Europa Black & White

Creative Commons LicenseTodo o conteúdo deste blog está assegurado sob uma licença Criative Common

SEGUE A PELEJA DOS MOUROS CONTRA OS CRISTÃOS – Post #01

image

“Retrato de um homem africano”
Quadro atribuído ao pintor holandês Jan Mostaert, de 1520/30

“O homem veste roupas ricas, luvas, e segura uma espada, todos indicativos de seu importante status. A insígnia em seu chapéu e o alforge, aludem a possíveis origens espanhola ou portuguesa. Muitos dos africanos que chegaram à Europa em tempos medievais e início do Renascimento eram estudiosos e consultores…O retrato é também conhecido como ” Retrato de um mouro”.

(Parte da descrição oficial do RijksMuseum, de Amsterdam, proprietário da obra)

Absolutamente ensandecido com o tema da presença negra ou africana nas artes da velha Europa, vou mergulhando no buraco doido e sem fundo das histórias mal contadas, de fatos tão antigos que remontam a Grécia antiga.

“Há muitos retratos de negros comuns que ainda existem da Europa antiga, para aqueles que ainda não estão convencidos da degenerada natureza mentirosa dos Albinos, afirmamos que não é verdadeira a explicação que nos dão para a existência desses negros nativos europeus afirmando que eles são africanos.

É isso mesmo, sempre que um retrato de um negro europeu é encontrado, a explicação é sempre a mesma: É um Africano. Mas mesmo o leitor leigo sabe que os seres humanos se reproduzem e se reúnem em tipos bem ampliados de família, tribos e grupos maiores.

Logo, assim que vemos alguns negros num contexto, a questão que se coloca é: onde estão os outros? Como todos sabemos, a melhor maneira de fazer algo sumir de vista é chamá-lo de outra coisa…”

(Trecho do inusitado site “Black britain /Realhistory”, voltado para atestar a enorme e sutilmente ocultada presença de negros nas sociedades europeias.)

Nós, os ainda poucos familiarizados com o tema, ao vislumbrarmos essas imagens fantásticas, já nos surpreendemos muito ao descobrir, por exemplo, a existência de tantos negros na Europa Medieval e nos séculos imediatamente posteriores. É que tendemos a associar a saída de negros da África sempre a séculos mais tarde, nos anos mais agudos das invasões colonialistas e da exacerbação da captura massiva de africanos para a escravidão incipiente na Europa e, logo desenfreada para abastecer de mão de obra as colônias das Américas.

Imaginem então qual não foi a minha surpresa ao descobrir o quanto as maravilhosas nuances da história humana, geralmente reveladas assim por acaso, são capazes de nos acachapar: Havia uma multidão de negros na Europa medieval e renascentista, aparentemente quase tantos quanto hoje. E não estava invisível todo esse criouléu. Os artistas da época não se cansavam de retratá-lo, desde, pelo menos o século 3, bem antes da chamada Idade Média.

É mesmo uma indústria de ignorantes essa nossa Educação. Basta um cacho de surpresas visuais como estas as quais fui submetido, para um universo inteiro de novidades, perguntas e respostas nos aparecerem, instigando renovadas questões, cada vez mais surpreendentes.

Negregada Europa enrustida. Pés e mais pés de aristocratas escurinhos, nobres e plebeus, enfiados nos baldes das cozinhas brancas mais insuspeitadas.

Impossível abordar todos os aspectos e pontas soltas dessa história de mais de 10 séculos medievais (do V ao XV). E ainda temos todos os séculos seguintes. Por isso começo de leve, pelo que mais me instigou: o reino encantado das aparências, a quebra do mito da Europa nobre, de sangue azul.

image

(Honigmann, E.A.J. (1987). John Weever: a biography of a literary associate of Shakespeare and Jonson, together with a photographic facsimile of Weever’s Epigrammes (1559). Manchester: Manchester University Press.)

Em linhas muito básicas, as razões de ser da nossa ignorância sobre o tema, talvez seja deliberada, como é todo apagão imagético racista, coisa tão corriqueira no Brasil. Construíram, os que nos governam, uma ideia de um “Velho Mundo” ocidental puro, branco, diáfano, o supra sumo da “raça” humana morando ali, uma casca clara para nos iludir sob o que tem dentro desse ovo, nessa complexada mania de ser vira latas, que toda elite aristocrática tem – principalmente no Brasil – sempre à caça de algum inatingível pedigree.

Assim, a ocultação da Europa real, de bases multiculturais, multi “raciais”, não é uma construção exclusivamente brasileira. É apenas a sua gênese mais remota. Ela deve ter se dado gradualmente, na medida em que a criação de uma ordem mundial dicotômica – ricos vagabundos de um lado e pobres servos ou escravos de outro – foi se cristalizando. E isso se deu (ou, pelo menos começou) com alguma certeza, no século 16.

Esquecemos, ou não damos importância, por exemplo, o fato histórico decisivo de que os Mouros, dominaram a Europa por…séculos. Sabemos disso, mas não consideramos o impacto cultural decisivo e formidável provocado por uma dominação deste porte, de um povo sobre outro durante tanto tempo. Esquecemos, sobretudo – e aí está o “xis” da questão – até mesmo das consequências, digamos assim…”simbiótico genéticas” dessas relações culturais tão extensas no tempo.

Naturalmente, lei que é da natureza, onde quer que estivermos, sejamos quem formos, crescemos e nos multiplicamos, transamos, procriamos. Nada que é humano, portanto, nos deveria parecer estranho.

image

Neste mesmo sentido, nunca consideramos – ou nunca nos deixaram perceber – que esses muçulmanos todos, povos africanos, vizinhos, habitantes das fraldas da Europa, chamados na época genericamente de “Mouros“, eram em sua grande maioria…gente preta. Eu mesmo, só me dei conta disso quando, morando na Europa, fui um dia, inadvertidamente xingado de “Mohr” por uma velha racista.

“Mohr”, “Moor”, “Maure”, “Mouro”, “Muçulmano“, pude logo descobrir na ocasião, que significava, pejorativamente o mesmo que “negro”, “crioulo”, na Europa inteira e desde a Idade Média – óbvio! – fruto evidente do ódio latente que esta Europa até hoje devota aos seus seculares invasores, que a eles os “caucasianos” cristãos se imiscuíram, não exatamente como estupradores.

As imagens que fui desvelando nesses livros mostram centenas de africanos e afro europeus proeminentes em suas sociedades, na Rússia, na França, na Inglaterra, na Áustria, na Polônia, em Portugal, na Espanha, na Itália. Incrível, mas desde sempre, todas as sociedades europeias tiveram negros, como galhos ocultos de suas árvores genealógicas, das mais plebeias as mais nobres.

De onde eles vieram? Não é razoável afirmar que todos vieram da África como escravos e na Europa se emanciparam, certo? Nasceram na Europa, muitos deles. Isto é certo!

Esta genealogia trancada em armários pudicos, tem como intenção historiológica principal, ora pois, a tentativa de omitir ou apagar a provável origem europeia do negro número 1 de cada família, supostamente…branca desde Adão e Eva.

Quem não sabe? Isto é típico no Brasil, até hoje, quando numa caixa de retratos antigos de uma família branca, aparece por acaso a foto de uma negra, geralmente idosa, a imagem inusitada explicada diante da nossa surpresa com a resposta vacilante: _” Não sei. Deve ser uma pessoa muito querida da família…não me lembro o nome.”

E a “pessoa querida” quem seria? Uma negra tia distante, uma avó oculta , destinada a ter a imagem renegada para não “queimar” o filme da família?

De certo maneira, embora de modo menos frio e num espaço mais dilatado de tempo, o mesmo ocorreu na velha Europa. Em todos os casos que verifiquei – e foram dezenas – sobre este primeiro negro da família europeia se dizia, invariavelmente ser “um escravo (a) africano (a)” de quem o dono, um parente distante mui bonzinho, mesmo quando nobre, se tomou de amores e deu a este negro (a) sortudo (a), educação, bens e até herança, de modo que alguns desses ex-cativos (as) se tornaram ricos.

Duvidam?

Incrível, mas todos esses negros de alto status, quase nunca têm – ou lhes subtraem – um sobrenome. A todos se aplica o apelido “o Africano”, “o Negro“.

Com efeito, em muitos casos, certas evidências insinuam que figuras de nobres claramente de ascendência africana podem ter se tornado, efetivamente, não só nobres, cortesãos mas – pasmem! – membros da mais alta nobreza…até reis de verdade, dizem alguns pesquisadores mais radicais.

Só que, desta feita, contudo, este status de alta nobreza de um negro, desmoralizando velhas e rígidas práticas de sucessão por parentesco direto, por via patrilinear (no caso da Europa) costumava ser, literalmente apagado da posteridade por meio do embranquecimento gradual de retratos e gravuras, apagamento este associado ao desaparecimento de qualquer traço documental dessa ascendência negra, processo que torna muito difícil construir teses mais ou menos críveis sobre esta teoria.

(Filhos bastardos, frutos relações sexuais “interraciais”, o bom nome da família em jogo, sabem como é.)

Contudo, as evidências iconológicas, mesmo nos casos mais cabeludos ou duvidosos como este acima, são instigantes. Algumas delas, mais evidentes, são mesmo impressionantes e, desvendando-as, não resisto ao desejo de partilhá-lhas. Vou começar então abordando-as com o máximo de evidências que pude encontrar até agora.

Preparem-se. São babados muito fortes.

“…Muitos dos africanos que chegaram à Europa em tempos medievais e início do Renascimento eram estudiosos e consultores…O retrato é também conhecido como ” Retrato de um mouro”.

Mas observem: É estranha e vaga demais esta descrição. É por demais evidente que este nobre, em pose imponente de quem tem poderes, vestido de forma suntuosa, de modo a representar seu “alto status” (seria um duque, um conde, um marquês?) como a própria descrição da tela logo em seguida afirma, de forma enfática, realmente existiu. Parece ter havido uma intenção deliberada de tornar esta pessoa anônima

O que torna tudo mais estranho ainda, são as muitas e controversas versões para a identidade do indivíduo retratado, um mistério estranho porque tendo-se o nome e a naturalidade do autor e a data provável do quadro, fatores aliados á evidente proeminência do homem naquela sociedade, atestada pelo rigor e luxo detalhista de suas vestes, como e porque seu nome foi esquecido? Na verdade, as tentativas de identificá-lo são todas muito estapafúrdias. Tanto que a mais recorrente delas eu pude desconstruir em poucas horas de pesquisa.

“… Diz-se também que é a mais antiga pintura de um homem negro na Europa. Foi intitulado com certo desdém como “Retrato de um Africano”. Segundo alguns críticos esta denominação vaga, visa anular todas as possibilidades de pessoa como esta ser um europeu nativo.”

(Nota do “Realhistory”, um site de crítica ao suposto apagamento da imagem do negro na historia europeia, revendo a nota do RijksMuseum)

Realmente são bem controversas as dúvidas sobre a identidade do homem do quadro de Jan Mostaert. A tela tem todos os sinais de ser um retrato fiel. A sugestão de que “pode ser o primeiro retrato de um homem negro na pintura europeia”, é temerária também. O estilo “verista” do barroco holandês (a fotografia de então) cujo auge ocorre 100 anos depois, pode ter tido este início aí, acrescentando que a data do quadro pode ser, quem sabe, de data um pouco posterior (Mostaert morre em 1558)

As mais rasas suposições foram aventadas, logo pude constatar. Ao que parece, os críticos de arte desde sempre, em algum momento de suas expertises, recusavam-se a admitir que o quadro de Mostaert pudesse ser o retrato de um nobre negro de verdade, buscando explicações tranversas para enfatizar o seu anonimato. Este movimento pelo anonimato de personagens negros, geralmente apelavam para a teoria de que o “homem africano”, o “Moor”, seria uma imagem idealizada, devocional, de algum santo católico negro, curiosamente muito comuns na Idade Média.

As primeiras imagens de pessoas negras na arte europeia, foram com certeza imagens devocionais idealizadas. Uma das mais antigas era a de São Maurício (um personagem do século 3) , sendo também muito comuns e populares, as imagens de Balthazar, o rei mago cuja negritude foi, simplesmente inventada apenas em 1437. Muitas imagens de negros reais, por isso mesmo, ao não serem reconhecidas como retratos fiéis, acabaram sendo atribuídas a imagens de Balthazar, São Maurício e outros santos ou seres míticos, figuras de fábulas, etc.

Saint Maurice (também Moritz, Morris, ou Maurício) era um militar romano (!) líder da lendária Legião de Tebas, no século 3, e um dos santos favoritos e mais venerados. Ele era o santo padroeiro de várias profissões, localidades e reinos europeus. Ele também é um santo muito venerado nas igrejas Ortodoxa Copta e Ortodoxas Orientais.”

image

(1470-1528) St. Maurice (detalhe do “O Encontro de São Erasmo e São Mauricio” 1517-23, por Mathias Grünewald )

 

Vejam bem: Um militar negro de alta patente, comandando tropas romanas baseadas em Tebas, Grécia, mais tarde santificado pelo Vaticano, padroeiro de muitos reinos europeus? Isto tudo ocorrendo no século 3? Como explicar?

O certo é que São Maurício nada tem a ver com o homem negro de Mostaet. É fácil perceber isto a partir de uns poucos dados. Tampouco Balthazar. Mas, mesmo assim as divagações sobre o “homem negro” de Mostaert prosseguiram, algumas já tocando de leve alguma pertinência.

“…Jan Mostaert, o pintor, acompanhava a arquiduqueza Margareth da Áustria, sua mecenas, em muitas de suas viagens e pintou muitos retratos de seus cortesãos, que entraram em contacto com a classe superior e figuras públicas.”

“Em 1518, Margaret da Áustria declarou Mostaert “peintre d’honneur”. A seu serviço, ele foi contratado para criar retratos, embora também tenha produzido uma série de imagens devocionais, bem como retratos para a pequena nobreza holandesa.

Óbvio que este “homem africano”, por esses fatores, era um nome muito importante, e exercia relevante função na corte da Arquiduqueza Margareth da Áustria e de Carlos V.”

Ou seja: Lançava-se a identificação do “homem negro” ao limbo da lista de modelos difusos. Mas como ignorar a pompa e a circunstância da nobre figura, cuja importância estava flagrante no próprio fato dela ter sido tão respeitosamente distinguida e retratada pelo pintor mais importante da casa real dos Habsburg?

“…Como era prática comum no século 15 e 16 nos Países Baixos, Mostaert frequentemente reproduzia retratos de figuras políticas baseadas em modelos originais. Em 1521, Margaret encomendou, por exemplo a Mostaert um retrato de seu terceiro marido, o já falecido duque Philibert de Sabóia. O retrato foi feito dezesseis anos após a morte do duque Philibert.”

As evidências de que o quadro de Mostaert é de uma pessoa real, vão se tornando, portanto, quase inquestionáveis. Mas afinal, quem seria essa figura?

Ah! Não contavam com a leiga astúcia do Titio. Insatisfeito, sem mais dados a investigar. Corri então atrás do nome atribuído a figura e pronto, eureka! Alguma coisa nova enfim se revelou:

Saibam vocês que o homem retratado, descrito pelas resenhas da obra de Jan Mostaert, não podia ser Christophe Le More, simplesmente porque o Christopher le More real, NUNCA viveu na Corte de Carlos V. A história dele, do Le More real pode ser perfeitamente reconstituída com o cruzamento das boas fontes que encontrei.

Por elas, pude deduzir que um crítico de arte qualquer, acreditado em seu meio, confundiu – ou criou – esta versão aceita pelo RijsMuseum, relacionando o “homem negro” de Mostaert a um outro “homem negro” famoso na ocasião. Ao que pude apreender, o tal expert achou este Christopher o eleito ideal.

Mas era falso. A história mais provável de Christopher, o Mouro, é a que relato a seguir:

“Um africano de nome original desconhecido, escravo de um proprietário de terras siciliano chamado Christopher (Cristofaro) Manasseri, na metade dos século 16 teria adotado sobrenome do proprietário. Este Christopher, seria filho de pais africanos que provavelmente haviam chegado na Sicília entre 1450 e 1480.”

(Obviamente, sendo a quadro de Mostaert datado de, no máximo 1430, Retratando um homem adulto, o Christopher real seria ainda uma criança na época da pintura)

Ou seja: “Christophe Le More“, como ficou conhecido este negro da Sicília, um afro-italiano por suposto, nascido provavelmente já no fim do século 15, segundo sua biografia disponível, “casou-se com a também siciliana Diane Larcan (ou Larcari) também descendente de africanos. Tiveram, pelo menos um filho na cidade de San Fidelpo em 1526, chamado Benedetto, que foi alforriado quando contava cerda de dez anos de idade.”

Benedetto, o filho de Christopher le More e Diana Larcari, que se tornaram cristãos, teria nascido em 1526 na cidade de San Fratello, conhecida também como San Philadelphio Fradello ou perto de Messina, na Sicília. Sim, com todos dados levantados podemos enfim desconstruir parte da história.

(Não se tem notícia da existência de imagens do Christopher le More real – na verdade Cristofaro, il Moro – . Mas isto é natural. Ele era um cidadão afro-europeu comum.)

Talvez vocês nem tenham se dado conta, mas o filho de Cristofaro e Diana, conhecido como “Benedetto, il Moro” (Benedito, o Mouro), aliás, por obra e graça de mais uma das muitas acidentais sacações das pesquisas do Titio, é sim…São Benedito, santo popularíssimo entre católicos do mundo inteiro, notadamente negros da África e do Brasil, onde protagoniza, junto com Nossa Senhora do Rosário e Santa Efigênia (também negra) animadas Congadas.

Vejam aqui um retrato do próprio, Benedetto, o Mouro, não se sabe se num retrato real, provavelmente imaginado:

image

Mas quanto ao nome do homem do quadro de Mostaert?

(Mas novas pistas não cessam de serem encontradas pelo Titio)

“…Um elemento no retrato que pode ser identificado com certeza é a insígnia (medalha) no chapéu flamengo do homem negro, que está associada a um local de peregrinação (Halle, na Bélgica). Este é o local de uma igreja na qual uma Madona Negra atrai muitos peregrinos, incluindo inúmeros soberanos europeus, de todas as partes do continente, desde 1267. Assim, o homem do retrato provavelmente teria ido a Halle… “

E segue:

“…Em 1520 Carlos de Habsburg foi a Bruxelas, com destino a Halle para honrar a estátua da Madona Negra, como era praxe entre os monarcas católicos do período, em agradecimento por sua eleição para o trono do Sacro Império Romano. Carlos tinha na ocasião 20 anos de idade. Seu irmão Ferdinand (bem mais novo que ele, nota do Titio), estaria em sua companhia.

Escusado será dizer que eles não estavam sozinhos e teriam sido acompanhados por membros da corte de Carlos e um corpo de guarda-costas.A maioria desses guarda costas era de africanos…”

“…Foi Mostaert quem pintou o mouro. Não se trata de uma coincidência. Lembrem-se que ele trabalhou na corte do regente, por isso, é lógico que ele viu Carlos antes ou depois de sua peregrinação a Halle. É lógico, portanto que o homem do quadro é o guarda costas com emblema em seu chapéu, que se destacou pela cor de corpo mais do que os outros, antes ou depois da peregrinação de Charles a Halle. Embora a pintura tenha sido feita entre 1525 e 1530, eu assumo que o ano da peregrinação de Charles de Halle, 1520 é a principal referência para a datação da pintura.)

(Rik Wouters teórico e especialista em turismo em terras flamengas no site historiek.net

Rik Wouter especula. Tenta, de todo jeito enquadrar o nobre negro na figura de um guarda costas, mas não explica porque um desses supostos guarda costas “africanos” foi privilegiado com a distinção de ter um retrato seu pintado pelo principal e exclusivo artista da poderosa família Habsburg, governante de boa parte da Europa, nem porque esse misterioso homem negro se vestia de modo tão suntuoso, portando inclusive, a insígnia de peregrino, objeto raro (e caro) consagrado apenas aos nobres de mais alto status na corte do Sacro Império Romano.

image

Medalha (insígnia) de peregrino a Halle, Bélgica, do século 16, provavelmente igual à pintada por Jan Mostaert no chapéu do “homem negro”

Podemos fechar questão, contudo, no seguinte: O quadro “homem africano” de Jan Mostaert é, efetivamente o retrato de uma pessoa real. Esta pessoa, mesmo ainda sem estudos mais definitivos sobre sua identidade, era um nobre de importância e algum poder na corte austríaca, à época da arquiduquesa Margareth da Áustria e de seu sobrinho Carlos V, da família dos Habsburg.

O “homem negro” de Jan Jaas Mostaert estava em Halle, em 1520 junto a Carlos V. Ele era um nobre, uma pessoa “chegada à família”. Muitas estranhas e bem guardadas relações devem envolver a identidade deste homem.

(O site Realhistory, em sua afirmação mais tresloucada, defende a tese de que, no ensejo de haverem tantos negros ocultos na genealogia da nobreza europeia, o “homem africano” de Ja Mostaert poderia ser, o próprio…Carlos V, da família real austríaca Habsburg.) Mas aí já achamos absurdo demais, até porque encontrei dezenas de imagens de Carlos V, branco, com a sua indefectível deformidade ou queixada.

(Aliás, permitam-me observar que no rosto do nobre negro pintado por Mostaert, existe sim uma ligeira deformação, uma certa exagerada proeminência mandibular que causa suspeita para a existência de alguma suposta relação genética entre o negro e os branquíssimos Habsburg. Não afirmo, mas chamo a atenção para o detalhe de que a história registra a ocorrência dessa deformidade genética entre os homens da nobre família)

Contudo, vocês não perdem por esperar. Os sinais muito evidentes da negritude tão improvável da nobreza europeia de então, são sim muito profusos.

Num próximo post teremos uma história mais cabulosa ainda de um outro negro na nobreza da velhusca Europa, este sim, perfeitamente identificado, quase rei, sem dúvida alguma.

O DNA deste negão, descrito por muitas fontes, escorre até hoje nas veias das melhores famílias de suposto sangue azul do Velho Mundo. Galhos insuspeitos da árvore genealógica até da família real inglesa, a mais branca realeza da Europa, teriam sido alimentados com a seiva desse homem, cuja história está disponível aos mais curiosos.

Trata-se da arrogante Europa, despeitada, conspurcada e impura, fugindo dos espelhos!

image

(Estranha moeda, ducado, aparentemente autêntica,  da época de Carlos V, monarca do Sacro Império Romano, com a esfinge de um homem nobre negro. Em sendo verdadeira a moeda, quem seria esta importante figura?)

Spirito Santo
Janeiro 2015

 

Anúncios

~ por Spirito Santo em 23/01/2016.

5 Respostas to “Europa Black & White”

  1. Valeu,Ângela! Obrigado

    Curtir

  2. Nossa muito bom o texto, tenho curiosidade sobre o assunto, meus país são piauienses e um dos santos mais populares é São Benedito, já ouvi de vária pessoas comentarem que o Piauí em geral tem muita herança moura.

    Curtir

  3. ah… a história oficial.. quantos erros, quanta mentira e má vontade!

    Curtir

  4. Luanda,

    Obrigado pela leitura acurada.Na verdade devo ter passado por todas essas referências que você citou. Vou colecionando links e fechando o cerco em torno do tema central que é, no caso esta presença africana na idade média e renascença.

    Esta faceta etimológica do assunto – como o caso da palavr mouro (mor, mohr, maure) é fundamental no esclarecimento do tema. Uma leitora encontrou uma série curiosa de sobrenomes portugueses e brasileiros originários dessas palavras (Morais, Moura), entregando a origem africana dessas famílias, geralmente brancas.

    Estou propondo uma série de posts sobre o tema e lanço segundo em breve.

    Abs

    Curtir

  5. Muito bom artigo. E sim é bem comum a presença africana antiga na Europa, na Ásia e na Oceania. O pesquisador Runoko Rashidi que esteve aqui no Rio ano passado numa palestra sobre seu tema de pesquisa “Presença Global Africana” escreve e palestra ao redor do mundo sobre estas “estranhezas”. Ele nos apresentou diversas evidências sa presença preta em várias partes do mundo em diferentes épocas. Mas sobretudo na Europa e na Ásia. Os trabalhos dele devem te contemplar. Salvo engano ele tem um livro “African Presence um Early Europe” ou algum título similar.
    Igualmente a série de documentários Hidden Colors têm várias referências à presença Moura na Europa Medieval. São documentários valiosos que reúnem vários importantes pesquisadores e pensadores negros que têm esta missão de rever a História Preta. O primeiro da série é o que mais se foca na questão moura.

    Por fim já tive acesso a uma pesquisa etmológica que à época compartilhei no Facebook que aponta as raízes da palavra mouro à etíope que sabemos vir de aethiops do grego antigo para pele preta ou queimada de Sol e referência de toda a porção do que hoje conhecemos como África.

    Certamente toda nossa História começa a ser contada e sendo o povo preto, de ascendência africana o mais antigo do Planeta natural que tenhamos fundado e alcançado os papéis fundadores, míticos e “nobres” das mais antigas populações e localidades quão mais longe vamos na História.

    Abraços

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: