção 04

(Cyrillo contou esta para minha mãe – invento só os detalhes)

Numa das cidades tomadas pelos brasileiros. Rua empoeirada. Tabuletas de lojas, Ruínas de casa e prédios destruídos por bombas. Jipes e caminhões entrando na cidade em ambiente de batalha recém-terminada. Grupo de soldados brasiileiros andando pela rua descontraídos. Cyrillo aparece sózinho, vindo do fundo da rua cercado por meninos maltrapilhos. Meninos gritam:

_” Cirillone! Cirillone! Chocolate per me! Per me!Io! Io!”

Cyrillo traz muitas barras de chocolate na mão e vai lançando para o alto, se divertindo com as crianças, rindo da algazzara que fazem.

De repente explosão de granada numa casa próxima. Correria de soldados na rua. Cyrillo e meninos se jogam no chão até perceberem que foi uma explosão acidental.

Voltam à brincadeira.

Pós guerra

Um novo nome para um ex-pracinha No pós guerra sabe-se que Cyrillo usou o estranho codinome ou pseudonimo de Carlos Christóbal Rocha por razões ainda obscuras. Alegava para a esposa Geny, pertencer uma espécie de serviço secreto do governo, mas a luz do que se sabe hoje sobre o período, isto não fazia muito sentido. Neste período praticava eletrônica e radio amadorismo. Havia com efeito uma antena de bambu, pendendo no telhado de nossa casa em Marechal Hermes.

O pós guerra no Brasil foi um período político muito controvertido. O presidente Getulio Vargas desmobilizou a Força Expedicionária Brasileira antes mesmo do desembarque das tropas de volta ao Brasil. Dizia-se na época, que o governo temia que os ideais democráticos assimilados pela tropa da FEB em sua luta contra o nazifascismo, estimulassem uma revolução contra as tendências ditatoriais de Vargas.

A utilização de um codinome e a linha editorial das revistas que Cyrillo assinava (a positivista ‘0′ Pensamento’ e a anticomunista ‘Seleções do Readers Digest’) nos faz supor que durante esta época ele deve ter estado, de alguma forma envolvido em atividades clandestinas anti ditatoriais (e anti getulistas, no caso). Ou, quem sabe até na polícia secreta, atividades profissionais pro governistas, portanto.

Em 1951, apenas 5 anos após o seu retorno da guerra, contando apenas 35 anos Cyrillo falece no Hospital Geral do Exército de uma infecção aguda dos rins, devida talvez ao alcoolismo, vício com o qual, aparentemente passara a espantar os fantasmas da guerra. Na época, depois de ter sido motociclista da Polícia Especial (criada por Getúlio Vargas) prestava serviço como Guarda Civil.

Deixou além da jovem esposa Geny, três filhos, o mais velho (eu, Antônio) com pouco mais de quatro anos de idade, uma filha com 2 anos (Virgínia), e o filho mais novo (Luiz Antônio), ainda um bebê.

Roteiro dos postais

Cyrillo, como muitos pracinhas, trouxe uma grande coleção de souvenirs. Entre estes estavam um cortador de papel de cobre estanhado com a forma de um punhal, uma máquina fotográfica Kodak caixote (que se encontra com meu irmão), a tal insígnia nazista (que junto com o punhal foi apreendida pela Dops quando da minha prisão em 1968), um óculos de aviador americano com armação de ouro e um relógio ômega, também de ouro.

Havia também uma cuia de chimarrão com a borda e ‘bomba’ de prata 90% (que se encontra comigo até hoje) a ele presenteada por um amigo pracinha do Rio Grande do Sul e um belíssimo jogo, completo, de porcelana ‘das índias ocidentais‘ como se dizia, que eu nunca soube se se ele trouxe da Itália (que doido!) ou se comprou por aqui mesmo (as peças mais valiosas – como os óculos e o relógio – em sua maioria não sei onde foram parar, penso que minha mãe as vendeu para custear despesas de família).

Grande parte – na verdade quase todas-  das fotos que ele trouxe da Itália, entre as quais a de uma linda ragazza de saia plisada que ele dizia ter sido sua ‘madrinha de guerra‘ (uma história que minha mãe nunca engoliu). Durante muito tempo, aliás, como deve ter ocorrido com outros ex-pracinhas,  rondava na família a suspeita de que ele poderia ter deixado um filho na Itália. Me lembro muito bem de uma foto dele diante de uma casa de madeira com terras nevadas ao fundo, vestindo uma elegante jaqueta de lã cintada, típica do uniforme dos soldados norte americanos.

Muito bem guardados comigo e conservados no entanto está a coleção de postais que comprava nas cidades por onde passou. Cruzando os nomes das cidades dos postais com um mapa da região onde ele combateu, dá para se traçar um interessante roteiro de suas viagens de folga e do trajeto de sua volta.

As cidades dos postais são as seguintes:

Napoli – Janeiro de 1944

Roma – Janeiro/fevereiro de 1944

Monte Castello (Perugia, perto de Porreta Terme) – 21 de fevereiro de 1944)

Montese – (área de Modena/Bologna – 16 de Abril)

CastelnuovoBatalha em 5 de Março

Collechio– (próxima à Parma – já com linha gótica tomada, em 1945)

Veneza – Depois da vitória total aliada

Voghera – (Piemonte) 1945

Alessandria – 1945

Gênova– Já prestes a embarcar para o regresso ao Brasil.

Depois de Napoli, passando por Roma seguindo para Perugia (Monte Castelo) enfrenta sua maior batalha. Em meados de 1944 enfrenta uma segunda batalha em Montese, próximo à Modena (onde eu morei) e uma terceira batalha em Colechio todas na mesma região. Como Veneza fica acima da linha gótica, só visita esta cidade depois da vitória aliada. Depois dai, todas as demais cidades teriam sido vistadas no trajeto de volta para o embarque para o Brasil.

Notas:

Por uma estranha razão, talvez a sua proverbial  insubordinação, José Cyrillo entre todos os pracinhas foi um dos poucos que ingressou soldado na guerra e saiu soldado, sem ter nenhuma promoção em combate, embora tenha ganho as medalhas de praxe, entre elas, a de campanha

Por uma coincidência também muito estranha, o próprio narrador desta história – o Titio que vos fala – filho do soldado José Cyrillo viajou para uma tournée musical de quatro meses para a MESMA região da Itália em 1990, descobrindo só mais tarde que estava trabalhando e residindo, exatamente no mesmo local onde seu pai havia lutado na Segunda Guerra Mundial.

Na foto eu, o filho mais velho de José Cyrillo em Bologna em 1990. Ao fundo o curioso detalhe de um prédio projetado por Leonardo da Vinci, semiacabado (o revestimento de placas de mármore, que deveria ir até no topo do prédio, só vai até o meio). O informante me assegurou que isto era muito comum na época da Renascença.

Bem, vão vendo aí.

Spírito Santo

2004, sei lá.

 

Anúncios

~ por Spirito Santo em 07/02/2011.

10 Respostas to “O Dossiê do Soldado”

  1. Valeu, vizinha! É tudo verdade.

    Curtir

  2. Nossa, eu amei conhecer essa história, achei além de interessante, linda e super cultural. Obrigada por compartilhar com os de mais. Beijos

    Curtir

  3. Valeu, Junior! Quem é vivo…Saudades desta terra aí. Como andam as coisas com a cultura aí?
    A publicação do livro foi uma vitória importante, embora vender livros no Brasil seja uma ficção bem romabtica. A abertura que ele me deu para neu trabalho foi sensacional. Mes que vem sai matéria numa grande revista de Angola e tenho convites para tradução nos EUA e França. Quando é que vão lançá- aí?

    Curtir

  4. Linda história Spírito. Daria outro livro! Aliás, aproveito a oportunidade pra lhe parabenizar pela publicação do seu livro lançado recentemente. É uma verdadeira obra prima. Me sinto até mais leve por ter uma cópia ainda inacabada e nunca divulgada antes da publicação oficial, conforme prometido, apesar de ter sido uma honra e uma aula a leitura do material.

    Curtir

  5. Acredito que nossa alma fica mais leve, quando descobrimos algo ou parte sobre a História da nossa História. Eu também estou resgatando parte da minha História e as vezes me esbarro com Coincidências inacreditáveis

    Curtir

  6. Henrique,
    Muito obrigado pela visita. A FEB para mim, tanto quanto para você, presumo, é um manancial de histórias ainda por serem contadas. AUtorizo sim, claro a reprodução da história do meu saudoso pai.

    Abs

    Curtir

  7. Salve…..belissima história de um verdadeiro heroi brasileiro.Parabéns pelo se pai e em divulgar a memória da nossa querida FEB. Meu nome e Henrique sou um apaixonado pela FEB, tenho um blog O RESGATE FEB:http://henriquemppfeb.blogspot.com com um pequeno acervo que futuramente pretendo montar uma CASA DA FEB em Brasília e faço algumas exposições. gostaria muito de reproduzir esta bela matéria sobre seu pai no nosso blog FEB. Se possivel vc me autorizar. Um grande abraço e ficarei muito feliz em visitar o Blog FEB. Henrique

    Curtir

  8. Pois é, Romão. As filhas (e os filhos) também.

    Curtir

  9. […] This post was mentioned on Twitter by Buca Dantas, Spirito Santo. Spirito Santo said: O Dossiê do Soldado http://wp.me/p3BrN-2LO […]

    Curtir

  10. bom ter estas histórias relatadas, seus netos vao gostar!
    romao

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: