‘Guerreiro africano’ 1641. Quadro de Albert Eckhout

Creative Commons LicenseATENÇÃO:Todo o conteúdo deste blog está assegurado sob uma licença Criative Commons.

Este ‘Guerreiro negro’ (quadro do holandes Albert Eckhout de 1641) tem um aspecto muito importante para nós brasileiros que é o fato de Eckhout – que o pintou segundo os relatos mais confiáveis no Brasil) ter tentado representar um africano real em Recife de 1641 que NÃO É UM ESCRAVO, mas um homem livre armado de lança, arco e flechas….

Com toda certeza, naquelas circunstancias este homem só poderia ser um guerreiro do Kilombo de Palmares, pelo menos da forma como estes eram imaginados na época. Com toda certeza também esta é a imagem mais próxima que se pode ter de um kilombola como foi Zumbi de Palmares, por exemplo, uma imagem historicamente muito mais fidedigna do que aquela cabeça de rei do Benin que colocaram aqui no Rio de Janeiro.

Rafael Crespo, meu parceiro nesta investigação é quem diz, complementando:

“A propósito desta tela (Guerreiro Negro), uma questão fica em aberto. Todos os catálogos e fontes apontam-no como feito no Brasil, em 1641. Como e em que circunstâncias pôde Eckhout realizá-lo? Não dispomos de dados sobre qualquer passage…m de Eckhout em África. Teria ele se baseado em trabalhos de Post que, no dizer de Sousa-Leão, poderia ter participado da expedição do Coronel Koin (1637) ou da do Almirante Jol (1641), que conquistou Angola e Moçambique, ou talvez mesmo de ambas? Tal suposição não parece descabida dado que existem sinais de uma possível colaboração entre pintores nassauianos. A tese encontra respaldo em Benisovich (Burlington Magazine – 1943, apud Teixeira Leite, 1967).”

Luiz Emygdio de Mello Filho (citado pelo Rapha) também diz:

“Será que este imponente guerreiro africano, com armas e trajes nobres, que o pintor rubricou sobre um dente de elefante – A. Eckhout, 1641, Brasil – teria sido registrado pelo artista numa hipotética viagem à África? Ou, de fato, foi real…izado em Maurícia, de Pernambuco, também dignitário africano em trajes e armas de hierarquia tribal? Faz parte com a tela da “Negra com criança” e a esta se une pelo pano da costa, elegante e bem laçado.”

Ao que eu concluo, dizendo:

“Minha tese me parece bem plausível: Eckhout ter idealizado um guerreiro de Palmares a partir de relatos, baseando-se é claro em referências estéticas as mais diversas, inclusive africanas ou mesmo indígenas, como a profusão de flechas e zagaias sugere.

Vejam aí vocês. Não é um Zumbi bem mais em conta para a nossa memória?

Spírito Santo

Abril 2011

Anúncios

~ por Spirito Santo em 24/04/2011.

4 Respostas to “‘Guerreiro africano’ 1641. Quadro de Albert Eckhout”

  1. Nss mt beem explicado!! Estou estudando essa pintura em HISTÓRIA ..

    Curtir

  2. obrigado pela explicação

    Curtir

  3. Daniel,

    Bacana a sua intervenção. Talvez você já saiba, mas esta sua observação inclusive nem é nova. Um dos muitos críticos de arte que analisram o quadro que, como tudo que se refere ao Eckhout, é polêmico, salientou esta mesma questão da origem da espada. Na verdade tanto a espada quanto os demais fatores aludidos, usados para localizar a cena na África e não no Brasil (um crítico, especialista em botânica, chegou a situar o quadro na África também, mas no Congo, dando como prova as caraterísticas fisiológicas da palmeira que consta no quadro (ora, a palmeira poderia ocorrer no Brasil também, ora, fruto de uma muda trazida por alguém como ocorre com outros aspectos de nossa botânica). A espada poderia ter sido, de alguma forma obtida pelo homem de holandes que a teria trazido de Gana ou poderia ser até usada no Gongo, origem do homem se ele fosse de Recife, tambem, por que não? A grande questão contudo é que, o quadro está assinado como se feito no Brasil, em Recife. Ao que consta também Eckhout nunca esteve na África, pelo menos não neste período (em seguida a esta fase ele partiu para trabalhar na decoração de um castelo na Alemanha).

    Logo e de resto, tanto a espada quanto a plmeira não provam muita coisa assim, isoladamente. Existem muitos outros elementos curiosos no quadro que podem sugerir outras interpretações. O que me intriga contudo, é que Albert Eckhout foi contratado por Maurício de Nassau suas qualidades de pintor ‘verista‘ (aquele que faz cópias fidedignas da realidade) com a função precípua de retratar a realidade do Brasil holandes, em Recife, principalmente com naturezas mortas e retratos. O quadro em questão está assinado “A.Eckhot , Recife 1641”. Convém duvidarmos mais das interpretações diversionistas, pelo menos por enquanto. As aparências, ao que parece também neste caso, enganam.

    Curtir

  4. Na verdade, Eckhout está retratando um guerreiro africano, repare na arma em sua cintura, é uma espada AKOFENA do povo AKAN esse povo vive na atual Gana na África Ocidental. Eckhout (um holandes) deve ter visto esse homen na própia africa pois no século 17 os holandeses mantinham uma aliança comercial com o Reino de Denkyira do povo AKAN. acredita-se que Zumbi dos Palmares era descendente de um povo guerreiro BANTU chamado Imbangala na atual angola, então sua aparência deveria ser essa:http://digitalgallery.nypl.org/nypldigital/dgkeysearchdetail.cfm?trg=1&strucID=601049&imageID=1248960&total=2&num=0&word=jagas&s=1&notword=&d=&c=&f=&k=0&lWord=&lField=&sScope=&sLevel=&sLabel=&imgs=20&pos=2&e=w

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: