A ciência da porta na cara


Creative Commons LicenseTodo o conteúdo deste blog está assegurado por uma licença Criative Commons

Svante Pääbo, à direita, e equipe. Os sequenciadores do genoma do homem de neandertal – foto: cortesia Instituto Max-Planck (com brincadeirinha do autor)

A peleja do jornalista – quase ruivo – contra o aposentado negão

Uma tragédia do ‘racismo à brasileira’

—————

(Eu, na porta do banco, atrasadão)

_ Não. Não tenho nada de metálico aqui na bolsa não, porque, não pode?)

———————

O papo é seguinte:

“…O sequenciamento do genoma do homem de Neandertal anunciado nesta quinta-feira por uma equipe internacional de cientistas revelou cruzamentos com o humano moderno e traz uma nova luz sobre as características genéticas humanas únicas na evolução..”.

Agora leia – ou veja – a maliciosa matéria do jornal hoje da TV Globo (dirigido pelo neo- racista Ali Kamel) Se você não for um racista enrustido e não tiver sangue de barata, garanto que se sentirá tão revoltado quanto eu.

(E não precisa nem ser barrado na porta do banco onde mantém a sua conta)

Siga-me então. Vamos analisar friamente a notícia real, sem o enfoque tendencioso de Kamel & Cia:

“…A proporção de material genético herdado dos neandertals é de cerca de 1 a 4 por cento. É uma proporção pequena, mas muito real de ancestralidade nos não africanos (grifos meus) hoje”, disse a jornalistas por telefone David Reich, da Escola de Medicina de Harvard, em Boston, que participou do estudo.”

Deixa eu ver se entendi (e atenção para as entrelinhas abaixo, pois nelas é que está o cerne das intenções desta nova tese algo geneticista ou… eugenista, sei lá):

A tese original diz: O homem (ou a mulher, no caso) de Neandertal teve relações sexuais com o homo sapiens. Isto gerou uma carga de 1% a 4 % do DNA do Neandertal no genoma do homem moderno. Sacaram? Então podemos seguir no debate, ok?

(E eu ainda na porta do banco, duro, puto e constrangido

_Não sacaneia!Será que aliança de casado faz a porta apitar? Moedas?Tem um clips no meu bolso. Será que isto apita?)

——————–

Ora, se o neandertal é um ‘homem’ estamos falando então do cruzamento entre duas espécies de seres humanos, certo? Um supostamente originado na África outro supostamente originado na Europa. E daí? Até aí morreu Neves.

No entanto, dita assim, bombasticamente a tese passa a ter um forte sintoma de ser dissimuladamente racista (ou está sendo deliberadamente distorcida na imprensa – como é o caso flagrante da TV Globo de Ali Kamel – para este fim), ou seja, parece que para alguns insanos racistas (como os deste link) a notícia serve para desmontar na cabeça dos mais desavisados, a tese científica que provou originalidade do genoma africano na raça humana. Sugiro que a notícia seja vista então com certas ressalvas, só por conta deste viés escorregadio.

Ressalvemos pois:

Para início de conversa não é preciso ser cientista para se saber que esta possibilidade (a do entre curso sexual entre mulheres ou homens oriundos da África com seres algo semelhantes oriundos da Europa) é perfeitamente factível. Aliás, estudos muito recorrentes e pertinentes já aludiram antes a possibilidade cientificamente provável do homem de Neandertal, o Homo Erectus e o homo Sapiens terem tido um período de certa convivência, uma certa contemporaneidade com evidente entre curso sexual entre uns e outros.

(Vale dizer para não perder o ensejo da graça que a transa sempre foi livre entre seres da mesma –ou quase- espécie – humana, certo? – porque esta é a lei mais básica da natureza. Vamos combinar inclusive que chega até a ser estranho que só tenham descoberto isto agora logo, também aí nenhuma novidade).

(E eu lá. Barrado , morto de vergonha. Uma fila enorme atrás de mim)

_ Abre esta porta, porra! Que trava automática é o cacete!Tô vendo que é o guarda ali que está travando!

——————

O que não está sendo considerado ou dito, contudo – e aí está a capciosidade da notícia tornada sem graça alguma pela pauta boba de Kamel & Cia.- é que o que as teorias que embasam o surgimento do homem na África dizem respeito a fatos de nossa evolução ocorridos milhares de anos antes deste provável entrecurso sexual…‘inter racial’.

(E eu, voltando a dar graça à tese, colocaria até o Homo Erectus nesta história, não exatamente como – se me permitem – numa suruba a três, mas como uma possibilidade não menos remota de que outras espécies poderiam ter também existido e se entrecruzado numa boa. Vamos botar então um pouquinho do DNA do coitado do Erectus também neste nosso genoma, tá certo? Por que não?)

Ou seja (agora sem sacanagem ou brincadeira) uma coisa – a origem remota do homem moderno ser a África – não tem nada a ver com a outra – a existência alegada de que houve entre curso sexual entre homens de diferentes origens planetárias em certo ponto de nossa evolução.

Ponto.

(E aqui, mesmo sendo uma afirmação risível, repetimos a açodada interpretação pautada pelos jornais da Rede Globo de hoje – jornais como sabemos, dirigidos pelo indefectível racista de plantão Ali Kamel – leiam atentos às segundas intenções, por favor):

Cena na TV: Repórter do jornal ‘Hoje’, todo orgulhoso (não sei de que) forçando o tom da notícia numa ênfase totalmente fora de propósito:

_ …”Portanto, só não tem DNA de neandertal quem é africano puro. O resto, segundo os cientistas, é sim parente dessa espécie que ganhou fama de ser meio “cabeça dura”. Os cabelos ruivos, por exemplo, são considerados uma das heranças dos neanderthais…”

Oh! Mas que jóia da manipulação de uma notícia! Em que universidade se ensina este tipo de jornalismo tão dissimulativo, como se dizia antigamente…marron? Na PUC do Rio?

Alguém aí avise, por favor a este pessoal que faz a pauta dos jornais da TV Globo que os homens de neandertais são considerados sim pelos cientistas ‘burros’, ‘ignorantes’, ‘desprovidos de inteligência’  e não, de modo algum, ‘cabeças duras’, que é uma outra coisa, impossível de ser atestada cientificamente, querendo dizer algo como ‘teimosos’, ‘desligados’. Porque esta proteção com os neandertais?

Sim, os antepassados diretos dos europeus modernos são considerados pela ciência menos inteligentes do que seus semelhantes homo sapiens, que viveram, originalmente na África. Mas isto é muito relativo e, mesmo sendo uma fato inquestionável (ao menos por enquanto) não quer dizer, absolutamente que uns sejam inferiores aos outros.

(Ah…este papo da natureza relativa da cultura humana é velho pra caramba, não é não?)

Somos todos tanto Neandertais quanto Erectus e Sapiens, ora bolas! Somos parentes e é por isto que somos da mesma…espécie (cansativo explicar estas baboseiras óbvias, sabiam?)

E daí? Isto dói em vocês (pensando neles, os daquela fila do banco)? A esta altura da história do Brasil vocês ainda se julgam assim tão… europeus? Que doença, gente! Que recalque!Que paranoia estúpida!

(E, cá entre nós, este negócio de ressaltar tão ‘babaovisticamente’ os possíveis ‘cabelos ruivos’ dos caras então…(ui!). Esta doeu no meu fígado)

(Não riam agora. Ainda não)

(E  eu ali, travado, suando bílis. Os brancos lá, disfarçando, olhando para os lados)

Então ta certo. Sair da fila eu não saio. Tiro o cinto, tiro a prótese dentária da boca, tiro cadarço do tênis…

——————

Traduzindo (se é que é necessário) a distorcida pauta intencional da equipe de Kamel. O que eles querem subliminarmente nos enfiar guela abaixo é o seguinte:

Ninguém (sugerindo que aqui no Brasil também, é claro) poderia reivindicar ascendência ‘puramente’ negra já que não existe esta ‘pureza’ racial desde o tempo das cavernas. A existência de DNA dos caucasianos homens de neandental (subrepticiamente o padrão eugênico do ‘homo arianus’ de Kamel & Cia., a julgar pela euforia com que a notícia foi dada) provaria isto.

(Observem também que a matéria não repete a taxa mínima deste DNA quase residual existente no genoma do neandertal sequenciado. Na verdade a pauta, sutilmente enfatiza exagerando, os 4%  e omitindo, cuidadosamente a faixa mínima e irrisória de 1%, que é perto do nada)

Gracinhas! O que torna mais risível ainda a tendenciosa pauta, contudo é que, se invertermos a ordem dos produtos (da tese no caso) poderíamos afirmar, do mesmo jeito – e sem mentir em uma vírgula sequer – o seguinte:

_ CIENTISTAS DESCOBREM QUE O HOMEM MODERNO TEM  DE 96 A 99 POR CENTO DO GENOMA DO HOMEM SAPIENS (que como se sabe é originário da África)!

_ POR CONSEGUINTE, A MESMA DESCOBERTA DÁ CONTA DE QUE TEMOS… APENAS… DE 1 A 4 POR CENTO DO GENOMA DO HOMEM DE NEANDERTAL (que é originário da Europa)!

Viram? Racismo não tem sentido. Eu já disse: Somos todos negões!

(Pronto. Podem rir agora)

Kamel & Cia. Apelam, é o que se vê, para o mais puro dos sofismas, como sempre fizeram (eles, os de O’ Globo já tentaram desqualificar a negritude evidente de Pelé e de nossa campeã olímpica Daiane dos Santos com este papo, lembram? Elizeu Fagundes de Carvalho, um biólogo da Uerj é o ‘cientista’ de plantão do grupo de Kamel & Cia., responsável pela difusão destas teses ‘científicas’ sofismáticas, eugenistas e estapafúrdias, dignas de um Mengele às avessas).

Invertem, distorcem o sentido da tese dos cientistas europeus e confundem a população, provavelmente no intuito de atrapalhar a presente discussão sobre cotas raciais e ações afirmativas para negros no Brasil. Jornalismo – e ciência – sem ética de gente  (com o perdão da franqueza) totalmente indecente e covarde porque não nos dá nem a chance, o direito de resposta para refutá-los, do alto que estão na cúpula de uma das maiores empresas jornalísticas do país.

O que me espanta na cara de pau deles é que a questão na verdade é por demais óbvia e nada, tem de surpreendente, pois há uma diferença de milhares de anos entre o surgimento efetivo do homem (que teve que se dar, primeiramente em algum lugar, específico, que se provou ser a África) e a sua dispersão pelo resto do mundo o que, muito provavelmente, gerou espécies subsequentes, variantes que se tornaram diferentes entre si por conta de fatores ligados a sucessivas adaptações ao meio ambiente. Qualquer ginasiano devia saber disto.

Darwin, velho de guerra – salvo as revisões dos ‘criacionistas’ e outras que não conheço – provou como isto se deu, de forma bem clara e cabal.

Aliás, causa enorme estranheza esta aparente insistência de certas correntes ideológicas e/ou pseudo cientificas na tentativa de legitimar a negação teórica da origem africana dos seres humanos. Qual é o problema? Porque esta aversão a sermos negros? Nós nem sabemos ainda se estes nossos antepassados foram, realmente negros como os africanos atuais. E se a a ciência um dia descobrir (como descobriram penas em dinossauros)  que eles foram louros, de olhos azuis? Será que Ali Kamel & Cia. iriam mudar, de mala e cuia, sua ascendência da Europa para a África?

Gente esquisita esta, não é não?

Há inclusive dados históricos bastante confiáveis – por serem do mesmo modo óbvios – de que a dispersão do homem rumo ás terras geladas do norte da Europa (o genoma do neandertal agora sequenciado é da região da Croácia) só pôde se realizar após a descoberta do fogo.

Sem o calor do fogo – oh! Que obviedade ! – o homem morreria congelado no inverno.

Logo um longo período de adaptação – com sucessivas migrações sazonais para partes mais quentes do planeta talvez – deve ter sido o processo mais evidente das transformações físicas pelas quais o primitivo homem africano – provavelmente negro sim – se transformou no homem europeu e no homem asiático.

Eu mesmo visitando um museu na Europa (Viena), como um Darwin tardio, me dei conta disto ao ver ao mesmo tempo, um urso preto, um pardo e um branco. A resposta estava ali, na minha cara: Claro que o meio em que passaram a viver, migrando daqui para ali, foi que operou aquelas tão significativas diferenças nos ursos.

——————

(Eu, chutando a vidraça:_ Destravem a porta giratória agora, porra!)

_Vou tirar a roupa toda então!Porra! Caralho!

——————

Portanto, para encerrar esta ‘conversa de macaco’ (na boa gíria, conversa mal intencionada) de Ali Kamel & Cia, leiam vocês mesmos, parte do que os cientistas europeus por meio da revista Science, REALMENTE disseram:

“…De 1% a 4% do genoma humano (2% de seus genes) provêm do homem de Neandertal, que apareceu há cerca de 400.000 anos e se extinguiu há 30.000 anos, precisaram cientistas em um estudo publicado na edição deste 7 de maio da revista americana ‘Science’.

O Neandertal é assim o primo mais próximo dos seres humanos.

…essa transferência genética deve ter ocorrido de 50.000 a 80.000 anos atrás, provavelmente quando os primeiros Homo sapiens saíram da África, berço da humanidade, coincidindo com a presença dos homens de Neandertal no Oriente Médio, antes de se dispersarem na Eurásia.

O fato de os genes do Neandertal aparecerem no genoma de indivíduos de origem europeia e asiática, mas não entre os africanos, sustenta essa hipótese.

Além disso, não foi encontrado nenhum gene de Homo sapiens no genoma Neandertal sequenciado a partir do DNA extraído de três ossos fossilizados provenientes da caverna Vindiglia, na Croácia, e que datam de 38.000 a 44.000 anos. Os ossos pertenciam a três mulheres.

Os cientistas compararam o genoma neandertal com o de cinco humanos modernos procedentes da África Meridional e Ocidental, assim como de França, China e Papua Nova Guiné. Também foi comparado com o genoma do chimpanzé, cujo DNA é 98,8% idêntico ao humano.”

…”Na comparação, o Neandertal mostrou-se geneticamente idêntico ao humano moderno em 99,7%, e ao chimpanzé em 98,8%. O antepassado comum do chimpanzé com o humano moderno e seu primo Neanderthal remonta a 5 ou 6 milhões de anos atrás.
O homem de Neandertal e o humano separaram-se durante um período situado entre 270.000 e 440.000 anos, conclui o estudo, destacando que ambas as espécies eram muito semelhantes. Mas as diferenças são sobretudo interessantes.

…”Segundo Richard Green, “a decodificação do genoma de Neandertal é uma mina de informação sobre a evolução recente da humanidade e será aproveitada nos próximos anos”.

(Eu já sem a roupa. Saindo na porrada com os guardas. Um guarda atirando: Pôu! Pôu!)

A fila de brancos se dispersando rapidamente. Três PMs entram na agência, bufando.)

——————–

Mas o que a tese dos europeus afirma, sem entrelinhas? Vocês sacaram?

Em suma, nada de muito novo na tese dos gringos, exceto que a nossa evolução teve uma história bem menos compartimentada (ou dicotomizada) do que se julgava. Ou seja, somos mais humanos e iguais ainda do que imaginávamos (o que, ironicamente lança mais obscuridade sobre tendências arcaicas e enrustidamente racistas como as de O’ Globo, Kamel, & Cia. Que alegam ser contrárias a existência de diferenças raciais, mas que usam isto com intenções nitidamente racistas, segregacionistas ou protelatórias – para barrar ações afirmativas )

————-

(Vou saindo. Na maca. O carro da defesa civil com luz vermelha girando e me deixando ainda mais tonto. Um montão de gente me olhando com aquela curiosidade mórbida, quase imbecil. Se querem saber, nesta ficção que fiz nos entreatos deste post eu não morri não. O tiro saiu pela culatra e o banco vai ter que me indenizar nuns…digamos assim… 50 mil paus.

É, mas foram babacas como estes que atiraram na cabeça do negão aposentado -vocês viram? – Ele usava um marca-passo, que é metálico, disseram que a porta travou. Mentira descarada.

O curioso é que, exatamente como no caso do aposentado, na fila de brancos da minha história fictícia ninguém se manifestou, repararam? Nem contra nem a favor. É muito comum isto. Ficam ali omissos, olhando para o relógio, se fingindo de mortos, se alguém puxar o mote são capazes até de aplaudir os guardas assassinos (enquanto isto o negão aposentado estava em coma irreversível).

E nesta Ali Kamel & Cia. Deitam e rolam.

Mas, não adianta. Tem nada não. Vade retro, rapeize do apartheid brasileiro!

O Homo Sapiens é negão, o Mengão é campeão e o Mengele já morreu! Quem manda aqui sou eu.

Spírito Santo
Maio 2010

Atenção: Veja o vídeo aqui e assine o ‘Manifesto Porta na Cara

É a Lama! É a Lama!



Creative Commons License


farm1.static.flickr.com/217/482856871_073554c…

1904. Foto de João Martins Torres : Trabalhadores contratados para retirar material da Encosta do Morro do Castelo no Centro do Rio de Janeiro, como parte do Bota Abaixo para a abertura da Avenida Central.

———————

Do Caos à Lama
O céu caindo sobre nossas cabeças

Não sei se existe um ranking, mas talvez o Rio de janeiro seja a cidade mais excludente do mundo.

Eternamente colonial a cidade parece ter sido planejada para manter sua imensa população pobre segregada de tudo, com uma parte habitando uma periferia da qual só se chega à parte rica – a urbe real – por meio de um sistema de túneis e a outra parte amontoada nos morros e encostas, como bandos de urubus espreitando as migalhas que cairão dos apartamentos e das mansões.

Como os supostos ricos daqui são escravistas renitentes (os habitantes da zona sul do Rio pensam que ainda estão na Corte do Império do Brasil), manteve-se aqui uma relação sórdida com os descendentes de escravos do pós-Abolição, mantendo-os totalmente à margem da sociedade, sem política de inclusão social alguma, nenhum direito de gente normal que não seja o de exercer a condição de eternos escravos domésticos ( ‘negros de ganho‘ como no passado) sem trabalho regular ou formal, sem educação, sem saúde, transformados em prestadores de todo tipo de serviço de baixa especialização (biscateiros, lavadeiras, seguranças, faxineiras, pedreiros, babás, cozinheiras, marceneiros, lixeiros, camelôs, bandidos, etc.)

Para poder trabalhar e comer com os rendimentos tão miseráveis que amealham com seus ‘bicos’, os pagens e serviçais  tiveram que ir se alojando nas áreas próximas que sobraram baldias, os morros e as encostas da cidade, áreas historicamente desprezadas pela elite que, desde de quando D.João VI adotou os seus banhos de mar medicinais nos cafundós do Caju, gosta mesmo é de viver  no bem bom e na curtição da dolce vita à beira mar.

Do mesmo modo que mantinham senzalas ao lado de suas casas grandes patriarcais, os cariocas descendentes daquela pomposa aristocracia cortesã do tempo do império, fecharam os olhos à ocupação desordenada do solo urbano, permitindo que se formassem espécies de guetos-senzalas, comunidades de miseráveis que se aboletaram em barracos construídos com caixotes e folhas de zinco e depois em precárias casas de alvenaria, construídas nas encostas e morros das zonas Sul e Norte, de qualquer jeito, do dia para a noite, no mais completo e épico Deus-dará.

Como não podia deixar de ser, com um fluxo incessante de gente vinda da periferia e até mesmo de outros estados, atraída por enganosas oportunidades que a cidade teria a oferecer, estes morros logo ficaram superpovoados, acabando por  explodir as represadas  mazelas e feridas sociais, as mais pustulentas que ruminavam,  fazendo ferver um caldeirão de violência tão  exacerbada que gangs de traficantes de drogas, no auge insuportável de seu crescimento como instância de poder paralelo, passaram a dominar partes significativas do espaço urbano, como autoridades de fato.

O caos do Rio de Janeiro hoje é quase absoluto. Literalmente nossos problemas pós coloniais estão desmoronando sobre nossas cabeças.  Apavorada, a  elite bacaninha vê a água marron, a lama, o lixo e os dejetos mais absurdos, escorrerem sobre a decantada maravilhosidade que as autoridades constituídas da cidade alardeiam para o exterior.

Fazer o que? Avisar a gente sempre avisa – eu mesmo já cansei de escrever sobre isto – mas sabem como é:  A elite do Rio é estúpida e ignorante como toda elite de qualquer lugar. É gente que acha que estando acima do bem e do mal pode manter a situação indefinidamente sob controle, investindo apenas em polícia para conter à força, a circulação dos serviçais além dos muros invisíveis de seus guetos infectos e fedorentos.

Só agora, com as Olimpíadas e a Copa do Mundo chegando, depois do formidável abate de um helicóptero por snipes bandidos, começaram a refletir um pouco sobre a sinuca de bico em que se encontram. O máximo que conseguiram, no entanto foi tentar repetir a estratégia eugenista doBota Abaixo perpetrada pelo prefeito Pereira Passos no início do século 20, aquela ‘reforma urbana’ que expulsou os pobres do centro da cidade (o entorno da atual Avenida Rio Branco) para…para onde? Para alguns dos mesmos morros que desmoronam hoje, por obra das irrecorríveis leis da natureza.

E vejam só o que mais:

Entre outras mazelas, esta relação doentia criou também uma dependência total entre  ‘ricos’ e ‘pobres’, uma relação promíscua cujo símbolo maior é  o mercado das drogas.

Sejamos francos. A elite carioca – mais ainda talvez que a elite das outras grandes cidades do Brasil – além de ter ojeriza pelo trabalho braçal por conta de uma inapetência histórica, adquirida no tempo da escravidão – é hedonista e permissiva por natureza.

Moderna como se julga ser, esta pretensa elite acabou ficando viciada nas drogas que passou a consumir (principalmente a cocaína), de forma quase massiva, movimentando uma quantidade imensa de dinheiro escuso que para ser gerido, exigiu a formação de diversos comandos para-militares, que armados até os dentes,  articulam outros comércios paralelos e sucedâneos  como o tráfico de armas, de munição de guerra e os sequestros de pessoas, por exemplo.

(Você sabia que, curiosamente os traficantes chamam o seu negócio de ‘Movimento’?)

Como os pobres estão aí mesmo para todo o serviço (principalmente o sujo) já que foi isto que  lhes restou como alternativa de sobrevivência,  este mercado milionário se caracterizou sob a forma de uma divisão de tarefas onde quem estoca, controla e disponibiliza as mercadorias ilícitas é a negra bandidagem favelada e quem banca o mercado, consumindo a droga é a elite branca bem nascida, protegida e mediada por uma polícia corrupta, numa dicotomia que será em algum prazo explosiva.

Insanos. Querem por que querem esconder o problema debaixo do tapete, gastar o mínimo (para talvez desviar, roubar, o máximo) planejam maquiar, pintar a cidade de verde, amarelo, azul e branco para nesta estratégia cosmética imbecil, expulsar os pobres, de volta para bem longe do futuro, certos de que seu quadro de privilégios jamais será afetado.

Mas como? Como e para onde expulsarão quem já foi expulso no passado e que já é tão desvalido?

Não há mais espaço, nem na periferia, para isto. A cidade inteira está tomada, atravancada de problemas estruturais com gente saindo pelo ‘ladrão’. As favelas com suas precárias fronteiras já encostando umas nas outras se transformaram em ‘complexos’,  sub-cidades clandestinas, subterrâneas,  algumas com população tão numerosa quanto a de cidades de porte médio do resto do país. O lixo social que eles, os da elite, lançaram de suas janelas virou uma montanha preta imensa e nauseabunda, quase sem tamanho.

Excluir mais ainda os favelados do Rio seria, pois, um plano digno de sadomasoquistas, seres desumanos, com lepstopirose na alma.

E se esta montanha preta de iniquidades desmoronar, como está desmoronando agora nestas avalanches mais que simbólicas ? O  volume assustador de entulho pode afogar a cidade inteira num lodaçal histórico (um castigo bíblico, pois, como todo mundo deve saber, lama caindo do céu não tem preferência social. A lama é santa e democrática, afoga a todos igualmente porque é pública.)

Sim, a merda líquida que transborda dos esgotos do Rio é de todos nós.

Aparvalhada, a cidade é governada por administradores ineptos (no linguajar popular uns ‘merdinhas‘, uns ‘conversinhas‘) políticos carreiristas que preferem muito mais vender os peixes podres que viabilizam  suas eternas candidaturas do que fazer realmente algum bem, mesmo que corriqueiro, para a população que os elegeu.

É, meus amigos: A cidade do Rio de Janeiro pode estar se aproximando perigosamente do seu dilema mais terrível, do seu check mate de metrópole incompetente e inviável por sua própria culpa. A qualquer momento, basta uma fagulha e a situação pode ficar fora de controle. Este  caldo de cultura fedorento um dia entorna num indesejado ‘Viradão Carioca’.

Dê só uma olhada para a cara das vítimas dos atuais desabamentos e reflita. Não é preciso IBGE nenhum nos informar o óbvio. A estatística está aí, visível na TV,  gritando na nossa cara: Quem perdeu e cada vez está perdendo mais, morrendo mais, é a mesma negregada galera do período pré-abolição. É a escravidão aviltante ainda pulsando em nós.

Agora é fácil. Expulsamos os nossos seres-dejetos para bem longe da urbe chic, à custa  sabe-se lá de quantas ocupações ‘pacificadoras’, quantas UPPs.  A bandidagem recua da zona sul e se ajeita na periferia mais remota, montando ali seus arsenais e paiós em novas cidadelas.

Junte a tragédia de morros se dissolvendo com o sonho das ‘otoridades’ – e da elite – de expulsar a população favelada para o mais longe possível das Olimpíadas e da Copa do Mundo. Coloque pitadinhas de UPPs e tropas de elite, junte tudo com o medo pânico agora portado pelas pessoas que moram nestes morros, espantando-as para as partes planas da cidade e me diga o bicho que dá. O bicho é feio ou não é? Dá até medo.

A pergunta então é: E aí? O que faremos quando a Copa e as Olimpíadas acabarem? Gravamos um jingle ‘we are the world’ em ritmo de Samba e disputamos com o Haiti no tapa – ou no ‘cuspe em distancia’ – a grana da ajuda humanitária da ONU?

_”É a lama! É a Lama!_ cantaria um moderninho bloco do Carnaval de Santa Teresa parafraseando Tom Jobim, tentando abafar a voz rouca do Coronel Kurt que existe em cada um de nós (aquele piradão do filme  ‘Apocalipse Now“) , gritando para a avalanche de lama que escorre do cinzento céu desta cidade cada mais vazia de encantos mil:

_” É o Horror! É o Horror!”

Spírito Santo
Abril 2010

Gostou? Se enojou? Então leia também o post irmão deste: FAVELÓPOLE

Achtung! Mais um negão em Viena


“April macht zu viel”
‘Abril faz o que quer‘- ditado popular austríaco (ou alemão não lembro bem)

Não pude resistir à tentação de divulgar isto. Aos que não tiverem a gentil complacência de relevar mais este eventual deslize egocêntrico, justifico enfático:

Corujice também é cultura!

É nestas horas que gostaria de ver a cara de um anti-cotistas destes, estes racistas enrustidos que andam rebolando por aí, afirmando que os excluídos históricos do acesso à educação (negros, índios e afins) precisam esperar caladinhos, na fila, confiando piamente que, um belo dia (quando a galinha criar dentes?) políticas universalistas – ou ‘não racialistas’, no dizer daqueles próceres do jornal O’Globo – vão permitir que os nossos filhos entrem na universidade.

Caladinho é cacete. Digo alto para vocês todos ouvirem: Depois de entrar na UFRJ (e por acaso fora do programa de cotas), meu filhão, negão, acabou de entrar agora na Universidade de Viena, lá na Áustria.

Na base do ‘você sabia’, pra economizar o google de vocês, em verdade em verdade vos digo: Trata-se de uma das mais antigas universidades do mundo, criada em 1365, quando o Brasil, tal como o conhecemos, nem sonhava existir – ou seu ‘descoberto’, como se diz – Os portugueses, por sua vez, nem tinham ainda, a mais vaga idéia de que invadiriam o Kongo um dia e que para cá trariam meus antepassados africanos que de sua parte, séculos e séculos adiante, teriam o meu filhão como descendente ilustre. Dá pra imaginar?

Só pra se ter uma idéia, vaga ao menos, da dimensão da quase ‘façanha’ do ex-pimpolho (nada tão difícil. Foi só ele descobrir que tinha este direito e correr atrás), na lista de celebridades e sumidades mundiais que ali estudaram e se formaram, só encontrei um brasileiro, assim mesmo de ascendência austríaca, o crítico literário e libertário incorrigível Otto Maria Carpeaux (Otto Karpfen antes de fugir dos nazistas para o Brasil ). Veja a lista que fiz assim, só numa zapeada na wikipédia:

Gustav Mahler (músico), Gregor Mendel (músico), Papa Pio III, Otto Preminger (cineasta), Wilhelm Reich (psicanalista), Bruno Kreisky (ex primeiro ministro austríaco), Kurt Waldheim (ex primeiro ministro e secretario da ONU), Stefan Zweig (escritor), Otto Maria Carpeaux (crítico literário naturalizado brasileiro), Jörg Haider (‘moderno’ e célebre político neo nazista austríaco).

Procurar quantos negros brasileiros estudaram ali é a pesquisa mais fácil deste mundo:
Com quase toda certeza nenhum.

Se você considera válido este tipo de parâmetro, raciocina (ou ‘se liga’): A Universität Wien é um dos templos mais bem acabados do que se pode chamar de ‘cultura branca’, cultura européia, saber hegemônico (se é que me entendem) e é lá que, unicamente por conta de seus inalienáveis direitos de cidadão do mundo (e não por conta de nenhuma meritocracia elitista) o meu filhão negão vai estar.

(Aliás, deixei o neo-nazista Jörg Heider como último da lista só pra lembrar que a Áustria é a terra onde nasceu o Adolf Hitler, o anti-cotista mais famoso da história (suas cotas eram as Cotas da Morte) que, como também indigitado Heider, deve estar se revirando no túmulo de saber que tem mais um negão (já há muitos africanos estudando lá, fiquem sabendo) lendo clássicos da literatura universal naquela biblioteca belíssima e gigantesca, como as dos filmes do Harry Potter (desculpe a referencia adolescente, mas foi a mais forte que me ocorreu)

(Se bem que, sofismáticos empedernidos como são, os impagáveis anti-cotistas do Brasil vão tentar descontruir toda esta minha alegria para esbravejarem pomposos – e engulindo em seco – que este meu exemplo é, isto sim, a prova mais cabal do mundo de que cotas raciais e ações afirmativas são ‘inócuas e desnecessárias’:

_ ‘Olha só o caso deste garoto do Spírito. Conseguiu ingressar numa das melhores unicersidades do mundo por seus próprios… méritos”

Mentira. Digo e afirmo na cara de vocês (deles, no caso, os racistas enrustidos que pululam por aí). O programa ao qual o meu filhão se habilitou, está inserido num conceito de intercâmbio entre universidades da União Européia com universidades do antigo Terceiro Mundo, que visa, entre outras coisas, democratizar o acesso à educação e ao conhecimento para jovens oriundos de países subdesenvolvidos ou – vá lá – em vias de desenvolvimento como o Brasil, contexto no qual países africanos (apinhados de negros) e latino americanos (apinhados de negros, de índios e disto e daquilo de quem dizem não serem ‘brancos o suficiente’ para merecer um lugar ao sol) são os maiores beneficiários (países de porte médio da região da União Européia como Portugal, Croácia, Polônia, etc. também entram nesta dança)

Um óbvio e claríssimo sistema de cotas, portanto. Uma prova – aí sim – cabal de nossa vergonhosa e anacrônica, atrasada e estúpida mania de ficar excluindo gente, omitindo gente, matando gente de forma egoísta, na base da ‘farinha pouca, meu pirão primeiro’.

Ah, ah, ah, anticotistas, racistas de plantão! A vocês só resta ficar arrotando por aí que se formaram pela PUC, que seus filhos vão estudar na PUC. Que a PUC, que a PUC, que a PUC… E daí? Coisa mixuruca. Quem liga mais para esta hegemonia onipotente, tão colonial?

Perderam! Perderam! Meu filhão negão escapou da sanha excludente de vocês que, agora e mais uma vez, não perdem por esperar. Outros muitos escaparão.

_”Achtung! Nicht verboten! Auf wiedersehen!

Spírito Santo
Abril 2010

Nei Lopes: “Consciencia Negra, modo de usar”


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Neo racistas do Brasil! Desuni-vos!

O artifício da ignorancia sabida tem sido a grande trincheira defendida pelos neo racistas brasileiros um grupo bem articulado de pessoas (cujos nomes nem vale mais a pena declinar), com muito transito na grande imprensa e que, no ensejo de combater as relativamente bem sucedidas campanhas por ações afirmativas para a população preta do nosso país – no âmbito desta ainda tão jovem democracia brasileira – enche jornais, revistas e livros de capciosas e requentadas teorias tergiversativas, mal alinhavadas sobre velhuscas idéias de sociologos (como Gilberto Freire, por exemplo), martelando a maquiavélica e improvável tese da inexistencia do racismo no Brasil.

Ignorancia sabida é aquela esperta estratégia do ‘João-sem-braço’ que, assim como quem não quer nada, vai envenenando, minando a resistencia dos mais influenciáveis, como um diabinho que buzinando o ‘Mal’ no nosso ouvido, tenta vender o peixe de que, o que parece ser o ‘Bem‘ não é lá tão bem assim.

Todo jovem excluído, segregado, apartado de seus direitos – e ainda sem saber exatamente porque – está sujeito à influencia nefasta deste tipo de intelectual do atraso, advogado do Diabo no pior dos sentidos.

Acho que foi para este jovem que nosso amigo Nei Lopes escreveu esta bula que reproduzo abaixo por sua aguda pertinencia:

————
Consciencia negra, modo de usar
(publicado originalmente em Nei Lopes/Meu lote)

(Fechando a tampa das discussões do mês)

Quando te disserem que você quer dividir o Brasil em “pretos” e “brancos”, mostre que essa divisão sempre existiu. Se insistirem na acusação, mostre que, neste país, 121 anos após a Abolição, em todas as instâncias, o Poder é sempre branco. E que até mesmo como técnicos de futebol ou carnavalescos de escolas de samba, os negros só aparecem como exceção.

Quando, ainda batendo nessa tecla, te disserem que o Brasil é um país mestiço, concorde. Mas ressalve que essa mestiçagem só ocorre, com naturalidade, na base da pirâmide social, e nunca nas altas esferas do Poder. E que o argumento da “mestiçagem brasileira” tem legitimado a expropriação de muitas das criações do povo negro, do samba ao candomblé.

Quando te jogarem na cara a afirmação de que a África também teve escravidão, ensine a eles a diferença entre “servidão” e “cativeiro”. Mostre que a escravidão tradicional africana tinha as mesmas características da constituição em outras partes do mundo, principalmente numa época em que essa era a forma usual de exploração da força de trabalho. Lembre que, no escravismo tradicional africano, que separava os mais poderosos dos que nasciam sem poder, o bom escravo podia casar na família do seu senhor, e até tornar-se herdeiro. E assim, se, por exemplo, no século XVII, Zumbi dos Palmares teve escravos, como parece certo, foi exatamente dentro desse contexto histórico e social.

Diga, mais, a eles que, na África, foram primeiro levantinos e, depois, europeus que transformaram a escravidão em um negócio de altas proporções. Chegando, os europeus, ao ponto de fomentarem guerras para, com isso, fazerem mais cativos e lucrarem com a venda de armas e seres humanos.

Diga, ainda, na cara deles que, embora africanos também tenham vendido africanos como escravos, a África não ganhou nada com o escravismo, muito pelo contrário. Mas a Europa, esta sim, deu o seu grande salto, assumindo o protagonismo mundial, graças ao capital que acumulou com a escravidão africana. Da mesma que forma que a Ásia Menor, com o tráfico pelo Oceano Índico, desde tempos remotos.

Quando te enervarem dizendo que “movimento negro” é imitação de americano, esclareça que já em 1833, no Rio, o negro Francisco de Paula Brito (cujo bicentenário estamos comemorando) liderava a publicação de um jornal chamado O Homem de Cor, veiculando, mesmo com as limitações de sua época, reivindicações do povo negro. Que daí, em diante, a mobilização dos negros em busca de seus direitos, nunca deixou de existir. E isto, na publicação de jornais e revistas, na criação de clubes e associações, nas irmandades católicas, nas casas de candomblé… Etc.etc.etc.

Aí, pergunte a eles se já ouviram falar no clube Floresta Aurora, fundado em 1872 em Porto Alegre e ativo até hoje; se têm idéia do que foi a Frente Negra Brasileira, a partir de 1931, e o Teatro Experimental do Negro, de 1944. Mostre a eles que movimento negro não é um modismo brasileiro. Que a insatisfação contra a exclusão é geral. Desde a fundação do “Partido Independiente de Color”, em Cuba, 1908, passando pelo movimento “Nuestra Tercera Raíz” dos afro-mexicanos, em 1991; pela eleição do afro-venezuelano Aristúbolo Isturiz como prefeito de Caracas, em 1993; pelo esforço de se incluírem conteúdos afro-originados no currículo escolar oficial colombiano no final dos 1990; e chegando à atual mobilização dos afrodescendentes nas províncias argentinas de Corrientes, Entre Rios e Missiones, para só ficar nesses exemplos.

Quando, de dedo em riste, te jogarem na cara que os negros do Brasil não são africanos e, sim, brasileiros; e que muitos brasileiros pretos (como a atleta Fulana de Tal, a atriz Beltrana, e o sambista Sicraninho da Escola Tal) têm em seu DNA mais genes europeus do que africanos, concorde. Mas diga a eles que a Biologia não é uma ciência humana; e, assim, ela não explica o porquê de os afrobrasileiros notórios serem quase que
invariavelmente, e apenas, profissionais da área esportiva e do entretenimento. E depois lembre que a Constituição Brasileira protege os bens imateriais portadores de referência à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira e suas respectivas formas de expressão. E que a Consciência Negra é um desses bens intangíveis.

Consciência Negra – repita bem alto pra eles, parafraseando Leopold Senghor – não é racismo ou complexo de inferioridade e, sim, um anseio legitimo de expansão e crescimento. Não é separatismo, segregacionismo, ressentimento, ódio ou desprezo pelos outros grupos que constituem a Nação brasileira.

Consciência Negra somos nós, em nossa real dimensão de seres humanos, sabendo claramente o que somos, de onde viemos e para onde vamos, interagindo, de igual pra igual, com todos os outros seres humanos, em busca de um futuro de força, paz, estabilidade e desenvolvimento.

Nei Lopes

Orfeu Negro- Marcel Camus


No tempo em que sambávamos feito passarinhos.

http://m.youtube.com/playlist?list=PL5D95F8EE5E6F26A8&desktop_uri=%2Fplaylist%3Flist%3DPL5D95F8EE5E6F26A

Assisti o filme Orfeu Negro do Marcel Camus ainda criança. Revi agora e chorei feito criança, de novo. Saudosismo sim. Saudade de como éramos crianças felizes naquela pobreza mansa dos anos 50/60, na otimista virada do pós guerra.

Só pelo jeito diferente, leve, livre e solto – quase a voar como passarinhos – como a gente sambava dá pra ver como éramos felizes e não sabíamos.

Se você não se emocionar é porque já embruteceu de vez, neste Brasil estúpido em que nos tornamos, deixando crianças morrerem pelas ruas como pardais doentes.

Nego Beijo fugido enfim veio à luz



Creative Commons License
Benjamim de Oliveira e o drama do circo-teatro no Brasil

Cartaz Benjamim Spinelli copy

‘Prospecto’ de divulgação do Circo Spinelli. A legenda abaixo da foto é um texto inserido por José Ramos Tinhorão de cujo livro “Cultura Popular: Temas e Questões” a ilustração foi extraída

Benjamim de Oliveira e o drama do circo-teatro no Brasil

Você talvez nunca tenha ouvido falar do cara. Se é um garoto ou uma garota posmoderna então, hum…nem pensar.

Para você – no caso de ainda ser um garoto e na Internet ao que parece, quase todo mundo é ou pensa ser garotão – Circo é uma coisa bem remota, uma forma de entrenimento arcaica que você pouco frequentou, assistiu duas ou três vezes, se muito, por aí.

Você se lembra até de alguns nomes, mas pouca coisa: Orlando Orfei, Beto Carrero World, Circo Garcia, Circo de Moscou, Bozo…. (espera aí. Bozo não, né? Não vale. Bozo é coisa de televisão)… em suma, evocações um tanto ou quanto bregas sim, com certo cheiro de mofo, mas daquele mofo bom, como cheiro de roupa velha com naftalina, um clima assim do tempo da vovó ou – para os mais taludinhos de idade – da mamãe, do papai, do titio…

Circo. Aquela coisa mágica e vaga meio ‘Luzes da Ribalta’, da qual a gente se lembra só de relance, uma musiquinha de charanga ao longe, peidos, arrotos e estrepolias de palhaços mímicos, pombinhas de prestidigitador voando para não sei onde, a trapezista gostosa, a pipoca, além daquela sensação um tanto ou quanto triste, que marcou o enredo de uma história mítica, trágica, soando de relance nas memórias de infância dos mais velhos como eu (já sabe qual é? Já ouviu também? quem foi que te contou? Um tio suburbano, com certeza, alguém assim, das antigas, de quem você nem se lembra mais).

É gente, Circo também é tabu e mistério. Sabiam que tem gente que nunca foi ao Circo quando criança por que a mãe ganhou pavor da possibilidade do Circo ser consumido pelas chamas. Sim, sim! É esta a história mítica. Pode deixar que eu conto:

Foi tudo por causa daquele acidente no Gran Circus Norte-americano em 1961 em Niterói, aquele que pegou fogo e no qual foram ceifadas muitas vidas, entre as quais, segundo algumas fontes, toda a família do maluco-beleza mais famoso do Rio de Janeiro (quiçá do Brasil), o velho e bom mendigo-riponga Profeta Gentileza, que teria enlouquecido no lance do incêndio do Circo.

Espera aí…Você sabe quem é o Profeta gentileza, não sabe? É. este mesmo. O cara que escreveu esta máxima escrita aí na sua camiseta (ou na de algum amigo teu):

“GENTILEZA GERA GENTILEZA”

As letras carinhosamente grafadas à mão, coloridas, com cuidadosas serifas estampadas em pilares de viadutos e muros, como pichações do bem, feitas por um cara do século passado, carregando tábuas da lei com sábios mandamentos (na verdade até que meio piradões), um personagem com um que de Che Guevara pacifista ou de um Bin Laden às avessas, que já se encaminha para virar um ícone de um boapracismo improvável que – para os mais ingênuos – estaria embutido na moderna – e quiçá olímpica – alma do Brasil.

Pois sim…

Mas é isto mesmo, todos nós temos o nosso remoto circo íntimo, cheio de artistas fantásticos, um circo de vícios infantis que nos evoca as mais remotas lembranças, mas que também lança a gente para uma dimensão sem beira, sem rede, na qual o tempo pode ser qualquer coisa em qualquer ocasião, até mesmo um futuro longínquo, bem a frente de nós.

Viu só o que é o que é? Circo e Teatro. Tudo junto e misturado: Drama.

Agora a ficha caiu. Certo?

Então vamos em frente: O nome do Cara de quem eu falava lá em cima é, pois, como vocês já sabem, Benjamim de Oliveira que foi – garanto sem nenhum exagero – como ator, encenador e dramaturgo, um dos principais criadores do teatro popular do Brasil.

Está certo. Você é ainda daqueles que acha que o Cirque de Soleil é o suprassumo da modernidade circense e nada há que se acrescentar a respeito. Circo-Teatro! Diria até você, com pompa e circunstancia.

Eu também acho, mas conhecendo a história de Benjamim você vai descobrir já já que sem ele – também um dos principais inventores deste lance de Circo-Teatro – o Cirque de Soleil, de vero de vero, nem existiria. Sim, sim. Benjamim de Oliveira, no início do século 20, já era O cara nesta praia.

(O que você não esperava mesmo é que depois deste preambulo cheio de salamaleques eu informasse que desta história não conto mais nadica, pois, vou ter que deixar o resto para contar bem depois).

Foi mal, mas também não há nada de mais nisto. É até bom porque assim você pode partir logo, avidamente para a busca do google, atrás de mais e mais informações sobre esta história d’O Cara.

Emocionante não é? E, melhor ainda: a linkagem é livre rapeize e a rede, por enquanto, é nossa.

É que o ensejo deste post é apenas informar só de leve que a Funarte acaba de divulgar os vencedores do Prêmio Myrian Muniz de Teatro iniciativa que viabiliza projetos de pesquisa teatral em todo o país (86 projetos foram desta vez premiados no Brasil).

Pois é isto: No conjunto de premiados está o projeto… tcham, tcham, tcham, tcham!.. “Benjamim de Oliveira e o drama do circo-teatro brasileiro” da Cia Richard Riguetti / Grupo OffSina – dos caríssimos Richard Riguetti e Líliam Moraes.

O que é que eu tenho a ver com isto? Fácil explicar: Com o Richard – que como Benjamim é um ator-palhaço da pesada – trabalhei na Obra Social da Cidade do Rio de Janeiro, atendendo crianças do chamado Complexo do Lins (‘complexo’ como vocês sabem, é o eufemístico coletivo de favelas).

Ocorre que o Richard leu (aqui mesmo no Overmundo se não me engano) aquela peça jamais encenada deste autor que vos fala denominada Exu Chibata que tenta mesclar assim, ainda por alto, a estética do CircoTeatro de Benjamim de Oliveira, no embalo de contar a história de João Cândido, o herói da Revolta da Chibata (de quem Benjamim foi contemporâneo).

Ligando o nome à pessoa

Benjamim de OLiveira Moliére

Benjamim de Oliveira caracterizado como ‘francês’ em encenação em peça de Molière

Imagine você que nos dias da revolta do Almirante Negro, Benjamim – O ‘Nego Beijo’ como era chamado quando guri – encenava no Circo Spinelli uma peça chamada “A Vingança do Operário‘ (que eu, com toda certeza agora sei – e um dia destes conto pra vocês porque-  sempre achei que tinha algum fundo anarquista, proto comunista, essas coisas libertárias próprias daquela época, por aí).

Não deu outra: orgulhosamente (e aí, neste caso, me perdoem a imodéstia, por favor) o que ocorreu foi que, por conta destas oportunidades, acabei fazendo parte da alentada e premiada equipe do referido projeto, na qualidade de responsável pela dramaturgia do futuro espetáculo, que será baseada, principalmente, no excelente livrotese de Ermínia SilvaBenjamim de Oliveira e a Teatralidade Circense no Brasil” (veja nota abaixo).

Bacana demais, não é não?

Além de Ermínia Silva alguns poucos abnegados já se dedicaram ao resgate da obra de Benjamim, invariavelmente subestimado pela crítica e a imprensa mais ligeira como um reles palhaço que, por acaso era ‘negão’.

O diretor catarinense João Siqueira, saudoso amigo falecido na década de 90, especialista em teatro de rua e seguidor apaixonado do teatro de Benjamim, fez um maravilhoso trabalho – para variar pouco difundido, quase inédito até hoje – sobre o ‘Palhaço Negro‘, estimulado por uma bolsa para pesquisa fornecida pela Rioarte.

Em boa hora se volta a falar de Benjamim, portanto, em todos os sentidos, até porque em 2010 fazem 140 anos do seu nascimento. O tema vai dar, é claro, panos para muitas outras mangas e posts.

Dito isto peço então mil perdões por deixá-los chupando dedo desta vez, mas é que tudo começa mesmo a ser construído agora, como sempre foi e sempre será com as companhias de circo reais: Trabalho de equipe.

Contudo, para não perder mais do que já perdi da minha reserva de amigos leitores, deixo como tiragosto para a rapaziada o texto que escrevi para servir de justificativa do projeto tal como foi enviado para o concurso, e o qual pretendo seguir, na medida do possível, à risca na construção da dramaturgia e em tudo que me competir:

O bom é que enfim, da escuridão do mortiço panteão de nossos heróis da invisibilidade, Nego Beijo está vindo devagarinho à luz. Esvaziem o picadeiro, por favor, porque, assomando às coxias frias da vida de menino fugido e ex-quase-escravo, vindo, vindo, com vocês, o inquestionável… o inigualável… o espetacular ator e clown…

Benjamim de Oliveira!

———————

(Texto-Justificativa do projeto “Benjamim de Oliveira e o drama do circo-teatro brasileiro” – Prêmio Myrian Muniz de Teatro 2009)

“E o palhaço Benjamim, o que é?

(Spírito Santo)

No ensejo de abordar a interessantíssima linguagem dramatúrgica desenvolvida no Brasil sob a quase redundante denominação de Circo-Teatro (peculiar movimento artístico cujo auge se deu nas primeiras décadas do século 20) esta proposta – não mais ainda que uma alentada pesquisa – em linhas muito gerais pode enveredar por sinuosos e interessantes caminhos.

Entre estes, podemos destacar – já propondo um caminho em especial – a existência de um conflito básico, nuclear mesmo, que poderia ser o ponto de partida, o ‘start’ desta dramaturgia sugerida.

Este caminho é o das diversas dicotomias perceptíveis na relação entre o Circo (o seu contexto, visto como um micro-cosmo, uma célula social) com a sociedade real, vista como um sistema de valores e realidades que este Circo contextualizado, ainda que simbolicamente, visa questionar.

O Circo como espaço delimitado, restrito no qual a sociedade convencional ‘dramatizada’, será ‘ridicularizada’ ‘ criticada’, vilipendiada’ questionada enfim, sempre de forma lúdica e sutil (e, de modo algum, maniqueísta), como farsa, drama ou comédia.

No bojo destas dicotomias (contradições no sentido dramático do termo) pode ser inserido também o conflito social latente ocorrido entre as inúmeras e estratificadas relações historicamente estabelecidas entre artistas emigrantes e platéia nacional, artistas nômades e platéia sedentária, em oposição à utopia da sociedade ideal simbolizada pela circunscrição – o território do Circo romântico-, o espaço de íntima felicidade sonhado por todos nós, sem grandes hierarquias, sem distinções raciais, uma comunidade-família aparentemente libertária e feliz.

Pelo lado assim mais técnico da proposta, observando-se ainda grosso modo a natureza da linguagem do gênero em especial, se poderia acentuar também a existência no Circo-Teatro de certo grau de ‘antropofagia’, certo diálogo estético e dramatúrgico que o gênero estabelece com algumas das linguagens e mídias mais em voga na época em que se dá o auge do fenômeno (início do século 20) época de grande efervescência cultural e artística, contrapontuada por grandes conflitos sociais, elementos que as artes cênicas de maneira geral – e o Circo-Teatro de maneira concreta – muito soube aproveitar.

É importante inclusive se ressaltar que este caráter antropofágico, sendo a chave mais evidente da bem sucedida vocação do gênero Circo-Teatro para se expressar, por meio da utilização integrada de técnicas e estéticas francamente ligadas à contemporaneidade daquela época, continua a ser a regra principal a ser seguida hoje, quando – de forma talvez mais intensa ainda do que na virada do século 19 para o 20 – o conceito Diversidade, em todos os sentidos, é um valor claramente predominante.

Pode-se sugerir assim a associação de todos estes ganchos dramatúrgicos atemporais aos elementos estéticos mais aparentes da chamada Belle Époque, do Cinema Mudo, da Mímica e da Pantomima, linguagens seminais do Circo-Teatro que encaminham o eventual espetáculo resultante desta pesquisa, no âmbito de um teatro essencialmente imagético no qual, por exemplo, as falas não serão exatamente fundamentais, ampliando as possibilidades de se ocupar diversos tipos de espaços cênicos, com muita movimentação cenotécnica.

O eixo dramático principal da proposta envolveria incidentes da vida do famoso ator-palhaço Benjamim de Oliveira, figura por muitas razões emblemática no âmbito de todas estas dicotomias citadas.

Descendente de negros da África – quase um estrangeiro – Benjamim é um ex-escravo que se torna inteiramente livre ao fugir para um circo, para se tornar mais tarde, um famoso ator especializado na representação de folhetins do branco europeu Molière, um dos responsáveis, portanto pela afirmação de um modo aculturado de representar e encenar Teatro muito peculiar no Brasil.

Neste mesmo sentido primordialmente imagético, a proposta sugerida aqui visa, portanto ressaltar certas formas e maneirismos não só do Circo-teatro (implantado no Brasil por artistas geniais como o citado Benjamim de Oliveira, Spinelli e Eduardo das Neves), mas também do teatro atual, referência talvez fundamental para que se abra também o leque da proposta para elementos dramatúrgicos mais modernos, próprios desta contemporaneidade almejada.

——————

Notas finais:

– Ermínia Silva é mestra em História pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutora em História da Cultura pela Universidade Estadual de Campinas (2003). É autora de “Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil”, editado em 2007, pela Editora Altana.

-O livro de José Ramos Tinhorão do qual a ilustração principal deste post foi extraída, chama-se ‘Cultura Popular: Temas e Questões’ publicado pela Editora 34, São Paulo em 2001.

– A foto do ator caracterizado de índio reproduzida acima é de 1908. Nela vemos Benjamim de Oliveira tal qual foi foi filmado no Circo Spinelli pela Photo-Cinematographica Brasileira de Antonio Leal e José Labanca. Essa foi a primeira filmagem de adaptação de um romance brasileiro com câmara móvel: “Os Guarups” , pantomima inspirada em ‘O Guarani” de José de Alencar, adaptada por Benjamim, na qual ele fazia o papel de Peri.

Spírito Santo
Outubro 2009

https://spiritosanto.wordpress.com/wp-admin/post.php?action=edit&post=2461#

NOTA ESSENCIAL E URGENTE:

(De fato era bom demais para ser verdade)

Me vejo por dúvidas de  desgradáveis vias obrigado a rever alguns de meus conceitos expressos acima e desdizer algumas de minhas empolgadas palavras. Sou agora o dramaturgo… desconvidado deste projeto. Saiba alguns dos detalhes (nestas horas tem coisas que a gente se envergonha de contar de público) neste link  :https://spiritosanto.wordpress.com/2010/03/13/dramaturgia-de-uns-e-outros-2/

Cinema em Branco & Preto -Take 01


Creative Commons LicenseTodo o conteúdo deste blog está assegurado sob uma licença Criative Commons

Imagem popular: Visibilidade zero

(Exterior/Noite)

Entre outras e mais dramáticas consequências, a pobreza continuada e generalizada, na qual se permite que viva grande parte de nossa população, criou para a mídia do Brasil uma espécie de perturbadora “impropriedade estética”, causada pela contradição evidente entre a imagem real de povo não-branco, que efetivamente somos, e aquela imagem virtual, manipulada por intermédio de diversos artifícios, que insistimos em propalar para mundo como sendo o nosso look ideal.

Por que nos espaços da mídia (vista aqui como o conjunto de mecanismos de difusão social e cultural independentes) o Brasil aparece sempre assim, mascarado, fantasiado de uma outra coisa que não é ele mesmo?

Acreditem, esta não é uma conversa de filigranas ou irrelevâncias. Visibilidade é um axioma midiático por excelência, já que, a rigor, se um fato ou problema está invisível é porque ele não está acontecendo ou simplesmente jamais existiu.

Envergonhada talvez de nossa imagem real, nossa mídia – expressão mais evidente da maneira peculiar que a gente tem de olhar a nossa própria cara em espelhos simbólicos – tem demonstrado persistente intenção de falsear, justamente, o signo essencial de nossa personalidade: nosso biotipo, a cor de nossa pele, os traços físicos mais marcantes, aquela face original que todo povo que se preza costuma assumir como orgulho nacional e patrimônio estético irretocável.

Racismo é pouco – e vago – para definir esta estranha disposição de nossos meios de difusão cultural para, sub-repticiamente, ir sabotando a nossa autoimagem. Que diabo de paranóia seria esta? Por que ficar durante séculos como uma espécie de “país michael jackson”, tentando esconder debaixo de um tapete pra lá de puído o perfil mulato inzoneiro da maioria de nossos charmosos habitantes? Seríamos uma sociedade acometida por uma espécie de vitiligo moral?

Você viu quantas vezes, nos livros escolares, a cara do João Cândido, o almirante negro da Revolta da Chibata, um herói brasileiro tão ou mais significativo do que aquele tristonho alferes Tiradentes? E a cara do negro Oswaldão, aquele líder militar da guerrilha do Araguaia (se é que você sabe o que foi isto), aquela revolta que deu errado mas que contribuiu para a escalação de alguns de seus sobreviventes (a maioria já caída em desgraças éticas, é verdade) para o primeiro escalão do atual governo do país?

Como se poderá forjar um verdadeiro orgulho nacional, amor à pátria, sem a ampla difusão da imagem destes heróis de nossa nacionalidade, tenham lá a cor que tiverem?

Não se pode negar que, no âmbito de nossa mídia ligeira, aquela voltada para o jornalismo superficial e comezinho do dia a dia, o merchandising rasteiro, o jingle espirituoso, o outdoor de subúrbio, alguns traços, ainda que tímidos, de nosso perfil étnico têm aparecido.

Neste jornalismo ligeiro predomina, infelizmente, uma defensiva e, apesar de justificável, raivosa depreciação do outro. A pauta, como sempre, tem sido aquele rol de personagens não-brancos, atores eternos e subalternos de nossas piores mazelas, da violência urbana, do crime “organizado”, do jovem traficante armado com um fuzil de guerra, bandido assassino, defendido pela jovem favelada de shortinho leg, com o bebê no colo, aquela que jogava pedras no poder público, como uma louca, até o grand finale: a hollywoodiana imagem da carcaça retorcida de um ônibus em chamas (antes de haver o poder SS das milícias, é claro).

Para distensionar os ânimos e os espíritos, no restante desta mídia ligeira, nos anúncios de magazines femininos, nos programas de fofocas televisivas, nos outdoors etc. é concedido mais espaço a aspectos, digamos assim, arejados e mundanos: belas mulatas – geralmente sós –, jovens negros musculosos – acompanhados por falsas louras desinibidas – mulatos, morenos, morenas (muitas morenas), diversas imagens “etnicamente corretas”, no fundo apenas apelativas, porque subliminarmente tendem a associar raça negra e mestiçagem a sexo aberrante, como anúncio de açougue light, animalizando o Outro, do mesmo modo como se fazia no tempo da escravidão. É coisa de gente normal, isso?

Câmera discreta

Estereotipando e generalizando na sua cobertura sobre o dia a dia do Brasil real, os aspectos mais exteriores de nossa dramática questão social – muitas vezes de maneira histérica e sensacionalista –, tornando desta forma totalmente invisíveis todos os outros aspectos positivos, o cotidiano e a cultura das pessoas não-brancas deste país, nossa mídia nada mais faz do que propaganda de guerra, incitando a opinião pública normal contra o outro, o anormal, mais ou menos como o fez a imprensa standard de Bush, justificando bombas e barbaridades na invasão e na ocupação do Iraque.

Seriam cidadãos americanos os nossos brancos normais? Seriam anormais fedayns iraquianos os nossos marginais não-brancos? Claro que não.

Como agravante, naqueles aspectos sociologicamente mais profundos que caracterizam a aceitação de nossa imagem nacional efetiva, não é difícil detectar-se a existência daqueles sutis artifícios usados para identificar e separar as coisas apropriadas para serem mostradas, daquelas que devem ser cuidadosamente maquiadas, editadas ou, simplesmente, escondidas dos olhos das pessoas “de bem”.

Um conjunto de elementos estéticos, que são fashion, style, low profile, positivos em suma ou que, simplesmente, funcionam, isolado de um outro conjunto de coisas que não devem ser mostradas, de jeito nenhum (a não ser em ocasiões socialmente corretas), porque são down, feias, incômodas e que, do ponto de vista comercial são, portanto negativas, não funcionam, sendo impróprias ao consumo – ou não recomendadas – aos olhos daqueles indivíduos considerados normais.

E quem seriam neste contexto tão patologicamente televisivo os normais do Brasil? São aqueles 30% que estão em pleno gozo de seus direitos de renda e cidadania, gente que, até prova em contrário, é predominantemente branca, beneficiária, como vimos, de um sistema de cotas firmemente assentado em mais de 500 anos de exclusão e invisibilização do Outro.

A questão básica portanto passa a ser: por que, no contexto desta separação entre aqueles que têm daqueles que não têm – uma separação que, apesar de odiosa, poderia ter como atenuante o fato de ser naturalmente apenas social – o componente étnico, racial é tão determinante? Será inteligente (para não dizer justo ou correto) insistir numa imagem nacional tão despudoradamente falsa como esta que nossa mídia difunde, uma imagem calcada no perfil étnico dos brancos, tornando virtualmente invisível todos os, digamos, 70% restantes de não-brancos?

Afinal, serve para que a imagem daquele olhar constrangido do crioulinho magrelo, que tenta fazer malabarismo no sinal fechado? O que podemos fazer com esta imagem tão perturbadora senão deletá-la de nosso HD emocional, assim que o sinal se abrir? Não seria porque ela, do jeito como a tratamos, não serve para vender nada, senão a nossa brasileiríssima iniquidade?

Deve ser por isso que, do ponto de vista estritamente imagético, daqueles registros sobre nós mesmos que legaremos à posteridade, a maioria esmagadora dos elementos culturais, por exemplo o teatro, a literatura, as telenovelas etc., continuam a ser, ad infinitum, simbolizados na maior parte das vezes, por personagens e atores do perfil étnico hegemônico.

Na literatura, entre a mais recente exceção à regra – Paulo Lins – e a última já se vão mais de um século. Antes de Cidade de Deus, a última foi aquela que narrava a pungente dicotomia entre a luz e a escuridão, representada pelo simbólico conflito ideológico latente, na obra de dois de nossos maiores escritores, ambos negros: Machado de Assis, aquele que ascendeu na sociedade branca tornando literariamente invisível, de forma brilhante, sua própria negritude, e Lima Barreto, aquele que, ao contrário, morreu louco tentando iluminar, de forma não menos brilhante, a sua (e a nossa) própria condição racial e suburbana, em emocionados romances.

E é nesta angustiante dicotomia, entre a luz e a sombra, que vai vivendo a nossa vacilante, vadia e, por isto mesmo, tão cinematográfica alma brasileira.

(Uma confortável cadeira será necessária para assistir um pouco mais deste drama nos takes 02 e 03 desta história meio ‘film noir’. Desliguem os celulares, por favor)

Leia neste link o post 02 desta série:

Spírito Santo
Dez 2008

(Parcialmente publicado em O Observatório da Imprensa em 14/05/2003 e, posteriormente em www. overmundo.com.br)

CINEMA EM BRANCO & PRETO / take 3


Todo o conteúdo deste blog está assegurado sob um licença Criative Commons
Creative Commons License

(Leia também os takes 01 e 02 )

Negativo revelado

”Um historiador chamou o período silencioso no cinema no Brasil (introduzido em 1898 pelo italiano Affonso Segretto) de “a bela época do cinema brasileiro”, dada a quantidade e diversidade da produção. …mas do ponto de vista do negro brasileiro, isso conta muito pouco. O cinema mudo coincide exatamente com o período áureo das teorias racistas, quando as religiões afro-brasileiras eram perseguidas pela polícia, e os mulatos claros usavam pan-cake para parecer brancos. Houve portanto poucos registros de negros em documentários.

Apesar da patente invisibilidade do negro nos documentários de nosso período silencioso, aludida e lamentada aqui por João Carlos Rodrigues, talvez já se tenha dito, anteriormente, que a rigor não pode ser considerada, de modo algum, incipiente- ou mesmo insuficiente – a presença da imagem do negro no cinema brasileiro de ficção.

Já nas imagens inaugurais desta nossa cinematografia ‘posada’, o negro estava lá, de alguma forma impresso. A lista de filmes é extensa, a ponto de podermos afirmar, com razoável convicção que, do ponto de vista essencialmente imagético, nunca houve, exatamente, racismo no cinema brasileiro.

Não conheço ninguém que tenha assistido, sequer a um fotograma do documentário (um docudrama talvez) “A vida de João Cândido, o marinheiro“, realizado segundo as poucas fontes disponíveis em 1912, com direção de Carlos Lambertini e, sabe-se lá talvez, inspirado no O encouraçado Potenkim’ filme clássico de 1906, realizado pelo russo Sergei Einsenstein.

Por conta da insuficiência de fontes aliás, o filme sobre João Cândido, acabou se confundindo com o documentário ‘A revolta da Esquadra’ também identificado como sendo de 1912, sensacional furo jornalístico do cinegrafista Alberto Mâncio Botelho (único fotógrafo a conseguir entrar no encouraçado Minas Gerais, nau capitânia da Revolta) que conseguiu entrevistar João Cândido líder dos amotinados da Marinha de Guerra, contra os castigos corporais.

É lícito se supor inclusive, que a maioria – senão todas – as imagens disponíveis hoje deste grande momento da história do Brasil, tenham sido registrados pelas câmeras deste grande precursor do documentarismo brasileiro que foi Alberto Mâncio Botelho.

Pois saibam que “A vida de João Cândido, o marinheiro” foi o primeiro filme censurado e proibido no Brasil por motivos políticos (certamente junto com o ‘Revolta da Esquadra’ de Botelho). A engrandecê-lo mais ainda, o fato de ter sido também o primeiro filme de ficção, no qual o negro apareceu como protagonista de sua própria história (não se tem a informação se os atores eram brancos pintados. Vamos acreditar que não).

…”Os atores (no tempo do cinema mudo no Brasil) ainda eram brancos pintados, como os minstrels americanos. Esse costume persistiu até bem mais tarde. No cinema, o verismo exige negros verdadeiros, e assim surgiram os primeiros atores profissionais, vindos dos palcos : Grande Otelo, Pérola Negra, Chocolate – os pseudônimos já ostentam a etnia, informando antes mesmo da própria imagem do intérprete. Mas seus personagens não cresceram de importância.”

Caras imagens esparsas de filmes invisíveis.

Além do imperdível ‘Encouraçado Potenkim’, alguns de nós já assistiram, contudo a pelo menos algumas das impactantes imagens de ‘O Nascimento de uma nação’ (The Birth of a nation ou, originalmente, The Clansman) de David Llewelyn Wark Griffith (D. W. Griffith), talvez a mais veemente propaganda racista já exibida pelo cinema, lançando as bases para a recriação da organização terrorista Ku Klux Klan, grupos de brancos que promoveram muitos linchamentos e enforcamentos de afro-americanos nos Estados Unidos.

Embora o filme de Griffith tenha sido um divisor de águas, lançando revolucionárias técnicas para a linguagem cinematográfica do futuro, surpreendentemente, no plano ideológico, estas imagens, ao que tudo indica, não tiveram relação direta alguma com o tema da invisibilidade do negro na mídia brasileira (no cinema inclusive).

As controversas ideias levantadas pelo filme, lançado no já distante ano de 1915, parecem ter somente entre nós – guardadas as devidas proporções – alguns tardios adeptos, veementes opositores das políticas de cotas e ações afirmativas no Brasil, cujo pensamento, ainda que de forma simbólica, pode ser alinhado com este emblemático trecho da sinopse do filme de Griffith publicada pela Wikipédia:

…”A controvérsia que o filme causou gira em torno da premissa de que a primeira Ku Klux Klan restauraria a ordem no sul do pós-guerra, que estaria “ameaçado” por afro-americanos “incontroláveis” e seus aliados: abolicionistas, mulatos e republicanos do norte.”

O fato é que, navegando num mar encapelado de preconceitos estéticos ligados ao biotipo de nossa população, não sabemos ainda a que atribuir esta hospitaleira ilha de diversidade cultural, este inesperado apego, quase fraterno, sempre existente em nosso cinema de ficção pela imagem do povo e do negro, em particular.

Atraído pela imagem de negros e despossuídos, tanto quanto pela pitoresca e dura vida de nossa população ‘carente’ em geral (cujos temas estão sempre presentes nos roteiros, desde os primórdios), este cinema foi sempre bastante popular (ou popularesco), desde a escolha de seus story lines, baseados desde o início em rumorosos casos que eletrizaram a maioria da população, sendo protagonizados por pessoas comuns, até a franca adoção de um conceito de ‘casting’ sem preconceitos biotípicos ou raciais aparentes.

Talvez a pista mais importante desta solidariedade do Cinema para com a imagem do negro do Brasil, a despeito do deslavado racismo das outras mídias, deva ser buscada em outras plagas, bem mais próximas de nós: A colônias italianas do Rio de Janeiro e São Paulo.

Com efeito, ao nos debruçarmos sobre a bases que formaram o nosso cinema, esbarraremos, fatalmente, numa lista enorme de ‘carcamanos’ emigrantes, gente simples, humilde e empreendedora que, construiu aqui praticamente tudo que precisávamos para ter cinema brasileiro.

De Paschoal, Gaetano, Alfonso e João Segreto, passando por Paulo Benedetti até Rogério Sganzerla, são centenas os nomes de italianos e ítalo-brasileiros envolvidos na arte de fazer filmes no Brasil, inventando equipamentos, processos fílmicos, dirigindo, cinegrafando ou atuando, a importância destes europeus na fundação de nosso cinema foi decisiva.

Empreendedorismo, pitadas de Anarquismo, de Comunismo, Socialismo e, logo mais adiante, Neo realismo, eis o que seriam as lentes abertas para a negritude em nossa cinematografia.

“ Fita apreendida

No dia 27 de junho de 1926 o jornal O Estado de S. Paulo publica uma matéria intitulada Exploração ignóbil. Um filme deprimente para o Brasil preparado pela companhia Dramática da Atriz Italia Almirante. A longa reportagem relata a apreensão de um rolo de filme com cerca de 150 metros cenas de batuque que foram feitas no Jardim da Aclimação, supostamente passadas numa senzala de uma fazenda de um nababo português.

“Em certo ponto, um artista não se contem e, por pilhéria, arrebata uma pretinha e sai com ela, dançando. Os dançadores se alvoroçam e o chefe do batuque separa o par, com ar feroz. Mas isso não o satisfaz e para vingar-se vai ao grupo de artistas, tira uma atriz e sai com ela, a dançar. Embalde os colegas tentam arrancá-la daqueles braços, da sanha daquela multidão andrajosa, suada, de catadura hedionda. Estabelece-se a luta.

E, aos gritos de toda a gente, aparece o fazendeiro, de botas, chapéu largo de cowboy, um tipo anacrônico, que arrebata a moça das mãos do preto, atira por terra o agressor e corta-o de rebenque, surdo às imprecações feitas de joelho. Enquanto o companheiro apanha os pretos fazem esgares de pavor”.

         (Em ‘Italianos no cinema brasileiro’ artigo de Márcio Galdino)

Positivo velado

Amir Labaki escreve:…”Numa conversa com Vinícius de Moraes, que o guiava para conhecer uma favela no Rio de Janeiro, Orson Welles fez um comentário sobre o que via, direto e profético:

_ “É um Frankenstein. É um monstro que vai se voltar contra vocês.”

Havendo sido criado por volta de 1940, pelo governo brasileiro o Dia da Raça, no qual se criava o conceito algo eugenista da fusão harmônica de ‘três raças tristes’ (brancos, negros e índios, nesta ordem), havia uma intenção oficial de difundir a imagem de que o país era habitado, principalmente, por brancos, com uma taxa mínima de negros e mestiços (intenção a rigor, válida até os nossos dias, notadamente, entre racistas enrustidos)

Foi este, sem dúvida, um dos principais fatores que contribui para a ditadura Vargas acionar o Departamento de Estado Americano e provocar a interrupção do documentário It’s all true, que o festejado cineasta Orson Welles realizava no Brasil em 1942, descrevendo, principalmente, a saga de um grupo de jangadeiros liderados por um homem chamado ‘Jacaré’, do Ceará ao Rio de Janeiro, para denunciar ao governo brasileiro suas péssimas condições de vida.

Segundo o Departamento de propaganda do governo, Welles enfocava, demasiadamente, em seu filme, os negros e a cultura afro-brasileira (no caso, nordestinos – cafuzos para alguns – com a pele queimada de sol e favelados negros do Rio de Janeiro).

É ainda Labaki quem comenta:

…”Em 19 de maio de 1942, já filmando nas praias cearenses, advém a tragédia. A mesma jangada original da ida ao Rio foi virada por uma onda forte num dia de mar bravo. Os quatro homens caíram na água. Jacaré submergiu, voltou à tona, pediu socorro, nadou desorientado mar a dentro e desapareceu. Seu corpo jamais foi resgatado. “Jangadeiro deve morrer no mar” foi a manchete caimmyana de um jornal, atribuindo a citação ao próprio Jacaré.”

…Pressionado por todos os lados, com produtores descontentes com a extensão das filmagens, e políticos de cá e de lá furiosos com a ênfase na pobreza e na negritude do episódio sobre o Carnaval, Orson Welles terminou o que viera fazer e deixou o Brasil para nunca mais voltar.

Jamais concederam-lhe a oportunidade de finalizar “It`s All True”, editado parcialmente sete anos depois de sua morte.”

Banido, tornado quase invisível, durante muitos anos, os negativos do filme foram recuperados, mostrando imagens épicas fantásticas do nordeste brasileiro, com o movimento impressionista das velas e das ondas do mar do Ceará e da então capital federal, com fortes e trágicos contrastes e nuances de preto & branco.

Visto hoje, com distanciamento, ‘It’s all true’ nos aparece como um legítimo filme brasileiro, tão grande a influência que, sabe se lá por que mágicos meios, imprimiu em nossa filmografia posterior, notadamente no cinema de Glauber Rocha. Talvez fosse mesmo uma tendência, um fenômeno cinematográfico amplo e recorrente, num mundo que, bafejado pelos ventos abrasivos da guerra, impulsionava o cinema, inapelavelmente, para a reflexão em imagens, de valores universais essenciais, tais como a solidariedade humana, a diversidade cultural e a luta contra o racismo, a intolerância e a miséria, seja onde estivessem.

Ventos que, geraram em suma, o movimento denominado Neo-Realismo‘ italiano, famoso movimento cultural surgido no pós guerra cujas maiores expressões foram (olha a Itália de novo aí, gente!) Rosselini e De Sica.

Mesmo com o advento do Cinema Novo (segundo se diz, criado por Humberto Mauro) o cinema brasileiro segue tributário dos italianos.

Se algum pai houve não se sabe ao certo, mas, talvez ‘la Mamma’ de nosso cinema moderno tenha sido mesmo esta avassaladora influência neo-realista de De Sica e Rosselini, em seu amor desmedido pela imagem idílica do povo da itália, escurecido pelo sol do Mediterrâneo e entidade vítima de algozes muito cruéis (o nazi-fascismo que morria e o imperialismo capitalista que surgia voraz), num contexto de caos social impactante. Talvez tenha navegado por estas ondas portanto, a relativa aceitação de uma certa negritude em nosso cinema.

Mas, é bom se frisar que este Neo Realismo brasileiro, se impõe mesmo é com o lançamento de Rio 40 graus de Nelson Pereira dos Santos e, logo após, com Rio Zona Norte, do mesmo autor, seguidos pela série Cinco Vezes favela‘, filme produzido pelo vanguardista CPC da UNE (no embalo lançando os cineastas Leon Hirszman, Cacá Diegues  e até o Eduardo Coutinho – cujo filme ‘Cabra marcado para morrer’, da mesma época, por conta do golpe militar ficou inconcluso).

Reveja o cinema de Glauber Rocha e observe nos formidáveis planos-sequências, aquela visão de um povo heróico e retumbante, esturricado de sol e sede, enfrentando, estoicamente, as agruras da natureza e do cruel capitalismo anglo-saxão.

Isto tudo exposto, podemos dizer que sempre houve uma substancial presença de negros nas telas de cinema do Brasil sim, mas, não nos furtemos em perguntar:

_Como assim?

Vejam talvez que esta, talvez seja uma história boa demais para ser verdade. No cinema, como no Brasil, ‘nem tudo é verdade’.

Alma no olho

João Carlos Rodrigues, em seu livro aqui citado O negro brasileiro e o cinema – enumerou 12 arquétipos (ou estereótipos) invariavelmente, disponíveis para atores e atrizes negros no Brasil. Os mais importantes são os seguintes:

O Preto Velho, o Mártir da escravidão, o Nobre Selvagem, o Negro Revoltado, o Negro da Alma Branca (trágico elo entre oprimidos e opressores ), o Crioulo Doido (equivalente assexuado e cômico do Arlequim da Commedia dell’Arte ), a Musa Negra. Há dois com uma nítida conotação sexual exacerbada :O ameaçador Macho Negro ( Negão ) que povoa os sonhos racistas com estupros e violências ; a Mulata Sedutora ( Uma espécie de mulher-objeto cor de chocolate, desejada por todas as raças).

Na obra de João Carlos, todos os personagens negros e mulatos da ficção brasileira se enquadram em uma dessas categorias.

Assisti, por acaso, um dia destes, ao excelente e bem realizado ‘Também Somos Irmãos’, drama de José Carlos Burle com Grande Otelo, Aguinaldo Camargo, Agnaldo Rayol, Ruth de Souza e Jorge Dória, produzido pela valorosa companhia de cinema Atlântida em 1949. Embora velados, muitos dos estereótipos enumerados estavam lá.

Já foram de algum modo citados também outros filmes emblemáticos – com ou sobre negros – aqui mesmo nesta série. Entre eles Assalto ao Trem Pagador de Roberto Farias, Ganga Zumba (1964) de Carlos Diegues, Compasso de espera, direção de Antunes Filho (que conta o drama de um intelectual negro representado por Zózimo Bulbull, na megalópolis São Paulo, tentando integrar-se na sociedade branca). Podemos citar também Bahia de todos os santos (1960), de Trigueirinho Neto, Sinhá Moça (1953), direção de Tom Payne e Osvaldo Sampaio, O amuleto de Ogum (1974) e A tenda dos milagres (1977) ambos dirigidos por Nelson Pereira dos Santos, além de Xica da Silva (1976) e Quilombo de 1984 (o mito de Ganga Zumba de novo, também com a direção de Carlos Diegues, desta vez como super produção neo-tropicalista) e o digno Chico Rei (1985), de Walter Lima Junior – do qual este autor que vos fala, orgulhosamente participou, escrevendo a trilha sonora com seu grupo Vissungo (Wagner Tiso escreveria a trilha ‘branca‘, europeia) e coordenando grupos de congada na cena final.

Nesta vasta filmografia, dois fatos saltam aos olhos: Diretamente ligados à história, aos dramas, e ao modo de ser dos negros do Brasil, nenhum destes filmes foi dirigido por um diretor negro. Segundo: talvez por esta prosaica razão, em todos eles, de algum modo, os personagens negros são esquemáticos, estereotipados ou idealizados, quase sem nenhuma diferença do quadro de ‘arquétipos’ enumerado por João Carlos Rodrigues acima.

É fato também, portanto que o negro brasileiro está no cinema apenas com o corpo. Não está presente a sua alma. Seus olhos não se reconhecem nestes corpos travestidos por estereótipos os mais diversos, uns frutos do preconceito ou da ignorância, outros fruto da arrogância elitista de certa classe cinematográfica voltada excessivamente para uma visão estreita de nossa sociedade, contaminada por nossos vícios racistas mais recorrentes e sempre, renitentemente, presentes. Uma alma, senão branca, desvirtuada pela visão esquemática do filtro torto, com o qual a maioria de nossos cineastas enxerga a alma do negro (e, por extensão, dos pobres do Brasil).

As exceções a esta enigmática invisibilidade da alma do negro, dirigindo-se a si mesmo, em nossas telas, são poucas, entre elas, Cajado Filho (1912 – 1966), cenógrafo e roteirista de dezenas de filmes de sucesso, que dirigiu cinco longas metragens entre 1949 e 1958, todos infelizmente desaparecidos. Foi quase certamente o primeiro diretor negro do cinema brasileiro segundo João Carlos Rodrigues.

Com um hiato de muitos anos, temos também ‘As Aventuras amorosas de um padeiro’ de Waldir Onofre (cineasta que narra a alma suburbana da zona Oeste do Rio) ,’Alma no Olho’, de Zózimo Bulbull (Jorge da Silva), além de títulos esparsos por aí, a maioria de cineastas negros iniciantes, unidos, recentemente pelo Centro Afro Carioca de Cinema, criado por Zózimo Bulbull e Biza Vianna que, a partir de referências seminais do cinema africano, do senegalês Ousmane Sémbene, do nigeriano Ola Balogun (que filmou no Brasil nos anos 80 A Deusa Negra) e de Zezé Gamboa (prêmio do júri no Sundance Film Festival, em 2005), entre outros, todos reunidos num concorrido festival realizado no Cine Odeon (entre outros espaços), no Rio de Janeiro em novembro de 2007 e 2008, almejam quebrar o paradigma da ausência da alma negra no cinema do Brasil.

Dogmática feijoada

Na crônica das incongruências que este grupo de cineastas negros almeja superar, no intuito de provar que as idiossincrasias da alma popular brasileira (vale dizer a alma dos ‘não brancos’ do Brasil) não tem sido bem descrita pelos filtros do nosso cinema tradicional, existem casos clássicos, muito discutidos por seu caráter assaz constrangedor, como por exemplo, a salada antropológica, de cunho, grotescamente, tropicalista e gosto duvidoso (até como cinema) com que o sempre festejado Cacá Diegues tratou o Quilombo de Palmares, emblema de um episódio caro a alma libertária de todos os brasileiros (travessura estética repetida em 1999 no – vá lá – ‘pós modernista’ Orfeu com Toni Garrido).

E nem precisávamos falar também da, certamente bem preparada e articulada mulher que foi Xica da Silva, transformada em mera ‘mulata’ lasciva, quase prostituta, por – de novo ele – Cacá Diegues, o renitente cineasta que filmara também, alguns anos atrás, a imagem risível no filme Ganga Zumba de uma escrava africana usando hennè nos cabelos (Luiza Maranhão, grande atriz de tantos filmes emblemáticos como o já citado Assalto ao Trem Pagador).

Mas, quem se importava com estas continuístas filigranas de foco e enquadramento àquela altura dos acontecimentos, tomados que estávamos pelo sonho ufanista de termos com a Embrafilme, enfim, uma indústria cinematográfica de peso? Definitivamente, não pegava bem naquela época, falar mal do cinema nacional.

Felizmente, panorama cinematográfico brasileiro neste aspecto tão vexatório, neste cipoal de impropriedades estilísticas, pode estar prestes a mudar com a mais recente e incisiva – pelo menos como atitude – incursão representada pelas ações afirmativas tocadas, à própria conta e risco, por um grupo de cineastas e estudantes de cinema de São Paulo: O Dogma Feijoada.

Liderada pelos, relativamente, jovens cineastas paulistas Jeferson De e Noel de Carvalho, O Dogma Feijoada é uma ação que reúne cerca de 13 cineastas negros paulistas, a maioria representantes de uma inédita geração de alunos de cursos regulares de cinema, animada a quebrar os tabus conceituais e ideológicos mais recorrentes neste assunto, com muita disposição, embora ainda se baseando em ideias – apesar de, saudavelmente provocativas – em sua maioria, um tanto ou quanto insuficientes (redundantes até) – segundo se pode avaliar pelas sete ‘dogmáticas ‘ cláusulas que expomos a seguir:

‘Cinema Negro Brasileiro ou Dogma Feijoada

1- O filme tem de ser dirigido por um realizador negro brasileiro;
2- O protagonista deve ser negro;
3- A temática do filme tem de estar relacionada com a cultura negra brasileira;
4 -O filme tem de ter um cronograma exeqüível. Filmes-urgentes;
5- Personagens estereotipados (negros ou não) estão proibidos;
6- O roteiro deverá privilegiar o negro comum brasileiro;
7 – Super-heróis ou bandidos deverão ser evitados. ’

Mesmo considerando que – nem mesmo como ironia ou brincadeirinha com dinamarqueses- não se quebram paradigmas com dogmas (dogmática mesmo é a prática dos que estão do outro lado ) só nos resta desejar que, a partir desta entusiasmada galera do Dogma, a moviola simbólica deste nosso ainda inacabado filme noir (que por aqui, sem o menor suspense, parece sempre rodar para trás) avance mesmo, rumo a um cinema brasileiro completo em gentes e nuances; rico, com heróis e vilões sem máscaras ou pankaques; um cinema colorido, diversificado em temáticas e arquétipos, feito por todos e Paratodos (como o nome daqueles cine ‘poeiras’ de interior).

Enfim, sem mais delongas vulgares ou ‘The ends’ bregas e, sobretudo, sem ‘_ Óticas do povo, morou?’, só me resta gritar à guisa de corte final:

_Luzes, Câmeras e…ação!

Spírito Santo

Dez 2008

(Leia também os takes 01 e 02 )

CINEMA EM BRANCO & PRETO / Take 2


Creative Commons LicenseTodo o conteúdo deste blog está assegurado sob uma licença Criative Commons1229206214_howard_and_mack_comedians1

Cinema para quem precisa

Interior/Dia

Voltando a nossa boa conversa do Take 01 desta série, o fato é que, para sermos justos, foi nas dimensões hospitaleiras do veículo cinema, da tela grande, que se asilaram e se tornaram visíveis muitos atores não-brancos fabulosos deste Brasil.

Neste âmbito de dramas empolgantes, tivemos Eliezer Gomes, o Tião Medonho (do clássico Assalto ao trem pagador de Roberto Farias), que foi também o caseiro psicopata de Anjo da Noite, de Walter Hugo Khouri, e o escravo-cavalo de Jeane Moreau (em Joana, a francesa de Cacá Diegues). Um ator autodidata, de ‘dimensões shakesperianas’, segundo disse um crítico na época, mas, quem se lembra? Pelo visto, poucos.

Belo e bravo cinema do Brasil. Bucólicas ou violentas imagens, suburbanas ou rurais, às vezes sagas grandiosas, nas quais os não-brancos apareceram sempre com a alma de certo modo inteira.

Generoso e ainda efêmero cinema nacional. Sempre tão precário como indústria.

De Bulbul à la Diniz

Se de vez em quando um mea-culpa doloroso é carpido pelos cerca de 30% de incluídos, geralmente isto se dá nas telas do cinema. É neste momento – como num rápido trailer – que a imagem dos 70% mais ‘feios’ aparece gloriosamente colorida, incômoda e corrosiva, tanto aplacando talvez culpas internas (como autoflagelação de mentirinha), quanto desmascarando, internacionalmente, nos Hollywoods e Berlins da vida, a cegueira extrema daquele Brasil ‘branco’, sarado e siliconado, que não cansa de olhar o outro Brasil pelo retrovisor.

O pior é que, ao que tudo indica, o grande e perturbador aspecto do problema não é ainda este. A coisa é ainda um pouco pior. Pasmem se ainda puderem mas, pelo que se vê exposto nesta mídia, é quase que, totalmente, ‘branca’ também a maioria das pessoas comuns visíveis, os transeuntes flagrados por câmaras fotográficas ou de TV, dando opiniões e entrevistas, frequentando praças de alimentação de shopping centers.

São também, majoritariamente, ‘brancos’, do mesmo modo, os frequentadores de bibliotecas, de cibercafés (lan houses de favela não contam, é claro), de bares genéricos ou temáticos, de centros culturais, assim como o são os professores universitários, os aposentados com dignidade, os funcionários públicos acima do último escalão, as socialites autênticas ou emergentes, as recepcionistas de lanchonete ou de butique, os modelos e manequins, os praticantes de cooper na orla, os ciclistas e motoristas de fim de semana, até os mortos nos acidentes de trânsito o são.

É sempre incrível para os estrangeiros que nos visitam, mas também é ‘branca’ a maior parte dos espectadores de cinema e teatro, os atletas de esportes radicais, assim como também são brancos a maioria das prostitutas do calçadão, os jogadores de frescobol, de voleibol, de basquetebol. Cá entre nós, já notaram que são cada vez menos negras também, até as empregadas das telenovelas?

Milton Santos, o brasileiro que chegou a ser considerado o maior geógrafo do mundo (ele mesmo, um dos muitos invisíveis gênios negros deste país), costumava perguntar onde estaríamos escondendo os nossos milhões de não-brancos. Em guetos infectos como na antiga África do Sul? Seriam mesmo guetos infectos as nossas milhares de favelas? Ou não?

A relativa invisibilidade de não-brancos em nossa televisão, aliás, é um episódio digno de várias novelas. Desde o tempo do dramalhão A cabana do pai Tomás, no qual ator Sérgio Cardoso apareceu pintado de preto, passando pelo beijo – até hoje escandaloso – do crioulo Zózimo Bulbul na ‘loura’ Leila Diniz, pouca coisa mudou.

Corte / Tela escura / Silêncio

O impressionante Aguinaldo Camargo, o nunca demasiadamente citado ícone Grande Otelo, Milton Gonçalves, Antônio Pompeu, os saudosos Marcos Vinícius, Norton Nascimento e Paulão Barbosa; Cosme dos Santos, Luiz Antônio Pilar, Maurício Gonçalves, Roque Pitanga, Lui Mendes, entre outros, são parte de uma dinastia de duas ou três gerações que, com raras exceções, sempre representou eternos estereótipos do bandido, do policial, do porteiro, do traficante, do motorista e, quase sempre, do indefectível escravo doméstico, assim meio Uncle Thomas, meio Pai João (escravo rebelde de novela, sempre morre sozinho, abandonado pelos irmãos de cor e de infortúnio).

Também para duas gerações de atrizes a mesma galeria de tipos chapados, estereotipados. Ruth de Souza, Léa Garcia, Chica Xavier, Zezé Mota, Neuza Borges, Zezeh Barboza, Iléa Ferraz, Mariah da Penha, Isabel Fillardis, Thaís Araújo, Maria Ceiça, Cida Moreno e – vá lá – Camila Pitanga, entre tantas outras, revezam-se em papéis similares, geralmente jovens mucamas oferecidas, velhas escravas resignadas (ou alegres e prestativas domésticas). Às vezes, para variar, desbocadas prostitutas.

A não ser quando representando escravos de alguma senzala de padrão global, os atores negros de nossa teledramaturgia quase nunca são ocupados assim, em grupo, em núcleos (como ocorreu aliás uma vez, quando uma família negra de classe média exibiu seus um tanto descoloridos conflitos na TV).

Geralmente as telenovelas, quando existem papéis específicos “para negros”, costumam ocupar de cada vez, apenas um ou dois atores ou atrizes negras “de plantão”. Este plantão envolve sempre a mesma galeria de personagens estereotipados citados, o que faz com que a carreira de ator ou atriz para negros no Brasil seja uma atividade de pouco ou nenhum futuro, atraente apenas para os loucos mais abnegados.

A natureza e a dinâmica dos mecanismos que acionam esta invisibilidade a que estão relegados os não-brancos em nossa teledramaturgia são dois grandes mistérios de nossa sociologia.

Tudo nasceria de um acordo tácito entre teledramaturgos? Seriam mecanismos regidos por secretos memorandos internos trocados entre a alta cúpula das emissoras? Estariam baseados em estratégias de comercialização, em pesquisas de mercado nas quais o consumidor não-branco apareceria como um segmento desinteressante ao mercado? Ou seria culpa da desmobilização política da classe, do conjunto de artistas negros, da opinião pública não-branca deste país?

Talvez seja esta a faceta mais cruel do racismo à brasileira: seu caráter de omertá, a lei do silêncio, instituição fantasmagórica, mas, onipresente, rígida e complexa apesar de não estar escrita; tácita; sórdida porém tolerável; seguida à risca por uma multidão de cúmplices, beneficiários de uma injustiça impossível de ser inteiramente identificada e compreendida pelas vítimas, porque não pode ser atribuída diretamente a ninguém, já que todos os indivíduos que a praticam aprendem, desde de criancinhas, a repetir o surrado discurso que diz:

“Se há racismo, os racistas são os outros”.

Plano Americano

Corte

De todo jeito, se todos nós sabemos que um rostinho levemente europeu definitivamente não corresponde ao perfil étnico da maioria de nossa população, o que estaria havendo então? Algum tipo de loucura, de neurose coletiva? Estaríamos vivendo todos um problema tão grave de autoestima que, mergulhados numa profunda crise de identidade, acabamos por nos atolar na paranoica negação de nossa própria imagem? Ou seria uma cínica e esperta “ação afirmativa” às avessas, algum corporativismo racista do tipo “primeiro o meu, depois o do judeu”?

Seja lá o que for, é bom que deixemos logo de ser brancos para sermos francos. Já não é possível encontrar inocentes neste roteiro de sutis omissões e comodismo interesseiro.

Se não nos surpreendemos mais com isto, indignemo-nos, pois!Dizem que um dia destes (bem antes da Obamania surgir, claro) um apatetado George W. Bush perguntou ao presidente do Brasil que o visitava:

_”É verdade que vocês tem mesmo negros por lá?”O ‘branco’ Lula, dizem, ficou vermelho e depois sorriu amarelo.Indignemo-nos pois, antes que, sem nenhuma imagem que represente a verdadeira cara do nosso Brasil cor de anil, em resposta a um destes Bushs da vida, só nos reste, dizer:

_ “Tivemos negros sim, mas, com o tempo, eles foram sumindo, sumindo…”

As conclusões mais enfáticas deste artigo, no plano de nossa vida cotidiana, no dia a dia, começam a carecer já de alguma revisão, no bom sentido. Tudo ainda muito incipiente, quase imperceptível. Contudo, seria este um reflexo das políticas de ação afirmativa, tão combatidas quanto ignoradas por nossa renitente mídia ligeira, sempre inerte e omissa como aquele cego que teima em não querer ver?

Deixando de lado este quase interminável rol de invisibilidades de nosso ‘apagão imagético’, siga então em frente e leia também os posts takes 01 e 03 deste eletrizante argumento.

Spírito Santo

Dezembro 2008

O Paradigma do Macaco


Creative Commons LicenseTodo o conteúdo deste blog está assegurado por uma licença Criative Commons
1226183011_planetas_dos_macacos

Afinal, quem são os primitivos estúpidos nesta história?

“…O filme traça a trajetória do homem desde, aproximadamente, quatro milhões de anos antes de Cristo, até o ano de 2001, sempre abordando a evolução da espécie, a influência da tecnologia nesse crescimento e os perigos da inteligência artificial.

O final, um dos mais emblemáticos da história do cinema, mostra astronautas travando uma luta mortal contra o computador – a versão moderna do confronto entre criador e criatura, que já inspirara clássicos como Frankenstein.

Um monólito cai na Terra ainda na época da pré-história e, muitos anos depois, em 1999, é descoberto um segundo monólito na Lua.

Aparentemente, são alienígenas que observam os terrestres, então uma missão internacional é enviada a Júpiter com a missão de descobrir o que eles realmente querem”.

O filme, todo mundo sabe é ‘2001, uma odisséia no espaço’ de Stanley Kubrik, baseado na obra genial de Arthr C. Clarke. Nele, no momento da pré-história quando o primeiro monólito negro cai, um orangotango também negro lança um osso para o espaço.

O osso-ferramenta, girando no vazio, se transforma numa nave espacial. O osso transmutando-se em nave, pela força mágica de um inexorável e enigmático paradigma (o monólito) navega solitário entre galáxias.

Osso e nave, macaco e homem, símbolos da relatividade da inteligência humana, inscrita no tempo e no espaço. E nós todos ali, juntos naquela nave útero-de-mãe-solteira, irmanados, aprisionados em nossa odisséia de reles macacos sobreviventes, perdidos no espaço.

Algum conflito? Alguma ameaça? Sim, claro. Sem isto qual seria a graça da história. É por isto mesmo que o filme nos apresenta também o aterrorizante Hal 9000, o computador pirado, criado pela mesma humana estupidez de sempre.

Hal, arrogante e prepotente, pensa que nós todos, os astronautas é que somos estúpidos e ignorantes incorrigíveis, como… macacos.

Hal coloca tudo a perder neste seu delírio, nos levando à morte, à extinção (Ufa! apenas simbólica no filme, pois a terra ainda existe e está lá, bem distante de nosso drama). Pouco importa. O certo é que o filme é mesmo emblemático. Nos dias de hoje mais ainda.

Estupidez humana. Hajam monólitos e paradigmas para quebrá-la.

Macaco é a mãe!
Cena 01

A piada mais sem graça que ouvi na vida, quando ainda era bem criança – não entendi bem porque na época – era aquela que desqualificava, grosseiramente, a notória qualidade da oratória de José do Patrocínio, o nosso grande jornalista e abolicionista.

Na piada, Patrocínio discursava empolgado quando lá no fundo da platéia alguém gritava algo como:

– “Cala a boca preto!”

Ao que Patrocínio, impassível, mesmo diante das gargalhadas nervosas da platéia de políticos, brancos em sua maioria, emendava:

– “… Preto como o feijão, que abastece as nossas mesas saciando a nossa fome!”

Mas a voz ao fundo insistia:

– “Cala a boca crioulo!”

E Patrocínio respondia de pronto, sem pestanejar:

_ “Crioulo sim, como o jacarandá, madeira nobre com a qual construímos os móveis que embelezam os nossos salões!”

Era quando então, acossada pela dificuldade de desmontar a firme convicção do orador a voz apelava:

_” Cala a boca, macaco!”

Patrocínio, ainda no mesmo tom, respondia:

_”Macaco como… macaco como…(mas, logo a seguir,estressado, perdia a linha,)…Macaco é a puta que te pariu!”

Aí, sim, o clímax, a catarse. Patrocínio desqualificado, caído de sua pose e rebaixado à condição de reles crioulo normal.

As pessoas da audiência que ouvia a piada, indiferentes ao desconforto que eu denotava com o meu risinho amarelo e constrangido, desatavam a rir gargalhadas irrefreáveis, estúpidas para mim, porém, tão normais para elas, que só me restava ficar ali, alheio, quase invisível, pensando de onde tiravam graça daquela comparação de um homem negro com um macaco.

Porque faziam aquilo, pensava eu, na época ainda bem criança? O que haveria de errado, de tão estigmatizante com os crioulos e os macacos para incomodar tanto aquela gente? Não seriam também elas, estas pessoas, descendentes dos mesmos macacos?

———–

Lembrei desta piada vivamente outro dia mesmo quando a também, majoritariamente, branca (pelo menos em padrões brasileiros) platéia de Interlagos, São Paulo, na decisão da corrida de fórmula 1 de 2008, inconformada com perda do campeonato pelo brasileiro Felipe Massa, xingou o inglês Lewis Hamilton, o virtual campeão, primeiro negro a conquistar o título:

_”Crioulo, Macaco! Devia estar correndo era da polícia!”

Soube que não houve a entrega do prêmio de campeão da temporada naquele dia. O pai de Hamilton, por conta de outras agressões racistas ocorridas no decorrer da temporada, chegou mesmo a pensar em sugerir ao filho abandonar o esporte. Disse, com outras palavras, é claro, que achava aquele ambiente sórdido demais para a sua família.

Na verdade, a expressão ‘macaco’ me evocou lembranças bem mais particulares e doídas, me fazendo reconhecer agora mesmo – e vocês, os que nunca passaram por tão vexatório desconforto, haverão de me perdoar – que preciso expurgar de mim estes sujos traumas a que fui exposto, única e exclusivamente, pelo fato de ter nascido negro num país racista.

Desabafo pessoal? Não, não, de modo algum. Este é um legítimo protesto coletivo. Milhões de brasileiros tiveram como eu, a memória destas ofensas avivadas neste momento diante da TV e, mais uma vez se indignaram com elas e vão, com certeza, buscar, cada dia mais ardentemente, um jeito de desagravá-las.

Queremos desmontar o Hal 9000 que habita – e comanda – esta nave espacial chamada Brasil, antes que esta piração sem graça e sem sentido do racismo que nos atordoa e cega, nos leve a todos para o buraco.

Macacos do mundo, uni-vos!

Macaco é a mãe!
Cena 02

18 anos, por aí. Bairro suburbano. Pelas ruas, casas e apartamentos, pobres e remediados, funcionários públicos, operários, gente humilde enfim. Nós, adolescentes heróicos, hormônios à flor da pele, debandávamos de casa aos sábados, ultra perfumados à ‘Patchuli‘ ou ‘Lancaster’, rumo à praça central do bairro com a adrenalina à mil.

Eram poucos, pouquíssimos os brancos no bairro, me recordo agora. Esta história de diferenças raciais, de modo algum, passavam pelas nossas cabeças de negros naquela época. Nem parávamos para pensar o que queria dizer ser isto ou aquilo, em termos raciais.

Anti-racialistas ingênuos, éramos a esmagadora maioria no bairro, mas, isto nos parecia uma condição, perfeitamente, natural. A vida seria assim e pronto.

Vivíamos – só fui intuir muito tempo depois – num gueto isolado, excluídos pelos mesmos parâmetros que justificam hoje o confinamento de pessoas em favelas e ‘comunidades’ carentes, mas, para nós, o mundo inteiro era assim, pobre como nós.

Ignorávamos, completamente, esta sociologia torta e perversa, visivelmente, predominante hoje, sem serventia alguma para nossas vidinhas de rapazes e moças felizes naquela remota virada da década de 1960. Misturávamos cachaça com coca-cola (dava ‘Samba’) na dureza e rum com coca-cola (dava ‘Cuba-Libre’) . Tanto fazia. O objetivo, era mesmo ficar doidão.

Por isto, por esta santa ignorância (ou inconsciência, sei lá) do que vinha a ser racismo, convivíamos, tranquilamente com os gatos pingados brancos de nossa vizinhança. Eu mesmo tinha um grande amigo que era, desbragadamente, branco, louro até.

A pracinha do bairro era um circo curioso (havia nela, inclusive, um parquinho de diversões). Pensando naquela pracinha hoje, o que me ocorre é um barulhento ritual num pátio de acasalamento.

Em pares, às vezes em grupos eufóricos de, no máximo, quatro jovens, ficávamos rodando pela praça, dando voltas renitentes, como num rally à pé. Rapazes, mãos nos bolsos, tensas, num sentido, moças de braços dados, não menos tensos, no sentido inverso.

Ao se cruzarem, os pares – ou grupos – faziam gestos dissimulados, lançavam olhares e palavras cifradas, com significados que ensejavam, ou não uma paradinha, palmilhada de risinhos histéricos das moças e pigarros nervosos dos rapazes. Ali, um casal se formava e começava um namoro. Ou não. Uma promessa ao menos, um talvez-quem sabe-um-certo-dia.

Era este o nosso rito de passagem de jovens magrelos, frio na espinha (e espinhas na cara), ansiosos por conhecer o sexo oposto e, quiçá, o maior amor de nossas vidas.

Me lembro, vivamente, da noite em que eu e meu amigo branco, circulando na praça nos fixamos numa dupla de moçoilas. Eram brancas, mas, e daí? Estávamos atraídos pelo risinho disfarçado de uma delas, não conseguimos decifrar se era para ele ou para mim.

–“ Sorriu pra ele, claro” – Pensei inseguro.

Mas eram duas, custava nada tentar. “_Quem não arrisca não petisca” -, pensei, me reanimando.

Não sei ao certo o que eu disse para ela, qual foi o gracejo, deve ter sido algo bem imbecil, imagino. Os gracejos juvenis são sempre chavões idiotas, que a gente decora para quebrar o gelo, domar o pânico, estas coisas. Não foi dita nenhuma grossura, claro. Gracejos juvenis também são sempre marcados por alguma poética ingênua, babaca mesmo, de um romantismo jocoso, o gracejador querendo parecer gentil, espirituoso e, na ânsia de agradar, chegando até a gaguejar às vezes .

Foi por isto que aquela frase dela me atingiu como um soco no estômago:

_” Não se enxerga não, seu macaco!”

Nunca me recuperei daquela ofensa estúpida e gratuita. Jamais entendi direito o que poderia justificar aquilo. Lembrando o incidente, marcado para sempre pelo impacto dele no meu íntimo, percebo que tivesse havido no tom da voz dela, naquele rompante de ódio desmedido, uma reação inconsciente diante do fato de ter recebido um gracejo de mim, o negro, e não do branco.

Talvez fosse este acaso o que a tivesse feito se sentir tão diminuída, rejeitada, desprezada como uma cadela sem cio. Ela se sentira vulgarizada pelo meu gracejo o qual – que ironia -, com toda certeza devia ser algum galanteio, um elogio.

Talvez nem branca ela fosse – pensei depois, ressentido- , apenas parecesse e tivesse uma necessidade neurótica de esconder isto das amigas brancas. Um pai mulato, uma mãe parda? Seria isto? O fato é que não entendi – como não entendo até hoje – o sentido daquilo. Pura neurose, concluí.

Fácil refletir agora, mas, como saber ali, no calor da hora, o que se passava na cabeça de uma pessoa assim. Quem ensina estas coisas às mocinhas brancas? Quem alimenta esta bílis, este veneno na cabeça delas? De onde vêm estas práticas, cinicamente, guardadas em gavetas forradas com papel rosado, que explodem assim, rancorosas, na cara de sujeitos ingênuos como o tolo rapazola que eu era?

Um trauma juvenil foi o que ficou, podem interpretar assim. O que sei é que aprendi que existia racismo ali, naquele momento, a cabeça girando, sentindo uma espécie de náusea inexplicável, querendo afundar no chão da praça e sumir.

(E pensar que existem milhões de rapazes e senhores negros, agora mesmo, remoendo esta mágoa como eu…)

O amigo branco também nem no assunto tocou. Fingiu que não ouviu. Não demonstrou nenhuma solidariedade, nem mesmo fingida. Orgulhoso, me recompus e, disfarçadamente, me juntei a um grupo de rapazes iguais á mim, que estavam no parquinho de diversões ao lado, mandando pelo serviço de auto-falantes mensagens românticas anônimas, para moças também como eles, naquela acomodação social que talvez sempre existisse, sem que eu, tivesse tido ainda a chance de perceber… Até aquela hora.

Aquele “não se enxerga, não?” ressoando na minha cabeça como se tivesse sido gritado pelo auto-falante, era uma mensagem bem clara: Um negro – ou um macaco – devia sempre saber onde era o seu lugar.

O Macaco é a mãe!
Cena 03

Poderia ter sido comigo, mas, é fato também que, como muitos outros, um conhecido meu, do mesmo bairro e na mesma época, passou pelo mesmo revés quando adolescente. Turrão como um cão sem dono, não se emendou, não engoliu a ofensa, não recuou. Decidiu, ali, naquela hora que daria o troco um dia.

Anos depois, surgiu a oportunidade e ele encarou a barra de assumir um casamento inter-racial, por pura rebeldia, concluindo depois (claro, de tão estúpida que era a idéia, ele só se deu conta do erro terrível que cometera anos após).

Você já viu algum estudo sério sobre casamentos inter-raciais no Brasil? As próprias pessoas envolvidas não falam, trancam suas intimidades a sete chaves. Quantos casais inter-raciais você conhece? Aposto que dá para contar nos dedos de uma das mãos.

Você não acha estranho que um país onde, por baixo, metade da população é negra (sem contar os genéricos ‘não-brancos’, índios, nordestinos, etc.), o índice de casamentos inter-raciais seja tão irrisório? Pois bem, este meu amigo teve, amargamente, o dissabor de saber tim tim por tim tim, por que as coisas aqui são assim. Querem saber também? Olha o que ele me contou:

“A pressão da família contra o namoro era enorme. Desprezo absoluto e explícito, nenhuma autorização para as saídas mais prosaicas, nem mesmo um cineminha. Uma situação que, infelizmente, só atiçava os meus brios libertários, envolvido que estava, romanticamente, naquele clima contra cultural dos anos 70…

“Eu vou. Porque não? Porque não? Porque não?”

Confuso naquele afã de ser o rebelde, uma espécie de ‘Che Guevara’ de um politizado e idealizado amor, aquele que desafiaria o sistema de castas raciais que predominava, mesmo naquele remoto bairro suburbano, ele não se tocou, nem mesmo quando sentiu o ar atemorizado da família e dos amigos que avisavam, insistentemente:

_”Olha, rapaz…. você está brincando com fogo”.

Mas, não adiantava avisar. Casaram-se. A princípio, integrando-se no mundo branco dela (à margem da família), começou a perceber que a ele estava reservado o papel incômodo de um personagem conhecido como o ‘negro da patota’, aquele de quem se espera que divirta, distraia a galera com alguma habilidade especial.

_”Ah, que legal! Ele conta piadas! Ele toca violão! Ele samba tão bem!”

(A regra é clara: Um negro no Brasil não freqüenta um ambiente, majoritariamente, branco se não tiver alguma habilidade especial que o destaque. É preciso mostrar a que veio. Já pararam  para observar esta máxima?)

Nunca ser ele mesmo, nunca ser a persona, o indivíduo negão. Sempre o personagem.

Isto sem contar os sapos que ele, o meu amigo, engolia, relevando os olhares preconceituosos das pessoas, as piadinhas pouco de salão e as insinuações salpicadas de maldades ferinas, nos ambientes mais corriqueiros, bares, cinema, etc. Pareciam sempre estar pensando:

_” Que diabo faz aquela branca tão fina casada com aquele crioulo doidão?”

No ambiente inverso, contudo, era ela que não se adaptava, oscilando sempre entre a timidez constrangida e a vontade irresistível de assumir logo o papel de outro personagem, este abominável, inaceitável para as pessoas dali: A sinházinha branca ‘superior’, aquela que estava ali por pura concessão de sua parte, simplesmente, por ser uma branca ‘compreensiva’, ‘gente boa’.

Personagens cínicos, canastronas representações e estereótipos banais, é disto que se nutrem as nossas tensas relações raciais.

O certo é que o pessoal, levando na brincadeira para não ofender o amigo, ironizava a ‘atuação’ dela apelidando-a (não sem algumas pitadas de sarcasmo) de ‘Princesa Isabel, a venturosa’, ‘Viridiana de Bangu’ (lembram do filme do Luis Buñuel?), e outros meigos vulgos e codinomes.

Mas eram os anos 70, ora. O mundo acordara há pouco de um longo torpor político. Panteras negras, Vietnam… Claro que a relação do meu nobre amigo com a branca azedaria e, não demorou muito mesmo a degringolar.

Mundos estanques, inconciliáveis, ele acabou decidindo divorciar-se dela. No ato letigioso da discussão dos termos gerais para a dissolução do casamento, ainda no corredor do fórum ele ouviu dela o vaticínio de que ele seria, ao final das contas, o único e irremediável perdedor.

_”Porque?”_ perguntou, com o restinho de ousadia que lhe restara.

_”Porque você é preto e eu sou branca”

Disse isto com aquele desdém típico das mulheres despeitadas, o veneno escorrendo no canto da boca (ex-esposa, nestes casos, é a pior inimiga, a mais implacável que um ser humano pode ter na vida, diz este meu amigo até hoje e, penso eu, coberto de razão).

Não deu outra. Tiveram vários conflitos ainda, relacionados a graves pendências conjugais. Numa delas, chegou a perder a cabeça e esbofeteá-la em público. Para os amigos que presenciaram a cena, achando que ele errara feio desta vez, ele justificou:

_”Não deu pra segurar não, gente. O sangue me subiu à cabeça quando ela me chamou de… macaco!”

O macaco está certo.
Todos os macacos em um

Você viu: O negro Barack Hussein Obama ganhou as eleições norte americanas. O mundo inteiro festejou eufórico. Fala-se numa mudança de paradigma. Achei as comemorações por aqui, não sei bem porque, bem modestas, contidas, chôchas até.

Das dezenas de amigos brancos que tenho hoje (do mesmo modo que o meu amigo louro do remoto subúrbio) pouquíssimos tocaram no assunto comigo. Fiquei decepcionadíssimo, mesmo sem entender. Uma amiga de ‘esquerda’, retirada por mim de seu mutismo absoluto sobre Obama, com uma pergunta direta, respondendo quase à força, complementou sorrindo amarelo:

“_ É, mas, ele não é negro!”

Incomodado com este estranho e lacônico comentário (olha que já se vão mais de quarenta anos daquele emblemático incidente na pracinha suburbana) naveguei por links e links na internet buscando a compreensão, sempre tão fugidia, deste assunto, de novo tão atual.

Lá, no resto do mundo, a festa. Aqui o quase silêncio, a comoção travada, o comedimento ‘anti-racialista’.

Lá descobri que pouca coisa mudou. Mas, vai mudar. Os ares são, fortemente, de mudança. O que não mudou lá é o ódio travado de alguns. O serviço secreto da casa Branca está preocupado com as muitas questões de segurança que a proteção à vida de Barack Obama demandará.

Só pelo fato de ser negro ele é um alvo potencial de racistas do mundo inteiro. Querem matá-lo pela ousadia de ter sido o primeiro negro eleito na América racista.

_”Matem o macaco!” -Devem estar sussurrando por ai.

Abismado achei estas citações atribuídas ao chefe da Ku klux Kan extraídas do site que a organização nazista, dita ‘supremacista’ mantém na rede:

“Thomas Robb, considerado por ele mesmo como o “Grande Cavaleiro da Ku Klux Klan”, quis opinar momentos após o triunfo do democrata Barack Obama e disse, entre outras insólitas declarações, que “se converteu no primeiro presidente mulato dos EUA”, já que é “metade negro” e não “negro”.

“Para justificar a escolha de Obama, Thomas publicou uma nota em um portal da Ku Klux Klan onde dizia que:

– “Ele não é negro porque foi criado (domesticado) por sua mãe branca”.

Além disso previu uma guerra racial entre negros e brancos e disse que os afro-americanos são “aliens” que querem destruir a cultura cristã”.

————–

_” Obama não é negro!?”- Incrível! É a mesma frase daquela minha amiga ‘de esquerda’.

Sendo assim, pensei, aqui no Brasil já devem estar chamando (entre quatro paredes, é claro) o mais importante líder político do mundo de… Macaco.

Mas não tem jeito. Morto ou vivo Obama, o mito da supremacia branca está, irremediavelmente, quebrado. Ninguém mais xingará abertamente o meu amigo (nem a mim) porque agora, um ‘macaco’, exatamente como nós, comanda o mundo.

Sim. Nós também podemos.

Estamos diante de um paradigma digno de Arthur C.Clarke e Stanley Kubrik. A Odisséia no espaço recomeçou em outra órbita:

É o Paradigma do Macaco.

Spírito Santo

Nov 2008