Mama mia! Será que a velha esquerda pirou?



Creative Commons License

Nacional-Estatismo? Como assim?

Juro por Deus que não estou influenciado pela campanha que se inaugurou por estes dias. Se querem mesmo saber detesto política partidária, ainda mais esta que predomina hoje em dia entre nós. Lavo minhas mãos. Não tenho lado algum a defender nesta pendenga, até porque já aprendi com a idade que não se ganha mesmo quase nada com este tipo de torcida. Política, definitivamente não é futebol.

O que eu gostava mesmo e amava de paixão era da utopia da revolução real, a sociedade mudando radicalmente pelo esforço organizado de uma maioria para algo, pelo menos, um pouco melhor para todos, sem distinção.

Mas, utopias à parte, convenhamos: Com esta idade não dá mais para ser enganado e ficar calado, nem por mera desconfiança. É, pois, por via destas dúvidas todas que, ainda pasmo, comento enfaticamente:

Sabe o Daniel Aarão Reis aquele ex-militante da nossa valorosa esquerda revolucionária, ex-preso político e hoje festejado professor de história contemporânea da Universidade Federal Fluminense? Pois não é que lendo um artigo dele hoje (11 de abril 2010) em O’Globo fiquei sabendo que ele defende (meio que timidamente na verdade, na base da  tergiversação, cheio de ‘data vênias’ como um advogado do diabo) uma tese que eu julgava ser indefensável, uma heresia para qualquer intelectual mais sério e comprometido com a evolução do país?

Pois é. A tese é a de um tal de Nacional-estatismo. Vocês sabem o que é isto? (Li por aqui no google que é uma teoria bem manjada por historiadores em geral) Gente de Deus, será que não sei mais ler? Será que existem na tese algumas bem escondidas entrelinhas, algo louvável, considerável que me escapou à compreensão?

Senão vejam vocês mesmos.

…”Depois da restauração democrática, ao longo dos anos 1980 1990, o nacional-estatismo defendido por várias forças de esquerda, resistiria ao vendaval do liberalismo triunfante.

A tese desenvolvida na matéria de O’ Globo se intitula ‘Uma cultura política: O Nacional-estatismo’ (leia a matéria completa neste link) e é defendida de maneira, estranhamente distanciada e escorregadia por Aarão Reis, de modo que só com muita atenção se percebe que ele, na verdade demonstra franca simpatia pela idéia.

“…Sob o conceito vago de populismo, construído por uma certa sociologia paulista todas estas forças tentaram então apresentar o nacional-estatismo como um projeto malsão por natureza, manipulador e corruptor. Virou quase um senso comum a a associação dos líderes populistas ao que de pior existe nos costumes políticos: Demagogia, mistificação, desvio de dinheiros públicos.”

Difícil acreditar, mas pelo que entendi o Daniel endossa, com a luxuosa argumentação de historiador brilhante que é sabe o que? O populismo, gente. Isto mesmo: Um populismo fashion, reciclado, mas no fundo no fundo aquele mesmo populismo escroque que ora nos rodeia:

Sacaram a sutileza? Nacional-estatismo, seria algo assim como o estado assumindo para si algumas funções que deveriam ser, na verdade, da sociedade organizada em nome, naturalmente de uma figura de retórica vulgarmente chamada de povo, no nosso caso uma triste massa miserável e despolitizada que mal tem o que comer.

Chamávamos isto, exatamente – e com franco desdém – de populismo, não lembram não? E de outros nomes até mais feios ainda como clientelismo, assistencialismo, caudilhismo (que era quando um líder carismático e vaidoso liderava com mão de ferro o processo todo, por intermédio de artimanhas personalistas com uma turba de militantes fanáticos fazendo coro e pressão).

Sacam este filme? Pois então. Ao que tudo indica é isto mesmo o que o bem enunciado conceito proposto pelo Daniel encobre, por trás de jargões e panos vermelhos.

Conheço, como vocês, a tendência. Ela tem sido flagrada facilmente no firme apreço do governo Lula por Hugo Chavez, as ropitchas vermelhas que Lula e Dilma desfilam por aí, os casaquinhos bolivianos presenteados por Evo Morales ao hermano do Brasil, os mimos de nosso ministério das relações exteriores ao Armadinejah, símbolos evidentes de uma tendência populista que eu considerava apenas um desvio exclusivo do confuso pragmatismo ideológico da cúpula mal letrada do PT e de nosso presidente.

A grita da oposição também é facilmente compreensível: Como semelhante propósito (este esdrúxulo nacionalismo estatal) não se coaduna com as regras e os preceitos mais comezinhos atualmente vigentes nas democracias modernas, a prática tem sido, veementemente criticada, considerada altamente condenável para muitos setores da sociedade (notadamente os tribunais eleitorais). Daniel tem toda razão, portanto quando pontua que esta prática arcaica, sempre foi, com toda certeza associada pelos sociólogos mais progressistas – e não apenas os paulistas – com o Populismo Clássico mais deplorável.

Me lembro muito bem que esta praga autoritária, tão comum na política latino-americana sempre foi combatida pela esquerda…moderna, inclusive aquela que se reuniu para a criação do PT.

É fácil se saber porque. Se nossa constituição mesmo tão remendada como é não prevê este tipo de governança, afinal, quem daria o aval e a legitimidade para um governo Nacional-estatista se instalar? O povo semi analfabeto e faminto, que vive à mercê de programas assistencialistas?

Por outro lado, quais seriam as áreas e instâncias da administração pública passíveis de serem estatizadas, controladas pelo estado? Quem decidiria sobre isto? Consultas plebiscitárias? O Ibope? E a imprensa? Sofreria algum tipo de controle estatal? E a justiça? haveriam tribunais especiais controlados pelo governo, arbitrando sobre questões consideradas…de estado? Seria justo ou confiável um governo baseado em premissas tão mal amarradas?

Pois bem, para Daniel Aarão Reis este Nacional-Estatismo, só seria populismo mesmo para uns poucos difamadores da ‘elite’. Populismo sim, mas apenas em termos já que, em diversas circunstancias históricas o conceito teria sido adotado com sucesso como política de governo por estados tanto da direita quanto da esquerda, ou seja, uma prática que não devia ter sido tão demonizada assim por ser, dependendo das circunstancias de algum modo válida, útil.

Que papo é este, meu irmão? Que conversa mais fiada.

Ora, não é preciso nenhuma sutileza de raciocínio para se perceber que Aarão, ao citar as tais ‘forças’ opositoras, está se referindo de forma transversa ao PSDB de FHC e Serra, espécie de paladinos de uma suposta ‘santa aliança’ que preconizaria o Neo liberalismo, elite esta formada também por todos os opositores do governo, a vaga oposição ‘golpista‘ que, diga-se de passagem, coincidentemente com muitos pontos de acerto, associam o PT do Lula a todas estas características… populistas.

Mas cá entre nós, quem não sabe ainda que a Demagogia, a mistificação e o desvio de dinheiros públicos, infelizmente tem sido marcas bem visíveis nas práticas dos governos ligados ao PT? Alguém aí já se esqueceu daqueles vexatórios escândalos mal explicados que marcaram os últimos 8 anos da Brasília governista atual, do estado-maior Petista caído em desgraça, enfim?

Quem ainda não percebeu que no discurso destas correntes, pretensamente de esquerda a ética foi feita letra morta, substituída por máximas supostamente pragamático-imperiais do tipo ‘O estado sou eu’ ( l’etàt c’est moi’, lembram? aquela frase ridícula do absolutista Luiz XIV)

Seria o PT das entranhas já em campanha acirrada para se perpetuar no poder? Aquele clandestino partido cujos líderes de fato vivem imersos na penumbra por que tem problemas cabeludos a tratar com a justiça? Seria este PT das sombras propondo – e de forma desastrada ao que parece – um programa de governo parecido com o Estado Novo de Getúlio Vargas. Bem esquisito isto, não é não? Ainda mais vindo de um partido de esquerda… Convenhamos, dirigismo estatal não era coisa de ditaduras?

O Nacional-estatismo na tese escorregadia de Aarão Reis, ao que tudo indica seria o que professam hoje Chavez, Evo Morales, Armadinejah, Raul Castro e… Lula da Silva. Só que Daniel esqueceu de considerar que Mussolini, Franco e Hitler, cada um em seu contexto, também surfaram, exatamente numa praia bem ao lado desta (nacional-socialismo e fascismo) e deu no que deu.

Mas espera aí: a crítica ao populismo que nos avacalhava a moral e os bons costumes, a denuncia do fascismo, da ditadura estatal, do terrorismo de estado, não foram as bandeiras mais tremuladas nas campanhas pela nossa democratização? Não foi pela democracia plena que tanta gente lutou e morreu neste país?

Com efeito, lá para as tantas, em sua defesa ambígua que recicla o populismo velho de guerra, Aarão cita, positivamente pasmem…Ernesto Geisel (usado como argumento de que direita e esquerda, cada uma a seu tempo, a certa altura de seus governos caíram em si para adotar o nacional-estatismo como uma opção válida). E segue em sua tese… ‘revisionista’ o nosso surpreendente Daniel:

“…Esta cultura política suscitou a oposição de forças poderosas e heterogêneas, de direita e de esquerda. As direitas, cosmopolitas e liberais, não podiam senão se opor às propostas nacionalistas e estatais. As esquerdas socialistas e comunistas, embora favoráveis a muitos aspectos do nacional-estatismo, competiam com ele pela liderança dos trabalhadores urbanos e rurais. Diferentes motivações, portanto, formariam uma verdadeira santa aliança contra o inimigo comum a ser abatido”.

Ah, sei…Entendi. É que agora eles estão… revendo os seus conceitos. O populismo agora (‘popululismo‘, no caso) para esta turma não seria mais um mal em si e pode ser considerado bom, positivo e até…moderno.

Será que parte daquele grupo de intelectuais brilhantes, forjado naquelas cruentas lutas contra a ditadura está embarcando em semelhante equívoco por convicção política? Custo a crer, mas não consigo discernir porque. Apenas me embaralho em suposições.

Outro dia vi na TV um destes antigos militantes da jovem esquerda brasileira dos anos 70 tornado ministro do governo Lula, aos prantos e soluços ao recordar de companheiros que enlouqueceram no exílio, sucumbidos ao peso insuportável do doloroso dia a dia, cara à cara com a derrota.

Consternado com a cena, fiquei refletindo no significado afetivo da estada no poder deste pessoal, no peso enorme que deve estar representando em suas vidas enfim esta – vá lá – oportunidade derradeira de transformar o país. Penso também com a mesma compreensão no caso daqueles que, vergonhosamente se corromperam e estão agora diante do não menos doloroso fim de suas chances de se locupletar , impunemente, de enriquecer mais um pouquinho na mamata explícita, tolerada pelos pares, com a desculpa esfarrapada de que desviaram verbas para o bem do partido, para o bem da revolução.

E aqueles que, em ambos os casos sonharam com a chance de estar lá e que, justamente agora na sua vez, se vêem na eminencia de verem frustradas suas chances, na antesala da grande oportunidade de suas vidas, seja lá ela qual for?

Deve ser realmente enlouquecedor para este pessoal estar diante do ensejo de se encerrar aqui – ou mais adiante, que importa – a chance que tiveram de governar o Brasil, a aproximação da hora de encerrar o ciclo no poder, a fase de manda-chuvas do país, um ciclo controverso, marcado por um pragmatismo discutível, caracterizado muito mais pelo fechar os olhos à velhas práticas políticas deploráveis, sem ter conseguido mudar em quase nada aquele velho Brasil que prometeram revolucionar, como nos fizeram acreditar piamente que fariam com aquela pomposa ‘carta aos brasileiros’.

Deve ser enlouquecedor para muitos destes caídos a revisão desta montanha de mal feitos ainda não explicados, supostamente realizados em nome do partido, um monte de mal feitos que, mais dia menos dia, virão à tona e que, sendo ou não sendo realmente ilícitos, passarão a fazer parte indelével da herança (quiçá maldita) que esta geração de governantes de esquerda deixará como o seu legado para a história.

Concluindo a quase convicção: Deve ser por isto tudo então que, para o bem ou para o mal, inventam teorias como esta do Nacional-estatismo. Que outra explicação se teria para tanta contradição senão o desespero de ter tido o poder nas mãos e não ter conseguido fazer a sonhada revolução. Uma inexorável sensação de derrota sim, diante do tanto que poderiam ter feito. Deve ser isto: O convívio com a finitude do poder os enlouqueceu.

Cruzes! Gente de Deus! Me tirem desta angústia . Estes caras piraram, não é não? Ou será foi em que pirei?

————

Distraído sim, mas não me chamem de alarmista exagerado. Atirei no que vi. Acertei no que não vi: Saibam vocês que agora mesmo, nos finalmentes deste post achei este interessantíssmo link. Tá lá gente. O Nacional-estatismo É O PROGRAMA DA DILMA. Caraca! estes caras pegam a gente, sempre de calça na mão!

————-

Spirito Santo
Abril 2010

Ausländer haus, negão!


Creative Commons License
Todo o conteúdo deste blog está assegurado por uma licença Criative Commons

(Foto de Angel Gonzales)

Intolerância também é cultura

Em 1992 eu morava em Viena, Áustria. Já estava por lá há três anos, de certo modo cansado de tanta civilização e morrendo de saudades daquela saudável bagunça brasileira, cuja lembrança, nos fazia tão bem, às vezes.Além da overdose de ordem e civilização, mesmo depois de tanto tempo por lá, ainda me surpreendia com a quase total ausência de rejeição da população local, diante de pessoas com o meu perfil e o da minha família: Negros brasileiros, muito parecidos com os cubanos, com os caribenhos, com os norte-americanos, um pouco com os africanos, negros em suma, quase em nada parecidos com eles, os austríacos.

A estranheza vinha, principalmente, do fato de não ser, absolutamente, esta a maneira como éramos tratados no Brasil, sempre que circulávamos por áreas como a Zona sul do Rio de Janeiro, por exemplo, onde a estratificação social é bem determinada, dividida entre ‘Brancos’ (habitantes das ruas elegantes, os ‘patrões’ e as ‘madames’) e ‘Negros’ ou ‘Paraíbas’ (habitantes das favelas e dos subúrbios, os empregados ou serviçais).

Não percebíamos isto, tão claramente, quando estávamos ainda por aqui, é verdade. É que já estávamos acostumados. Foi só em Viena que isto nos chamou mesmo a atenção. Lá só havia, a princípio, a curiosidade e o respeito diante dos estrangeiros que éramos (turistas, talvez pensassem).

Aqui, quase sempre, os olhares de desconfiança ou de desdém (bandidos, desclassificados, seres inferiores, pensavam, com toda certeza). Gosto desta descrição assim, sem nenhuma filigrana ou arroubo sociológico porque ela é bem clara, síntese perfeita do que realmente ocorre, de como a coisa é vista, assim, do lado de cá da cerca.

A estranheza com relação a como éramos tratados lá e aqui era maior ainda porque, como bem sabemos, praticamente não existem brancos no Brasil. Os ‘brancos’ do Brasil, seriam tratados lá como… árabes, talvez. Isto ficava límpido e claro para nós quando cruzávamos com aqueles milhares de seres louros de olhos azuis, grande maioria da população vienense.

Porque seria que aquelas pessoas tão descaradamente brancas, nos tratavam assim tão bem? Sem nenhum receio, às vezes com certa curiosidade até, pedindo licença para passar o dedo na pele dos mais escuros para confirmar se não era pintada? Me recordo de várias vezes, ao necessitar de alguma informação, de ser atendido por duas ou três pessoas, uma disputando com a outra, a chance de nos ser gentil.

Mas havia sim, um leve incômodo na nossa relação com os austríacos: Éramos, invariavelmente, chamados por eles de Africanisches (africanos), seja lá qual fosse a nossa origem ou do tom de nossa pele. Todos os negros que circulassem pelas ruas de Viena, fossem cubanos, norte americanos, para eles seriam africanisches.

O adjetivo ganhava contornos bem desagradáveis quando, espertos, cometíamos algum ato inaceitável para as regras sociais deles, tais como jogar papel e guimbas de cigarro na rua, falar alto, andar no bonde sem pagar, urinar na rua, etc. Aí o termo nos era lançado com todo o rancor de um xingamento, quase uma maldição: Africanisches! Muitas vezes até complementavam a injúria com o que, para eles, eram horríveis palavrões: Mohr! Negger! (que no Brasil corresponderia aos populares Crioulo! Macaco!)

Curiosas analogias pude constatar depois, estudando o assunto.

Africanisches todos nós éramos porque, do ponto de vista deles, descendentes de africanos, africanos são. Mohr viria de Mouro, palavra portadora do extremo ódio que, até hoje, as pessoas daquela região tem pelos árabes que invadiram e dominaram grande parte da Europa, deixando marcas profundas na cultura deles, entre as quais os arabescos e capitéis da curiosa arquitetura do Stephandomme (a Catedral de São Estevão) e a prática do islamismo em certas partes dos bálcãs (notadamente na antiga Iugoslávia), são marcas eloqüentes.

Como mais um dado a ser inserido na conversa, alguns brasileiros me contaram também, que já haviam presenciado senhoras indignadas com algum mal feito de um africanische, sendo multadas por policiais, na rua, porque se excederam na virulência dos xingamentos. Logo, havia intolerância racial na Áustria sim. Haviam inclusive leis contra o racismo. O que não havia por ali era hipocrisia.

A Áustria, como se sabe, é a terra de Adolf Hitler, ali nasceu a semente do Nazismo, o ovo da intolerância. As estúpidas e inconseqüentes razões do racismo fermentaram ali, do mesmo modo que as frágeis idéias de resistência contra a intolerância racial e as injustiças sociais de qualquer ordem também por ali vicejaram.

Ali viveu Sigmund Freud, Beethoven, Schümann, por ali passaram Karl Marx e Frederick Engels, Einstein, Mozart. Não podemos esquecer também de que, em Viena residem, ainda hoje, muitos descendentes, diretos, dos milhares de mortos dos campos de concentração nazista.

—————

Em Viena morei em quase todos os bairros. Desde o Grinzing, no bezirk (distrito) 15, o bairro nobre (mais ou menos como uma barra da Tijuca com morros e sem praia), até o suburbano Gumpendorfstrasse. No Grinzing reside gente rica ou moderna, artistas e intelectuais. Ali se curte a vida boêmia, a cultura alternativa, a diversidade racial, cultural e tudo que há de bom na Europa.

Em bairros como Gumpendorfstrasse moram os pobres, o povão. Circulando entre um bairro e outro tive uma lição de sociedade e pude compreender melhor como caminha a humanidade e, enfim, saber com quantos paus se faz a canoa que pode nos levar, dependendo apenas de nosso discernimento, para a civilização ou para a barbárie.

————-

A vida no apartamento que dividíamos com outra família, era bem tensa. Bairro popular, composto por prédios antigos, do tempo da segunda guerra mundial, no Gumpendorfstrasse não era hábito morarem estrangeiros. Quanto mais negros. Encontrávamos os habitantes locais todo dia, na pracinha do bairro, passeando com seus cachorros. Velhos, em sua maioria. Quase nenhum jovem ou criança, pelo menos à vista.

Quando cruzavam conosco, olhavam para nós com um misto de curiosidade e um mal disfarçado desprezo, cumprimentando-nos por entre os dentes com um ‘guten Tag!‘ ou um ‘guten abend!‘ formal. Alguns, mais atirados, as vezes nos inquiriam, querendo saber de onde vínhamos e quanto tempo ficaríamos por ali. Nestes momentos de inquirição, sorriam dissimuladamente. Nunca usavam, no entanto, como já disse, aquela sutil hipocrisia daqui do Brasil.

A dissimulação dos sorrisos ficava evidente porque o Strassenbahn (bonde) que nos levava de Gumpendorfstrasse até a estação do metrô, que por sua vez, nos levaria ao centro de Viena, tinha a fórmica dos anteparos dos bancos pichadas à caneta hidrocor, com frases que entendíamos muito bem:

_‘Ausländer haus!’- (‘fora estrangeiros! ‘).

A primeira vez que vi a frase assim, diante de mim, gelei da cabeça aos pés. É que ela estava ilustrada com uma inconfundível suástica vermelha. Os outdoors do caminho também continham a mesma suástica com a mesma palavra de ordem assustadora: ‘Ausländer haus!’ Em algumas destas pichações a frase era complementada com mais ênfase ainda:

‘Ausländer Tod! (Morte aos estrangeiros! ‘)

Quem escrevia aquelas frases? Estava claro que só poderiam ser jovens suburbanos, punks de periferia, neonazistas, filhos daqueles vizinhos francamente inamistosos. A gente via estes jovens, sempre, alguns de roupa preta, circulando pelos vagões do metrô, em bandos. Os africanos e brasileiros, nossos conhecidos, já haviam nos alertado para não ficar perto deles, porque costumavam furar estrangeiros com armas brancas.

Eu era apenas um músico brasileiro em Viena. Cantava e tocava na noite. Estava acostumado a cortar a cidade a pé, cruzando a neve, na alta madrugada, rumo à Gumpendorfstrasse, sempre que a grana não cobria o táxi e não havia mais metrô circulando. Eram mais de duas horas de trajeto. Fumava bem uns quatro cigarros neste caminho, para esquentar os beiços. Numa destas noites, os cigarros acabaram antes do tempo. Pensei comigo:

_”Nenhum problema. Entro naquele gasthaus (bar ‘pé sujo’), pego um bom maço de Hobby na cigarreten machine e pronto. ‘

Mas havia um homem na porta do gasthaus com um cão pastor alemão na coleira. Devia ser o dono do estabelecimento. Achei estranho ele não ter se afastado para a minha passagem. Tentei mais um vez e o cão rosnou, ameaçador. O homem nem me olhou, impassível. Aturdido com a situação, desisti de fumar e segui meu rumo, preocupado com a cena.

A frieza dele foi o que mais me assustou. Ela me lembrou outro incidente, também muito estranho, ocorrido num dia em que eu fui assinar um contrato para um show num bar latino. Eu andava pela calçada distraído. O bairro era tranqüilo, de periferia. Um barulho de freada e minha atenção foi atraída pela seguinte situação:

Um homem gordo, atarracado, com um solidéu na cabeça, árabe, por assim dizer, segurava uma bicicleta minúscula, de seu filho talvez, com o celim alto para que lhe servisse na altura. Engraçada a figura. O sinal havia fechado e um carro conversível vermelho – um Lambourghinni talvez – pilotado por um austríaco jovem e bem vestido, havia esbarrado na bicicleta do árabe, quase o derrubando. O austríaco, com o carro engrenado, não se moveu. Não dispensou sequer um olhar para o árabe, ignorando-o.

Indignado com a indiferença do outro, o árabe se aproximou dele e o recriminou, severamente, ainda com educação. O austríaco não se moveu.

O árabe xingou o homem, de tudo quanto foi , pelo que deduzi, nome feio, na sua língua, é claro, aos berros. O austríaco não se moveu.

Foi então que, quase explodindo de raiva, o árabe, cuspiu no rosto do austríaco que, ainda assim, não se moveu, nem para limpar o rosto. O sinal abriu e o Lambourguinni partiu. O árabe olhou para um lado e para o outro, sem compreender direito o que se passou e seguiu, desolado.

Testemunha ocular da inusitada cena segui pensando do que seria capaz um ser humano, tão frio e arrogante a ponto de não reagir a uma agressão daquelas, só para não pedir desculpas à alguém que, provavelmente ele desprezou apenas porque era um árabe?

Uma coisa, porém, me confortava: Eu estava ali incólume. O discriminado era o outro. Eu podia observar e avaliar a situação sofrida pelo árabe, de camarote.

Aquilo me lembrava também um dia em que, num mercadinho perto de casa, procurei uma fechadura nova para comprar. A marca mais famosa de produtos de segurança em Viena (cadeados, correntes, fechaduras, trancas de automóveis, e outras tralhas do tipo), tinha nas caixas uma curiosa ilustração de um ladrão típico (para o consumidor austríaco):

Ele era um árabe com a barba por fazer, mal encarado, invadindo uma casa na calada da noite, com uma lanterna acesa. Racismo explícito, ora, pois.

Não sou árabe (pelo menos que eu saiba). Como faz a maioria dos ‘brancos’ do Brasil poderia, tranquilamente, pensar: ‘pô, que chato, o que o austríaco fez com o cara, né?’ E seguir meu caminho, assoviando.

E foi, de fato, o que fiz. Neste ponto foi bom. Deu pra ver, friamente, como as coisas funcionavam por ali. Sórdidas, porém, explicáveis.

————————-

A época, início dos anos 90, coincidia com o recrudescimento da imigração de africanos para o centro da Europa, antes dominada, inteiramente, por imigrantes árabes, turcos em sua maioria. Era a faca de dois gumes da economia globalizada mostrando seus maus efeitos e dando o seu troco.

Entre outras regiões do outrora chamado terceiro mundo, com a globalização, a África, deixada à margem do mercado por razões históricas, depauperando-se pela fome, parecia que ia se transformar, rapidamente, numa espécie de favela continental.

Havia também a guerra entre Sérvios e os Croatas na Iugoslávia, os massacres étnicos contra muçulmanos e a vinda maciça de refugiados para a Áustria, antiga sede do império Austro húngaro que é, até hoje, uma espécie de capital da região, que envolve também a Polônia, a Tchecoslováquia e a Hungria, países cujos habitantes fogem da miséria para Viena, exatamente, como os nordestinos aqui no Brasil fogem para as favelas próximas à Barra da Tijuca.

Com verdadeiras hordas de imigrantes pressionando as economias dos países europeus mais ricos, os negros, os africanisches de qualquer origem, passaram então a integrar também, a raça dos estrangeiros indesejáveis. Entre eles estava eu. Haus! Fora! Gritavam os furibundos arautos do neo-nacionalismo, bem na minha cara.

O partido de direita da Áustria havia acabado de escolher seu candidato. Ele era um jovem político do sul do país, chamado Jorg Heider, simpatizante confesso de Adolf Hitler.

Uma amiga alemã a quem eu pretendia visitar em Munique me telefonou assustada, pedindo-me para não ir para a Alemanha, de jeito nenhum. Neonazistas estavam atacando negros da estação ferroviária. Haviam incendiado um alojamento de estudantes do Ghana e dois haviam morrido no ataque.

————————

Por alguma razão que não me recordo agora (talvez o alto preço do aluguel), tive que mudar de bairro. Fui para mais longe um pouco, um bairro de classe média, quase fora dos limites da cidade. Na pressa, larguei para trás uma caixa de brinquedos do meu filho e tive que voltar ao prédio do Gumpendorfstrasse para buscar. Foi num sábado, de manhãzinha. Um sábado de terror.

As paredes da escada do prédio até a porta do apartamento no qual eu morara, estava toda pichada pelos neonazistas:

-‘Ausländer haus! Fora estrangeiros! Morte aos estrangeiros! Africanisches! Negger! –diziam as inscrições.

Suásticas, muitas, suásticas enormes. Tudo pichado. Peguei a caixa e desci, rapidamente, as escadas. Sentei na pracinha para tomar fôlego, em pânico ainda. Os vizinhos, os mesmos que eu via todos os dias, passaram com seus cachorros. Não me cumprimentavam mais. Dava para ler no olhar deles que sabiam das suásticas, sabiam de tudo.

Com a expressão ausländer haus ecoando na minha cabeça, lembrei de todos aqueles aterrorizantes filmes de nazistas que assisti na vida. Achtung! Gente de Deus! Agora não era filme não. Era eu mesmo quem estava ali, de corpo presente, indefeso estrangeiro, no meio da branca neve dos outros. Os judeus da vez poderíamos ser eu e minha família.

Vade retro Satanás!

Vendi alguns dos instrumentos musicais exóticos que levara, alguns postais e até os originais de gravuras que havia desenhado para uma revista de lá, para completar o orçamento e, juntando mais alguma grana emprestada, comprei as passagens.

Quinze dias depois estava de volta ao Brasil. Me lembro que, ainda no céu, pouco antes de pousar, o avião cruzou com estranhos balões de plástico preto que anunciavam o impeachment de Fernando Collor de Mello, o ex ‘caçador de marajás’.

De volta ao passado, ao velho Brasil de sempre, desembarquei aliviado.

————-

É por isto que hoje, quinze anos depois, quando vejo jornalistas e intelectuais como Ali Kamel (de ascendência árabe, por sinal), Demétrio Mangnoli, Ivonne Maggie e Peter Fry (cidadão inglês, se não me engano), muito bem articulados entre si, espalhando aos quatro ventos e de forma militante, em artigos, teses, manifestos, a sua ojeriza por ações afirmativas e leis de cotas de reparação para os ‘não brancos’ do Brasil, me dá um frio na espinha. Fico lembrando daqueles últimos tempos em Viena.

Tenho minhas razões para não ver esta oposição ferrenha que este grupo faz às ações afirmativas no Brasil, como honestas e simples divergências de princípios. Foi, exatamente, por isto que contei para vocês logo, de antemão, a minha pós graduação na terra do Adolf.

Conheço também de relance, porém, de longa data, as atividades junto ao Movimento Negro da década de 80, de alguns destes intelectuais e acadêmicos, hoje ligados à importantes universidades federais brasileiras. Simpatizantes da luta anti racista de então, convidados pelo Movimento Negro para muitas mesas redondas contra o Racismo, formaram suas sólidas carreiras acadêmicas, defendendo teses que agora, por alguma estranha razão, passaram a combater.

São ainda hoje figuras acadêmicas importantes e poderosas, dirigindo estratégicos departamentos no campo da antropologia e da sociologia, na qualidade de especialistas no assunto raça e sociedade. Seriam estas suas recônditas razões?

Não é cisma, portanto, permitam-me considerar, alguém como eu estranhar a mudança de lado destas figuras, justamente agora, a esta altura dos acontecimentos.

Surpreende-me muito também a fragilidade, quase absoluta, de seus argumentos apoiados, quase que tão somente, pela grande ascendência que possuem junto a certos meios de comunicação, nos quais as vozes que deles discordam não tem tido, praticamente, nenhuma chance de se manifestar.

Observem por favor, que, na intensa campanha que fazem, está embutida também a tentativa de negar, não só, a existência de raças, mas, também a do próprio racismo. Contraditoriamente, portanto, negam agora, o cerne, a essência de sua própria militância intelectual do passado.

Há, com efeito, no bojo de sua campanha (pelo menos na de Ali Kamel, seu principal porta voz), distorções grosseiras e deliberadas de dados estatísticos do IBGE e sobre as recentes – e a rigor pertinentes- descobertas da genética, preconizando a inexistência de diferenças raciais, usando o torto raciocínio de que, se não há raças como poderia haver racismo? Se nunca houve Racismo por que haveria necessidade de reparação?

Anti-abolicionistas tardios, é o que parecem.

Contudo, como qualquer estudante de história do nível médio deve saber, a prova científica da inexistência de diferenças raciais é justamente atribuída ao esforço de cientistas engajados na luta contra o Racismo no mundo. Como também se sabe, no caso do Brasil, estas falsas diferenças foram adotadas pelas próprias elites racistas, logo depois da abolição da escravatura, como argumento para a manutenção da desigualdade e da opressão social, por parte de uma aristocracia, de ascendência européia, contra a maior parte da população ‘não branca’ que, no caso do Brasil, era – e é, como conseqüência do próprio racismo – composta por ex-escravos africanos, índios e seus descendentes.

A afirmação – e a denúncia- de que, efetivamente, há racismo no Brasil, não poderia, portanto, de modo algum, ser negada, por meio, exatamente, do mais eloqüente argumento que prova que, o Racismo tanto existe quanto precisa ser, veementemente, combatido, por todos os meios que se fizerem necessários, entre os quais as ações afirmativas e as políticas de reparação são os mais pertinentes, principalmente por serem democráticos, legais e, principalmente, pacíficos.

Neste quadro, é lamentável portanto que, atribuindo a culpa pelo crime à própria vítima, os ideólogos desta estranha campanha, sem argumentos válidos para justificar o seu reacionarismo, estejam acusando os partidários das políticas de ação afirmativa, de estarem propondo a institucionalização do Racismo no Brasil (que para eles nunca teria existido) o que, também segundo eles, geraria o ódio fratricida entre as raças (o que, a despeito das centenas de mortos na atual Guerra do Rio, não estaria ocorrendo).

Sua proposta rasa, única, curta e grossa é incluir os excluídos na sociedade de cotas e privilégios que ocupam e usufruem, apenas quando… a galinha criar dentes.

Só peço para que, por conta da forma tão aberta e franca quanto me expressei aqui, eles não tentem me expulsar, de vez, de minha própria terra, aos berros:

– ‘Ausländer haus, negão!’

Spírito Santo

Algum dia aí num mês destes de 2007 (ou seria 2006?)