FAVELÓPOLE!

Creative Commons License

Favelados no Morro do Pinto-Início do século 20-Fotógrafo anônimo (talvez Augusto Malta)
favelados-2-copy1

Um filme catástrofe? Conheça a raiz desta história bem carioca

“…Não existe viajante algum que, tendo visto o Rio, não fale com admiração do magnífico espetáculo proporcionado pela baía da cidade. Esta baía é ainda mais vasta que a baía de Constantinopla… Quando se entra na baía, após o sofrimento da longa travessia, fica-se comovido com o esplendor do panorama:

Porém que decepção se sente, oh meu Deus, quando se sai do ancoradouro?! Os perfumes que vem da baía são infectos!! A explicação é simples, a água das casas era transportada pelos escravos de várias fontes em barris semelhantes aos que, no fim da tarde, carregavam os detritos, pois as casas não têm fossa séptica já que o lençol freático, por causa do solo pantanoso, está muito próximo da superfície e todos os detritos domésticos são postos em barris que os escravos põem sobre a cabeça e vem, em procissão, para o mar onde os jogam, dá para imaginar o mau cheiro com o terrível calor do lugar, esses negros são como o símbolo da cidade…”

(Um viajante da época da chegada da família real ao Brasil em 1808)

————-

Dia destes resolvi folhear um guia de ruas do Rio de Janeiro (que nos meus bons tempos se chamava ‘Guia Rex’). A curiosidade – meio masoquista é verdade – era específica e bem determinada: Queria saber as quantas andava a decantada proliferação de favelas no Rio de Janeiro, fenômeno cujos sintomas alarmantes todo mundo por aqui sente, mas evita comentar.

Vivo falando de como este fenômeno é visível no meu bairro e do quanto me causa estranheza o fato deste assunto, candente e gravíssimo pelo que parece, não estar sendo debatido, mais vivamente por todo mundo – desesperadamente diria até, dada a natureza assustadora de suas consequências em certo- e quiçá breve – prazo.

Pois bem, saibam que mesmo careca de saber, fiquei de cabelo em pé quando terminei de folhear o tal guia. Maldita hora. Tive, a bem dizer, um pesadelo acordado, olhando em cada página o cinturão de favelas que cerca, inapelavelmente, quase todos os chamados ‘bairros comuns’ do Rio e a quantidade de problemas dramáticos, a cada dia mais insolúveis que esta pobre cidade, com certeza terá.

O pesadelo tinha um cheiro nauseabundo de vala negra, um ruído de carroças de tijolos arrastadas por cavalos esquálidos por entre os automóveis; as avenidas além de emporcalhadas pela bosta dos cavalos, atravancadas por engarrafamentos provocados por ‘arrastões’ de bandidos; sofás velhos largados pelas ruas, entupindo canais de esgoto; cadáveres de cães e de gente morta por atropelamentos ou em trocas de tiros; milícias de policiais corruptos ou traficantes se digladiando pela ocupação de territórios e vias de acesso, desordem absoluta dos serviços públicos, também controlados pelos substitutos das autoridades de ontem, hoje vergonhosamente destituídas.

Um mal estar antigo, arcaico, quase colonial como bem expressou o viajante europeu citado lá em cima.

Na última campanha eleitoral ouvi uma conversa estranha, à boca pequena falando em muros ‘para limitar a expansão’ de favelas. Enfeitava-se o pavão da conversa aludindo razões politicamente corretas, do tipo a meritória salvaguarda do meio ambiente, do que resta da ex-exuberante beleza da Mata Atlântica, etc. e tal. Conversa fiada eivada do mais puro caô.

_Muros? – pensei com arrepios – Conter a expansão de favelas com muros? Estão de brincadeira!

O Rio civiliza-se! Uh lalá!
A alma das ruas e o destruidor de ruas

“…A população do Rio que, na sua quase unanimidade, felizmente ama o asseio e a compostura, espera ansiosa pela terminação desse hábito selvagem e abjeto que nos impunham as sovaqueiras suadas e apenas defendidas por uma simples camisa de meia rota e enojante de suja, pelo nariz do próximo e do vexame de uma súcia de cafajestes em pés no chão (sob o pretexto hipócrita de pobreza quando o calçado está hoje a 5$ o par e há tamancos por todos os preços) pelas ruas mais centrais e limpas da grande cidade… Na Europa ninguém, absolutamente ninguém, tem a insolência e o despudor de vir para as ruas de Paris, Berlim, de Roma, de Lisboa, etc., em pés no chão e desavergonhadamente em mangas de camisa.”

(Francico Pereira Passos em discurso por volta de 1904)

“..A rua nasce, como o homem, do soluço, do espasmo. Há suor humano na argamassa do seu calçamento. Cada casa que se ergue é feita do esforço exaustivo de muitos seres, e haveis de ter visto pedreiros e canteiros, ao erguer as pedras para as frontarias, cantarem, cobertos de suor, uma melopéia tão triste que pelo ar parece um arquejante soluço. A rua sente nos nervos essa miséria da criação, e por isso é a mais igualitária, a mais socialista, a mais niveladora das obras humanas”.

(O cronista João do Rio em ‘A alma encantadora das ruas‘, na mesma época.)

Vista com o filtro lírico da prosa fantástica de João do Rio, as cidades – e suas ruas – são seres viventes, de carnes e de ossos, indissociáveis dos personagens que as habitam e nelas transitam, amam, odeiam, povoando-as de vozes, humores, angústias e sonhos. Nelas, quando morrem – quem sabe? – pode-se até mesmo supor que pelas esquinas mais escuras, os habitantes deixem por lá, largados ao léu, os seus fantasmas. Matar uma rua é, pois o mesmo que matar seus transeuntes. Genocídio na acepção da palavra.

Francisco Pereira Passos, prefeito do Rio na época, visto neste quadro seria este serial killer de ruas. Ironicamente arvorando-se de ser o modernizador da cidade teria sido, isto sim, um dos responsáveis – o principal deles – pela vexatória decadência do Rio de Janeiro de hoje, o verdugo da cidade enfim.

Se nos fosse possível, ignorando a lucidez ácida de Lima Barreto, relevar os desfeitos e desmandos de Pereira Passos e da aristocracia brasileira da belle èpoque, aludindo aos seus arroubos, supostamente civilizatórios, ainda assim teríamos de admitir que só mesmo o mais estúpido cartesianismo positivista seria capaz de supor que a modernização de uma cidade poderia se dar com a expulsão da maior parte de seus originais habitantes.

Apartada deles, daqueles seres, adoravelmente abomináveis descritos por João do Rio e Lima Barreto, a cidade do Rio de Janeiro virou uma vítima subjugada, traída, aviltada, nunca modernizada.

Prefeito de 1902 a 1906, Francisco Pereira Passos se achava um adepto do futuro que os entusiastas da República se vangloriavam de representar.

“…É claro que, por trás desta ideologia, estava a consolidação, entre outros, dos interesses da oligarquia cafeeira…. das construtoras francesas; das companhias inglesas de energia e bondes; e da nascente indústria automobilística norte-americana.

iniciou uma série de atos e decretos com o propósito de extirpar velhos hábitos citadinos e impor uma disciplina consoante à nova ordem republicana, comprometida que estava com os capitais franceses e ingleses em sua fase imperialista – calcada no escoamento da produção fabril e na exportação de capitais.

Exemplares neste particular foram os decretos de 09 de janeiro de 1903 que proibiram, no Centro da Cidade, o comércio ambulante de leite, efetuado com o auxílio do gado bovino… Outras proibições decretadas: esmola nas ruas, pingentes dos bondes, cuspidura no assoalho do bonde e criação de porcos no Distrito Federal.

Após alguma preparação de campo, iniciou-se, ainda naquele abril, um pequeno ensaio de demolições para alargamento e extensão de ruas e avenidas. Quase ao mesmo tempo foi apresentado o plano de remodelação da cidade.

O processo de desapropriação e despejo, aliado à instauração da vacinação obrigatória, redundou na Revolta da Vacina, iniciada em 14 de novembro de 1904, após a revolta da Escola Militar na Praia Vermelha. Com forte adesão popular, a revolta durou sete dias e resultou na decretação de estado de sítio, prorrogado por Pereira Passos até fevereiro de 1905, e no desterro dos insurretos (os chamados “quebra-lampiões”) para o Acre.”

(In ‘Rede da memória Virtual brasileira‘)

A incrivelmente escassa divulgação dos fatos relacionados à chamada Revolta da Vacina no contexto da turbulenta serie de incidentes que, entre 1902 e 1910, demonstraram o estado de ânimo da população da cidade, em relação às intenções ‘civilizatórias’ do novo regime instaurado, é sobre qualquer aspecto vergonhosa.

A época, iniciada pelo fim do governo de feição positivista de Campos Salles, seguido por Rodrigues Alves e pelo início tumultuado do governo de seu sucessor Hermes da Fonseca- em cujo mandato ocorreram os não menos tristes acontecimentos relacionados á Revolta da Chibata (1910) – contém páginas que nossas auto proclamadas elites gostariam de rasgar da história brasileira.

As razões desta parcimoniosa objeção, quase omissão de fatos tão relevantes, emblemáticos mesmo para a nossa auto estima de povo heróico – embora não tão retumbante – é portanto mais que sabida: A história do Brasil ainda é contada sob o ponto de vista da mesma envergonhada e ignorante elite de sempre.

Neste caso, de forma deliberadamente exagerada, costumam ressaltar como mais relevantes, maravilhosos e positivos os méritos da modernização da capital atribuídos a uma ‘inovação’ chamada de República – que, a despeito disto, já nascia velha – a formidável transformação do centro da cidade na imagem e semelhança do centro de Paris – com a inauguração em 1906 do boulevard Avenida Central – e os avanços da cruzada higienista de Oswaldo Cruz contra o mosquito da febre amarela – e também contra a população que se mostrou em nada ignorante, posto que já intuía muito bem que depois da vacina obrigatória viria o famigerado ‘Bota abaixo’.

O fato é que até hoje se omite ou pouco se fala acerca do enorme custo social destas reformas e da natureza cruel e excludente de suas intenções, marcadas por um desprezo quase pré-nazista pela população comum, escorraçada para as frinchas dos morros e dos arrebaldes insalubres, sem eira nem beira, presa, degredada e, às vezes, morta com violência repressiva poucas vezes vista em nossa história (considerando-se inclusive o período dos anos de chumbo).

…”Saldo da revolta da Vacina: 30 mortos, 110 feridos, 945 presos 461 deportados. Em seguida, o governo deu início à prisão, tanto dos líderes populares da rebelião, quanto dos militares acusados de insurreição. “Prata Preta”(capoeirista, um dos líderes da revolta) foi preso em um dos restaurantes baratos do bairro da Saúde na hora do almoço. O escritor Lima Barreto, em Diário Íntimo, registrou a arbitrariedade e a crueldade da repressão aos revoltosos, sobretudo os pobres:

Eis a narrativa do que se fez no sítio de 1904.

“…A polícia arrebanhava a torto e a direito pessoas que encontrava na rua. Recolhia-as às delegacias, depois juntavam na Polícia Central. Aí, violentamente, humilhantemente, arrebatava-lhes os cós das calças e as empurrava num grande pátio. Juntadas que fossem algumas dezenas, remetia-as à Ilha das Cobras, onde eram surradas desapiedadamente. […]”

A Ilha das Cobras tornou-se o centro dos castigos aos presos. Dias depois, eles foram embarcados em porões de navios para uma viagem sem volta ao Acre, território que o Brasil havia comprado da Bolívia em 1903.

“Os banidos levavam a missão dolorosíssima de desaparecerem…”, comentou o escritor Euclides da Cunha. A intenção das autoridades era remover para bem longe da cidade os elementos ditos “perigosos”, embora muitos deles fossem trabalhadores, desempregados ou simples miseráveis que se envolveram circunstancialmente na revolta.

Nas palavras do chefe de polícia Cardoso de Castro, afinadas com a política de saneamento da época: “era preciso limpar a cidade”. Para isso, “cogitou-se mesmo de sufocar a desordem a metralha”. A afirmação feita certa vez pelo presidente Campos Salles – “a cidade ideal era a cidade das multidões caladas” – parecia traduzir com perfeição os acontecimentos .

(Extraído de ‘O Rio de Janeiro da época da Avenida Central )

Na crônica ainda obscura destes incidentes, ressalte-se que os deportados da Revolta da Vacina foram entregues a seringueiros para cumprirem trabalho escravo na selva… para sempre. Conta-se que muitos foram largados à própria sorte na mata e acabaram mortos pelos índios ou devorados pelos bichos.

O mesmo insidioso degredo para as selvas do Acre ocorreu com parte dos líderes marujos da Revolta da Chibata em 1910, cujo destino traçado pelo governo era serem fuzilados em alto mar na virada do ano novo de 1911. A insídia foi efetivamente cumprida.

(Segundo Edmar Morel, cronista da revolta, o diário de bordo do navio ‘Satélite‘, um dos nove marujos condenados, apelidado de ‘Sete‘ não pode ser fuzilado porque, mesmo estando com as mãos amarradas, conseguiu se atirar ao mar antes dos tiros, morrendo afogado).

João Cândido Felisberto, às custas do bom nome deixado em Liverpool na Inglaterra (cujo governo tentava garantir-lhe um julgamento justo) largado para morrer num calabouço da Ilha das Cobras junto a 12 marujos da Revolta, escapou do atentado que matou dez de seus companheiros.

(Com receio de reações na imprensa, cumprindo ordens superiores os oficiais, covardemente mandaram lançar acido fênico e cal virgem na masmorra para asfixiar os prisioneiros e simular um acidente fatal.)

Bruzundangas póstumas
O refúgio e a tardia vingança dos infelizes

“…De uma hora para outra, a antiga cidade desapareceu e outra surgiu como se fosse obtida por uma mutação de teatro. Havia mesmo na cousa muito de cenografia”.
(Lima Barreto em As Bruzudangas , 1923)

À espécie de degredo a que foi condenada a população expulsa do centro da cidade pelo ‘Bota Abaixo’ de Pereira Passos seguiu-se, obviamente a ocupação desordenada de todos os morros próximos a recém inaugurada Avenida Central (Av. Rio Branco atual), a começar pelos Morros de Santo Antônio e Castelo (logo demolidos), espraiando-se para o Morro da Favela, atual Morro da Providência, (onde surge, oficialmente, não o conceito, como muitos afirmam, mas a denominação ‘favela’).

Integram também esta trágica geografia os Morros em torno de Santa Teresa, (Coroa, Querosene, Fogueteiro, etc.) e os do Maciço da Tijuca, propriamente dito na Zona Norte da cidade (Serra dos Pretos Forros).

É significativo se ressaltar também que alguns morros próximos ao centro do Rio, como os que formam a espécie de maciço que divide o centro da Zona Sul na Serra do Carioca (como é o caso dos morros do Catumbi e Da Mineira) já haviam servido de esconderijo e habitação para escravos fugidos, pelo menos desde o início do século 19, dando, provavelmente origem às comunidades faveladas que até hoje ali habitam.

Esta fase inicial do processo de favelização do Rio de Janeiro, como que marcado, indelevelmente, pelo pecado original do modelo urbanistico excludente iniciado em 1902, se completa já nos primeiros decênios do século 20, com a expansão da cidade rumo à orla das praias da Zona Sul, e a reprodução de um mesmo velho modelo que evoca, sintomaticamente uma característica típica do modelo urbanístico patriarcal, que repete no Rio de Janeiro ad infinutum, o padrão flagrado por Gilberto Freire: A Casa Grande branca geminada, freudianamente à Senzala negra.

O Rio parece ser assim, o paradoxo da modernidade impossível, uma sociedade arcaica, aristocrática, que se valendo da exclusão social mais iníqua, pretende ser uma moderna Paris refinada sem abrir mão do abjeto anacronismo da escravidão reformada.

Pois observem bem que, depois de contidas as primeiras favelas da zona sul por meio de ‘remoções’, pretensamente civilizatórias (verdadeiros expurgos nazistas que foram), e incêndios criminosos (como o da favela da Praia do Pinto) foi da miséria a que foram relegados os bairros do subúrbio que as chagas das favelas voltaram a se alastrar, como pústulas se expandindo e se juntando umas às outras, num processo de involução urbana, ou desurbanização galopante (se é que estes esdrúxulos conceitos fazem mesmo sentido) que se acentua bastante a partir da década de 1970.

É de se lamentar – além disto, o que se há de fazer? – que numa espécie de vingança compulsória, involuntária, premida pela perpetuação das circunstancias de seu abandono, a antiga cidade das ‘sovaqueiras suadas’ execrada pelo controvertido ‘reformador’ Francisco Pereira Passos, aquela que foi alijada de si mesma, aquela imunda e desprezada urbe de miseráveis, posta abaixo e varrida para os cantos insalubres do infeliz subúrbio de Lima Barreto, esteja agora a cobrar a sua conta… como uma estranha re-mutação dramatúrgica, uma desmontagem, uma anticenografia de um verdadeiro teatro de horrores.

Você já teve a emocionante experiência de trafegar pelo trajeto entre o aeroporto Tom Jobim e o centro do Rio? Senão experimente para assistir – como naquele filme de guerra – o que há ‘Além da linha vermelha’

A área, marcada pelos traçados das modernas linhas Vermelha e Amarela, além da Avenida Brasil, era palmilhada outrora por pacatos subúrbios (Irajá, Inhaúma, Manguinhos, Bonsucesso, Olaria, etc.) que – mais ou menos como um prenúncio do que pode ocorrer com a cidade como um todo, após o agravamento da decadência do município – foram engolfados por favelas, virando uma favelão só, compacto (‘Maré’, ‘Alemão”, ‘Acari’, etc. ‘Complexos’ de favelas, como se diz hoje com um cinismo de doer).

Da Avenida Brasil eu me lembro muito bem, da minha juventude de operário metalúrgico da Ishikawajima do Brasil e da Faulhaber Engenharia. Ela, a ‘Brasil’ era o pólo industrial da cidade, com uma de suas margens em quase toda a extensão (que vai do Caju, quase no Centro, à Santa Cruz no outro extremo do município) inteiramente tomada por imponentes fábricas e indústrias de ponta, empregando todo o pessoal que passou a ocupar aqueles emergentes subúrbios, exatamente por causa deste efervescente mercado de trabalho (até um ramal de estrada de ferro – a ‘Linha Auxiliar’- foi criado para atender àqueles bairros como uma espécie de metrô pré-moderno)

E o que é hoje a Avenida Brasil? Querem mesmo saber?

Os prédios e galpões de, rigorosamente todas as fábricas e indústrias foram, literalmente abandonados pelos proprietários e viraram micros e macro favelas. As gigantescas instalações da CCPL, por exemplo, grande fábrica e distribuidora de leite (uma das maiores do Brasil em seu auge) estão hoje ocupadas por um ‘condomínio’ com muitas centenas de favelados.

O mesmo se pode dizer da antiga ‘Gillete do Brasil’ e tantas outras indústrias, com seus prédios em ruínas abandonados e tomados, dando a região o nítido aspecto de uma… Mumbai? Por aí, só que com certo look de Bagdá bombardeada por um destes Bush da vida.

O Rio de Janeiro já é um imenso complexo de favelas, uma imensa ex-cidade pontilhada de bairros comuns aqui e ali, alguns guardados por uma serra íngreme ainda desabitada; outros protegidos – graças a Deus! – pela proximidade do mar; alguns mais previdentes já cercados por cercas e guaritas com seguranças de milícias privadas e, em futuro próximo (a se cumprirem os planos à boca pequena sugeridos pela prefeitura) muralhas semelhantes aquela aberração urbanística que Israel instalou na Faixa de Gaza.

Rio-Cidade? Favela-Bairro? Se virou favela como poderia ser, ao mesmo tempo, bairro? Se é um conglomerado complexo de favelas como poderia ser uma cidade? Sofismas urbanísticos de quem teima em não acreditar no que está óbvio, escancarado, como rei pelado, estropiado de velho se achando um Tom Cruise, um galã desses, da vez.

O Rio de Janeiro cidade maravilhosa cheia de encantos mil… já era, pessoal. O ‘coração do meu Brasil’ morreu, finou-se a metrópole – Deus que nos perdoe – reduzida hoje a uma… favelópole.

(Num flash do pesadelo ouço uma voz rouca vazando de um blindado ‘caveirão’ que trafega lúgubre por vielas pós-modernas, apavorando os favelados que somos todos nós:

_”Nós vamos carregar sua alma” Nós vamos carregar sua alma!” )

————

Talvez os ectoplasmas dos bruxos, dos feiticeiros de Candomblé, dos kimbandistas da Praça Onze, dos capoeiras navalhistas do Largo da Glória, dos motorneiros de bonde, das prostitutas do Cais Pharoux e das vendedoras de angu, todas as almas penadas das ruas do velho Rio, emanadas das pessoas lançadas no degredo perpétuo e mortas nas selvas do Acre, tenham rogado por aí as suas justas pragas.

Talvez estas pragas pestilentas ainda infestem os ares da Praça Mauá, da Gamboa, do Santo Cristo ou da Saúde, onde os fantasmas dos ‘pretos novos‘ semi-sepultos no cemitério-pântano ali, ao lado do mercado de escravos do Valongo, já se arrastam há muitos anos.

Oremos, plantemos então uma vela vermelha e preta nesta encruzilhada escura em que nos encontramos, uma galinha magrela, farofa amarela e cachaça vagabunda, bonequinhas de vudu, tudo a que temos direito e com todo fervor gritemos:

– Maldito Positivismo republicano! Maldito Pereira Passos! Que as pragas retornem para vós e todos os seus e não nos atinjam jamais!

Spírito Santo
Março 2009
————-

ôpa! Aqui vai (siga o link) uma ressalva de última hora:

Anúncios

~ por Spirito Santo em 24/04/2011.

3 Respostas to “FAVELÓPOLE!”

  1. Esse foi o processo urbanístico do Rio. mas o Brasil foi construido assim mesmo, com sangue, suor e muita dor!!!

    Curtir

  2. parabens o mas esplicado e resumido !

    Curtir

  3. Avisar não é ofender. Rir é o melhor remédio: Vejam isto, por favor.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: