Academia Branca x Universidade Preta?


No academicismo negro a negação da Diáspora      

Há um que de esquizofrenia e histeria teoricista nas relações intelectuais, acadêmicas em setores ligados à positiva (apesar de relativa) ascensão de negros na universidade do Brasil.

Sigo de longe o processo, interessado, porém intrigado…as vezes assustado.

Como todos sabemos, a escravidão e o racismo geraram sequelas psicopatológicas, individuais e coletivas muito severas na população africana trazida como escrava para o Brasil. A perpetuação das condições e consequências da exclusão social dos descendentes desses africanos, quase tão severas quanto as do passado escravista, obviamente manteve em maior ou menor grau essas patologias ativas.

No aspecto social, geral estas mazelas psicopatológicas são gravíssimas, mas vamos no ater aos reflexos delas sobre aqueles que, escapando, em termos subjetivos do destino cruel da maioria, deveriam cuidar da redenção destes, seus “irmãos”. Trata-se, ao que me parece, de um intelectualismo deslocado da realidade social mais objetiva, dos problemas mais gerais e urgentes do negro brasileiro.

O que aparece é um discurso elitista calcado em jargões inintelegíveis para os leigos, coalhado de presunção e arrogância, esotérico mesmo, sugerindo o risco de um lamentável isolamento de seita para uma antes promissora leva de doutores negros.

Uma Academia Negra, apartada da velha academia branca seria factível no Brasil? Apartar e isolar não é exatamente o que o sistema de racismo à brasileira deseja. Parece tratar-se do surgimento de uma academia ainda de “alma branca”, só que agora em blackface, se bem me entendem.

Assimilacionismo! Conhecem o processo de gestão social colonial dos anos 1940/60 em África? Pois é…

Pode ser apenas uma fase, um acesso de auto estima exacerbada provisório, neste grupo precursor de “condenados da terra” que conseguiu escapar do gueto e que, com o tempo cairá na real.

Mas a rapidez inesperada com que essa tendência ideológica se articula nas universidades com negros por todo o país, tem para mim um sentido muito fundamentalista, aparentemente sociopatológico (daí chamá-lo de esquizofrênico) Uma lástima que preocupa ativistas mais velhos, ativistas eternos como este que vos fala

(Idosa negra frustraçåo, diria. Espero que passageira.)

O fato é que nos faltam Fanons e nos sobram Foucaults em blackface. As artimanhas e armadilhas psicológicas do colonialismo redivivo – e do racismo, sua ferramenta mais utilizada – são mesmo malignas, surpreendentes.

Pense bem.

Spirito Santo
Julho 2018

Basil Davidson: Morre o filho branco da Mãe Negra


Bristol, 9 de Novembro de 1914 – Londres, 9 de Julho de 2010

Creative Commons License
Todo o conteúdo original deste blog está assegurado sob uma Licença Creative Commons.

Morre o grande amigo da mãe África

A lembrança está marcada em mim como e tivesse sido a fogo tatuada, nítida como se fosse hoje. Agora mesmo, contando isto para vocês, me vem o cheiro do papel do livro que comprei novinho, estalando, na Livraria Camões, no térreo do Edifício Av Central, no centro do Rio de Janeiro.

“Mãe Negra- Basil Davidson”

O cheiro acre da tinta e  do papel portugueses, o mesmo cheiro que impregnava todo o ambiente da tradicional livraria (até hoje existe) especializada em literatura africana, livros e mais livros, revistas (entre elas a antológica e literária  ‘Revista África’) mapas, tudo que quisesse ler sobre Portugal e suas ainda colônias em franco e acelerado processo de descolonização sim, porém marcado ainda por cruentas lutas de libertação. O cheiro disto tudo, ainda hoje está impregnado em mim, não sei se na pele, nas narinas  ou se apenas na memória, só sei que para sempre.

Egito, Sudão,  Kilwa, Angola, , Guiné Bissau, Nigéria, Benin, Moçambique, Zimbabwe…nenhum sentido haveria na história destas terras que tanta gente nos mandaram como escravos, se não fosse aquele livro fulgurante,  fulminante que comprei naquele dia remoto na década de 1970.

Mãe Negra, de Basil Davidson continha toda a verdade omitida pelos livros de história que havia lido antes em toda a minha vida. Nunca mais abri um livro didático de História do Brasil depois daquele dia. Era óbvio que o Brasil real jamais esteve nos meus livros e cadernos de escola. Fiquei achando que que havia lido apenas lixo e mentiras até então.

Até hoje leio historiadores brasileiros com desconfiança e certo ‘pé atrás’, alguns até com mal disfarçado desprezo, confesso. Porque aceitam omitir e falsear tanto algo tão importante quanto a nossa própria história e suas nuances mais orgulhosas? Porque não foram capazes de ser historiadores de verdade como Basil?

A morte de Basil Davidson no dia 9 de Julho passado deixará uma saudade enorme em mim e em tantos outros como eu que, por intermédio dele, descobrimos a natureza complexa da África que havia latente em nós. Ela, a saudade de Basil,  será mitigada apenas pelo cheiro ocre dos livros da Livraria Camões que guardo comigo como ouro em folhas de papel.

De certo modo, ler aquele livro claro e incisivo dele, aquela historiografia incisiva, precisa, me contando a saga de uma África grandiosa assolada por tão vorazes e covardes predadores europeus, antes  apenas imaginada ou sonhada por nós, militantes por uma negritude brasileira ainda ingênua de propósitos, me libertou completamente e me inspira até hoje. É uma das mais mais vivas brasas entre as minhas mais fogosas lembranças.

É por isto – por causa da saudade de gente como eu –  que o mundo inteiro está lendo agora mesmo a história honrosa de Basil, o amigo da África e este mesmo mundo inteiro esquecerá num lapso, jamais lerá um um pingo de ‘i’ que seja da história dos outros, destes reles historiadores que  tanto tentaram nos enganar com mentiras falsamente cívicas, bajuladores da pátria alheia, desestoriadoriadores, descontadores, engendradores de apagões mentais.

“…Minha mãe
tu me ensinaste a esperar
como esperaste paciente
nas horas difíceis.
Mas em mim
a vida matou esta mística esperança
eu não espero.
Sou aquele por quem se espera
A esperança somos nós, os teus filhos
nascidos para um fé que alimenta a vida…”

(Agostinho Neto)

——————

Basil Davidson: Espião, resistente anti-fascista repórter e historiador de África

Maputo, Quarta-Feira, 18 de Agosto de 2010/Notícias

(Extraído de ‘Moçambique para todos’)

Owei Lakemfa

Basil Risbridge Davidson não foi um santo, tipo o que evoca a figura do herói Ernesto Che Guevara. Não foi um Tarzan, deambulando pelas selvas de África, nem tão-pouco um missionário de uma estranha confissão religiosa que evangelizou o continente à expensa da sua terra, da sua cultura, sangue e riqueza.

Não foi um neo-colonialista, que em nome do FMI ou do Banco Mundial passava a prescrever receitas expiradas para todas as enfermidades africanas. Antes, Davidson foi um intelectual comprometido, que estudou e escreveu honestamente sobre África e os seus povos, sobre a sua história ancestral e contemporânea, sobre os seus ancestrais; sobre lideres africanos convictos tais como Samora Machel e criminosos como Mobutu Sesse Seko.

Não foi um cientista social desinteressado que estudou África à distância, quando os nossos povos vertiam sangue nas guerras de libertação em Moçambique e na Guiné-Bissau, ele esteve fisicamente nos campos de batalha. Dos mais de trinta livros que escreveu não abarcavam apenas uma vertente teórica, mas eram guias práticos para muitos africanos; ajudou a moldar a visão política de muitos jovens africanos na década de 1970 e 1980.  Ele abriu a mente de muitos africanos sobre o rico manancial historial, desde aos tempos pré-coloniais, passando para o período das guerras anti-coloniais aos encarniçados combates para a libertação, envolvendo as forças patrióticas do continente e os fidalgos representantes de Lisboa, Bruxelas, Paris, Londres e Joanesburgo.

Curiosamente, atendendo aos seus antecedentes, Basil Davidson era umas das mais suspeitas e improváveis vozes a levantar-se a favor da consciencialização e libertação em África. Ele era tenente-coronel na reforma do Exército, inglês que combateu na segunda Guerra Mundial, tendo ajudado os movimentos de resistência na Hungria, Jugoslávia e Itália. Chegou a ser espião britânico, trabalhou para M15, especializou-se em sabotagem e foi prisioneiro de guerra, que beneficiou com o processo de troca de presos com a Itália.

Basil Davidson, que trabalhou como repórter para muitos órgãos de imprensa, decidiu, a partir de 1951, documentar o continente africano. O seu interesse inicial foi a Europa do Leste, mas depois inclinou-se para a África e foi neste continente onde deixou um legado a várias gerações. O seu primeiro encontro com África foi no Cairo, Egipto, onde se tinha deslocado ainda como soldado e espião para arranjar logística para a resistência eslava.

O avião em que viajou tinha feito escalas na região de Bathurst (antiga designação da cidade de Lagos) e num local que, para ele, passou a ser “algures no norte da Nigéria, um ponto desconhecido do mapa, tanto quanto eu pude descobrir”. O avião, dizia, “tinha feito um voo, abaixa altitude, sobre em paisagens, planícies e vastas extensões de terra desprovidas de populações”. Basil Davidson disse que tinha saído para um passeio: “À distância, vieram sobre mim imagens da presença de uma barreira estreita e alta, o muro de uma cidade…tinha sido construída de barro, paus e circundava toda a cidade perdida algures em África, que descobri mais tarde ser a cidade de Kano, com mais de 700 anos, senão mais…e que não havia nenhuma história em África, tanto quanto eu sabia”.

Assim foi como a sua curiosidade por África cresceu. Os seus estudos e escritos acerca do continente estavam para absorver os últimos dois terços dos seus 95 anos que marcaram a sua passagem pela terra, que começou no dia 9 de Novembro de 1914 e terminou no dia 9 de Julho de 2010.

Ao procurar provar que África tinha uma rica História pré colonial, Basil Davidson escreveu numerosos livros, que incluíam estudos sobre os antigos reinos do Egipto, de Kush, de Nok, sobre culturas e impérios do Mali, Ghana, Songhai. Tudo isto consta de livros como “A redescoberta da velha África”, “Mãe África”, o “Passado africano e os africanos”.

Davidson escreveu sobre a ruptura dos impérios africanos, forçados a entrar num ciclo de nações-Estados, tendo questionado se “deve a África renovar a proliferação de nações e as disputas nacionalistas…os povos africanos tinham seguido, no passado, o seu próprio caminho, e nada indica que não venham fazê-lo novamente de forma construtiva e criativa”. Mas a África não seguiu o seu velho caminho, antes optou por aquilo que foi ditado pelas as suas antigas potências coloniais. Davidson sentiu-se atormentado com esta perspectiva.

Ao analisar a tragédia do continente, especialmente nos anos de 1970 e 1980, lamentou que “o declínio de valores morais e políticos daqueles que clamavam falar em nome de África era tão rápido quanto generalizado”. Ao mesmo tempo que reconhecia a imensa autoridade moral de líderes como Julius Nyerere, Basil Davidson notou em líderes como Samuel Doe, da Libéria, Ibrahim Babangida, da Nigéria, Idi Amin, do Uganda, Jean Bedel Bokassa, da República Centro-Africana, e Macias Nguema da Guiné-Equatorial o que chegou a caracterizar como “um fenómeno excessivamente patológico que apareceu no período colonial e pós colonial jogado por individualidades que tinham a autoridade e carisma para chegarem ao poder, mas sem a sabedoria para controlá-lo.

Tais figuras agarraram-se ao poder e surgiu a ambição, quer por mais poder, quer pelos seus frutos”.

Um dos seus legados duradoiros foi a forma documentada como retratou a luta de libertação nas colónias portuguesas, as lições para África e o que se pôde aprender com a teoria da guerra popular. Por exemplo, ele tinha descrito uma acção audaciosa desencadeada por combatentes do então movimento PAIGC no aeroporto de Bissau, numa altura em que as autoridades coloniais portuguesas tinham fortificado as áreas circundantes do aeroporto com vedações e campos minados. O movimento conseguiu destruir aviões que se encontravam na placa aeroportuária, nos hangares, sem que tivessem provocado danos humanos. Uma das lições, do audacioso ataque, dizia Davidson, era que a invulnerabilidade estava do lado da guerrilha e não do lado colonial.

Basil Davidson defendia que “todas as guerras eram perversas”, mas que “uma bem dirigida guerra de auto-defesa” – distinta de qualquer acto terrorista – pode resultar em ganhos, mesmo em circunstâncias mais adversas”.

O historiador britânico advogava que uma ideologia de libertação não pode ser desenvolvida sem “a potencialidade da consciencialização de um povo, num específico tempo e determinado lugar”. Basil Davidson, com as suas obras “O fardo do homem negro”, a “Causa do povo: uma história de guerrilhas em África”, “As cidades perdidas de África”, “África Ocidental antes da era colonial: uma história até 1850”, “África” (que veio a ser adaptada em série televisiva) e “África na História”, plantou o seu legado no solo africano e no mundo intelectual.

Owei Lakemfa

Você poderá também gostar de:

BRÓDER, de Jeferson De vem aí!


Creative Commons License
Todo o conteúdo original deste blog está assegurado sob uma Licença Creative Commons.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Muito além do Samba e da feijoada

O cineasta Jeferson De está lançando o seu ansiado primeiro longa metragem ‘Bróder‘ (assista entrevista no vídeo aqui abaixo), com locações no Capão Redondo, emblemático bairro da violenta, intensa e complexa periferia de São Paulo.

No elenco figuras nota dez de nosso cinema como Jonathan Haagensen, Caio Blat, Cassia Kiss, Aírton Graça, João Acaiabe, entre outros.

Pelo que se anda dizendo por aí, no ensejo de narrar o reencontro de três amigos de gueto, com trajetórias de vida muito diferentes entre si, na festa de aniversário de um deles, ‘Bróder’ tenta abordar de maneira polêmica – ou seja, sem paternalismos e papas na língua – questões- chave da ora contida, ora explosiva realidade dos grandes ‘complexos de favelas’ das grandes cidades do Brasil, tendo como o contraponto a exclusão social perpetrada, entre outros mecanismos, pelo racismo onipresente, onisciente e onipotente, como um Deus do mal que engolfa tudo com o seu manto de iniquidades.

Vindo do Festival de Berlin onde fez bonito e tendo sido agora há pouco, exibido no Festival de Paulínia com sucesso (veja aqui a polêmica em Paulínia, onde júri premiou 5 vezes favela, agora por nós mesmos’ um ‘filme ONG’, segundo algunse a crítica premiou Bróder) o filme, praticamente marca a estréia profissional de um dos raros cineastas negros que o Brasil se dá o luxo de ter – o que, só por isto aí já é uma coisa a ser festejada.

Em Paulínia, além do prêmio da crítica especializada, ‘Bróder’ ganhou também prêmios do  júri oficial nas categorias fotografia, direção de arte e edição de som.

Muito afim de ver e aplaudir desejo que seja longa vida e a história de Jeferson De e seu jovem cinema ansioso de sair da contenção asfixiante e maniqueísta do gueto e da periferia, para o ar puro do mundo real.

(Siga o papo complementar nos comentários logo abaixo deste post e leia mais sobre este empolgante argumento em ‘ Cinema em preto & branco takes 01 , 02 e 03 )

——————-

Ficha técnica de Bróder’:
(longa de ficção, 93 minutos, digital)
Direção: Jeferson De
Produção: Paulo Boccato, Mayra Lucas, Jeferson De, Renata Moura
Roteiro: Jeferson De, Newton Cannito
Elenco: Caio Blat, Cássia Kiss, Jonathan Haagensen, Silvio Guindane, Cintia Rosa, Ailton Graça, Lidi Lisboa, João Acaiabe, Du Bronks.

Spírito Santo
Julho 2010