Basil Davidson: Morre o filho branco da Mãe Negra


Bristol, 9 de Novembro de 1914 – Londres, 9 de Julho de 2010 Todo o conteúdo original deste blog está assegurado sob uma Licença Creative Commons. Morre o grande amigo da mãe África A lembrança está marcada em mim como e tivesse sido a fogo tatuada, nítida como se fosse hoje. Agora mesmo, contando isto para vocês, me vem o cheiro do papel do livro … Continuar lendo Basil Davidson: Morre o filho branco da Mãe Negra

Saudades de Quelimane


(Lendo um postal africano) (”…Escreva-me, sim? Preciso muito escrever com mais vagar) mas fica para amanhã… …Beijos dos seus filhinhos, saudades do Carlos para todos e para si muitas abraços e beijos De sua irmã muito sua amiga Alice …”) ——————- 1916 Quelimane é onde? Existe? É longe? Ou muito longe? Mais ainda? É assim, demais da conta, da idade amarelada e colonial de um … Continuar lendo Saudades de Quelimane

Pinguilim


Foto: Spirito Santo Sou Pinguilim Pirlimpimpim de anseios e fissuras Indeléveis purpurinas puras piscinas azuis onde boiam pirilâmpadas estrelinhas cintilando no quengo como bicadas de rouxinol (Mas, como assim? Do nada? Pensei que no quengo estrelinhas só cintilassem na base da porrada) ————- Pinguilim Blim blim de sininho sem fadinha alguma na pista Pisca pisca de funkão distante gambiarrazinha de árvore de natal sem natal … Continuar lendo Pinguilim

Mimosa Pudica


href=”https://spiritosanto.files.wordpress.com/2008/06/1192208213_mimosa_pudica_2_martin_la_bar.jpg”&gt;<a Durmo à toa carrego em mim o narcótico que me atordoa que me intimida ao tal ponto que desfaleço Durmo a qualquer mimo que sofro a qualquer vento desmaio desmonto as folhas como uma carreira de dominós desmorona ordenadamente soldadinhos em forma caindo com um peteleco Pudica enrubesço quase ao toque de qualquer coisa ‘Sensitiva’ dizem sobre mim, à boca miúda como se eu … Continuar lendo Mimosa Pudica

Música Quântica


Foto: Spirito Santo Música fina lira de agudas quintas diminutas como retículas de seda esgarçadas pela tensão da pele daquela que é a mais que desejada musa mas que com pudores tantos fada sem condão que também é queda-se (como pendão de lírio branco e leitoso) pende placidamente como a morrer feito um girasol. Ironia estética arquetípica lira de argutas fintas resolutos dribles como revoluções … Continuar lendo Música Quântica